Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 754
    [i_conteudo] => 754
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2021-10-19
    [dt_conteudo] => 2021-10-19
    [4] => Educação e desenvolvimento de SC desfrutam do legado deixado pelo carvão
    [titulo] => Educação e desenvolvimento de SC desfrutam do legado deixado pelo carvão
    [5] => Siecesc
    [autor] => Siecesc
    [6] => Até hoje, a Satc tem parte de sua manutenção custeada pela indústria carbonífera
    [resumo] => Até hoje, a Satc tem parte de sua manutenção custeada pela indústria carbonífera
    [7] => 

indústria carbonífera  é reconhecida por ter impulsionado a economia do Sul de Santa Catarina desde os seus primeiros momentos de atividade, em 1917. Mas, a mineração de carvão tem uma marca cut também na educação da região e que ainda impacta em toda a indústria catarinense. Esta marca se chama Satc, instituição de ensino criada em 1959 com um instrutor de ser um braço assistencial do setor e que se tornou, ao longo de seus 62 anos, referência na formação técnica de profissionais.

 “Quando o setor carbonífero decidiu criar um Satc, talvez os mineradores não tivessem ideia do papel transformador que aquela iniciativa teria na vida das pessoas”, destaca o reitor do Centro Universitário Unisatc, Carlos Antônio Ferreira

Ele saliente que o maior impacto da instituição de ensino ocorre pela  formação profissional . “A Satc foi e continua sendo fundamental na formação de mão de obra e no desenvolvimento de nosso ecossistema empresarial. Há profissionais formados pela Satc, seja em nível técnico ou graduação, atuando em todos os segmentos industriais de nossa região ”, revela Ferreira.

A formação de profissionais pela Satc impactou também a economia do Norte de Santa Catarina. Por muitos anos, empresas de  Joinville  vinham buscar na instituição a mão de obra qualificada de que precisa para desenvolver uma região. Os números dos últimos 10 anos apresentam a força da marca Satc quando se trata de empregabilidade. De 2012 a 2021, foram encaminhados 6.686 alunos do ensino técnico para estágio, sendo que  6.318  deles foram efetivados. Já da graduação, 1.359 estudantes saíram para estágio e, deles,  1.262  se colocaram no mercado de trabalho.

Para o ecossistema empresarial, ainda outro benefício importante gerado pela instituição. Com mais de oito anos de atividades, o Centro Tecnológico presta serviços e pesquisas em áreas como meio ambiente e energia. “A Satc, além de formar mão de obra, tem papel de gerar novos negócios e tecnologias”, destaca o reitor Carlos Antônio Ferreira.

Com a oferta de ensino da educação infantil à pós-graduação, a Satc atende atualmente  2 mil alunos  no Colégio Satc e  1.450 na Unisatc . A ideia de criar a instituição veio do General Osvaldo Pinto da Veiga durante uma negociação de venda de carvão.

De acordo com o General, seria interessante o  setor carbonífero  investir parte de seu faturamento em uma ação assistencial. Em 1959, uma Sociedade de Assistência aos Trabalhadores do Carvão foi criada e, dois anos depois, tornada-se uma instituição de ensino para atender meninos e filhos de mineiros. Até hoje, a Satc tem parte de sua manutenção custeada pela indústria carbonífera, num investimento de R $ 7 milhões por ano feito pelas empresas associadas ao Sindicato da Indústria de Extração de Carvão de Santa Catarina - Siecesc.

 

 

[conteudo] =>

indústria carbonífera  é reconhecida por ter impulsionado a economia do Sul de Santa Catarina desde os seus primeiros momentos de atividade, em 1917. Mas, a mineração de carvão tem uma marca cut também na educação da região e que ainda impacta em toda a indústria catarinense. Esta marca se chama Satc, instituição de ensino criada em 1959 com um instrutor de ser um braço assistencial do setor e que se tornou, ao longo de seus 62 anos, referência na formação técnica de profissionais.

 “Quando o setor carbonífero decidiu criar um Satc, talvez os mineradores não tivessem ideia do papel transformador que aquela iniciativa teria na vida das pessoas”, destaca o reitor do Centro Universitário Unisatc, Carlos Antônio Ferreira

Ele saliente que o maior impacto da instituição de ensino ocorre pela  formação profissional . “A Satc foi e continua sendo fundamental na formação de mão de obra e no desenvolvimento de nosso ecossistema empresarial. Há profissionais formados pela Satc, seja em nível técnico ou graduação, atuando em todos os segmentos industriais de nossa região ”, revela Ferreira.

