Acesso Restrito

Usiminas deve ter resultado menor que o do 2º trimestre

21/10/2009

A Usiminas será a primeira siderúrgica a divulgar o balanço do terceiro trimestre de 2009, o que acontece hoje. As previsões feitas por analistas de bancos e consultorias avaliam que a maioria das usinas de aço tiveram resultados melhores que os do segundo trimestre, apesar de continuarem com quedas em relação ao mesmo período de 2008. A Usiminas, porém, segundo projetam esses especialistas, deve apresentar um lucro entre R$ 220 milhões e R$ 360 milhões, valor abaixo do ganho registrado no segundo trimestre de 2009 e dos R$ 880 milhões do terceiro trimestre do ano passado.

Na avaliação da Brascan Corretora, que trabalha com um lucro de R$ 267 milhões para a Usiminas, este resultado menor no terceiro trimestre ante o segundo, contrariando a tendência das outras siderúrgicas, deve-se ao fato de que, apesar do resultado líquido da companhia ter registrado impacto positivo da variação cambial nos passivos em dólar, o efeito foi menor que o observado no segundo trimestre. No período a apreciação do dólar foi de 16% e, neste terceiro trimestre, de 8%. Por tal razão, mesmo tendo um desempenho operacional bem melhor, a Usiminas deve apresentar queda no lucro entre julho e setembro de 2009.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (lajida) ainda será fraco neste trimestre, entre R$ 293 milhões e R$ 402 milhões, ante R$ 117 milhões no segundo trimestre e R$ 1,8 bilhão no mesmo período de 2008. A margem lajida continua baixa, sendo estimada na faixa de 11% a 12%, acima dos 4,8% do segundo trimestre, mas ainda bem abaixo de sua margem histórica, de 35% a 40% . Isso porque o custo de produção e as despesas operacionais continuam ainda prejudicadas pelos estoques de carvão adquiridos no ano passado a US$ 300 a tonelada, o dobro dos preços de 2009.

Na avaliação de Rodrigo Ferraz, da Brascan Corretora, e de Pedro Galdi, da SLW, as margens de lajida da Usiminas deverão ter uma recuperação lenta. Ferraz prevê que só em 2012 devem voltar para patamares próximos de 40%, "quando a empresa contará com maior volume de vendas e ganhos de produtividade advindos do plano de redução de custos.

As projeções apontam para um aumento da receita líquida da Usiminas ante o segundo trimestre deste ano e queda em relação ao mesmo período de 2008. Os valores do faturamento da companhia foram estimados de R$ 2,6 bilhões, por Fator Corretora e SLW, a R$ 2,9 bilhões pelo Itaú Securities e R$ 3,2 bilhões pela Brascan. O fato deveu-se a um esperado crescimento do volume de vendas de 35% ante o segundo trimestre e queda de 13% na comparação ano contra ano.

O volume vendido deve ter se situado entre 1,6 milhão de toneladas, volume projetado por Fator, Brascan e Itaú Securities, e 1,5 milhão de toneladas, previstas pela SLW. No período, a companhia religou dois alto fornos e está operando com 75% de capacidade. Pedro Galdi, da SLW, ressalta que houve ampliação das exportações da Usiminas neste trimestre, de 25% para 32% do volume produzido.

Apesar do cenário de demanda de aço em recuperação, tanto no Brasil quando na Europa, a Brascan Corretora alerta para os riscos de uma possível sobre-oferta no setor siderúrgico, caso o aumento da procura pelo aço não acompanhe o recente movimento de religamento de altofornos em todo o mundo. Também avalia que uma maior apreciação do câmbio no Brasil deve reduzir preços do aço no mercado doméstico e o faturamento das exportações.

Os analistas preveem uma melhora no balanço da Usiminas no quarto trimestre deste ano, na comparação com o terceiro. Mesmo assim, 2009 é visto por eles como um ano fora da curva para a siderúrgica. As estimativas são de que a empresa feche o ano com um lucro entre R$ 683 milhões e R$ 754 milhões , ante R$ 3,2 bilhões em 2008.


Valor Econômico
São Paulo/SP
Siderurgia
21/10/2009



    Somos associados

     

  • CIAB
  • epe
  • World Coal Association
  • Global CCS Institute

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351