A formação de profissionais pela Satc impactou também a economia do Norte de Santa Catarina. Por muitos anos, empresas de  Joinville  vinham buscar na instituição a mão de obra qualificada de que precisa para desenvolver uma região. Os números dos últimos 10 anos apresentam a força da marca Satc quando se trata de empregabilidade. De 2012 a 2021, foram encaminhados 6.686 alunos do ensino técnico para estágio, sendo que  6.318  deles foram efetivados. Já da graduação, 1.359 estudantes saíram para estágio e, deles,  1.262  se colocaram no mercado de trabalho.

Para o ecossistema empresarial, ainda outro benefício importante gerado pela instituição. Com mais de oito anos de atividades, o Centro Tecnológico presta serviços e pesquisas em áreas como meio ambiente e energia. “A Satc, além de formar mão de obra, tem papel de gerar novos negócios e tecnologias”, destaca o reitor Carlos Antônio Ferreira.

Com a oferta de ensino da educação infantil à pós-graduação, a Satc atende atualmente  2 mil alunos  no Colégio Satc e  1.450 na Unisatc . A ideia de criar a instituição veio do General Osvaldo Pinto da Veiga durante uma negociação de venda de carvão.

De acordo com o General, seria interessante o  setor carbonífero  investir parte de seu faturamento em uma ação assistencial. Em 1959, uma Sociedade de Assistência aos Trabalhadores do Carvão foi criada e, dois anos depois, tornada-se uma instituição de ensino para atender meninos e filhos de mineiros. Até hoje, a Satc tem parte de sua manutenção custeada pela indústria carbonífera, num investimento de R $ 7 milhões por ano feito pelas empresas associadas ao Sindicato da Indústria de Extração de Carvão de Santa Catarina - Siecesc.

 

 

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2021-11-01 16:36:05 [dt_sistema] => 2021-11-01 16:36:05 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Educação e desenvolvimento de SC desfrutam do legado deixado pelo carvão

19/10/2021

Siecesc

indústria carbonífera  é reconhecida por ter impulsionado a economia do Sul de Santa Catarina desde os seus primeiros momentos de atividade, em 1917. Mas, a mineração de carvão tem uma marca cut também na educação da região e que ainda impacta em toda a indústria catarinense. Esta marca se chama Satc, instituição de ensino criada em 1959 com um instrutor de ser um braço assistencial do setor e que se tornou, ao longo de seus 62 anos, referência na formação técnica de profissionais.

 “Quando o setor carbonífero decidiu criar um Satc, talvez os mineradores não tivessem ideia do papel transformador que aquela iniciativa teria na vida das pessoas”, destaca o reitor do Centro Universitário Unisatc, Carlos Antônio Ferreira

Ele saliente que o maior impacto da instituição de ensino ocorre pela  formação profissional . “A Satc foi e continua sendo fundamental na formação de mão de obra e no desenvolvimento de nosso ecossistema empresarial. Há profissionais formados pela Satc, seja em nível técnico ou graduação, atuando em todos os segmentos industriais de nossa região ”, revela Ferreira.

A formação de profissionais pela Satc impactou também a economia do Norte de Santa Catarina. Por muitos anos, empresas de  Joinville  vinham buscar na instituição a mão de obra qualificada de que precisa para desenvolver uma região. Os números dos últimos 10 anos apresentam a força da marca Satc quando se trata de empregabilidade. De 2012 a 2021, foram encaminhados 6.686 alunos do ensino técnico para estágio, sendo que  6.318  deles foram efetivados. Já da graduação, 1.359 estudantes saíram para estágio e, deles,  1.262  se colocaram no mercado de trabalho.

Para o ecossistema empresarial, ainda outro benefício importante gerado pela instituição. Com mais de oito anos de atividades, o Centro Tecnológico presta serviços e pesquisas em áreas como meio ambiente e energia. “A Satc, além de formar mão de obra, tem papel de gerar novos negócios e tecnologias”, destaca o reitor Carlos Antônio Ferreira.

Com a oferta de ensino da educação infantil à pós-graduação, a Satc atende atualmente  2 mil alunos  no Colégio Satc e  1.450 na Unisatc . A ideia de criar a instituição veio do General Osvaldo Pinto da Veiga durante uma negociação de venda de carvão.

De acordo com o General, seria interessante o  setor carbonífero  investir parte de seu faturamento em uma ação assistencial. Em 1959, uma Sociedade de Assistência aos Trabalhadores do Carvão foi criada e, dois anos depois, tornada-se uma instituição de ensino para atender meninos e filhos de mineiros. Até hoje, a Satc tem parte de sua manutenção custeada pela indústria carbonífera, num investimento de R $ 7 milhões por ano feito pelas empresas associadas ao Sindicato da Indústria de Extração de Carvão de Santa Catarina - Siecesc.

 

 

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351