Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 81
    [i_conteudo] => 81
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2013-06-04
    [dt_conteudo] => 2013-06-04
    [4] => Ameaça de apagão estimula o uso fontes complementares às hidrelétricas
    [titulo] => Ameaça de apagão estimula o uso fontes complementares às hidrelétricas
    [5] => Simone Kafruni, Sílvio Ribas
    [autor] => Simone Kafruni, Sílvio Ribas
    [6] => Depois de sujar a matriz energética com o emprego intensivo de usinas térmicas a gás, a óleo e a carvão, o país ficou mais aberto à concorrência de produtos energéticos
    [resumo] => Depois de sujar a matriz energética com o emprego intensivo de usinas térmicas a gás, a óleo e a carvão, o país ficou mais aberto à concorrência de produtos energéticos
    [7] => 

Com cerca de 70% da geração de origem hidráulica, o país precisou recorrer a energias não renováveis para evitar o retorno do racionamento em razão da longa estiagem de 2012. Mas essa realidade, aliada à tendência de ampliar a oferta ao sistema interligado de eletricidade mediante fontes variadas, e a preços competitivos, está impulsionando tanto projetos “verdes” de usinas eólicas (ventos) e solares quanto os que ressuscitam o até agora isolado carvão mineral, explorado nas minas da Região Sul. Depois de sujar a matriz energética, considerada a mais limpa do planeta, com o emprego intensivo de usinas térmicas a gás, a óleo e a carvão, o país ficou mais aberto à concorrência de produtos energéticos.

"Todos os países do mundo buscam diversificar a geração para reforçar a segurança de suprimento e melhorar custos. Os europeus, sempre foram muito dependentes do gás e do carvão e investem pesado em usinas movidas pelos ventos, pelas águas e pela energia nuclear", explica Mathias Becker, presidente da Renova Energia, operadora de grandes parques eólicos no país. Para ele, o mercado brasileiro também foi forçado a encarar esse desafio em razão dos recentes períodos de seca.

A energia eólica já é a segunda fonte mais competitiva do país, superada apenas pela hidreletricidade. Se o patamar de contratação ficar na casa do 2 gigawatts (GW) de parques por ano, a tendência é de que a cadeia produtiva continue se consolidando no Brasil. “Em meio a um ambiente cada vez mais competitivo, os investidores que apostarem no ganho de escala terão mais chance de garantir sua lucratividade, apesar da pressão atual dos custos”, sublinha Becker.

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,3/2013/06/03/internas_economia,369219/ameaca-de-apagao-estimula-o-uso-fontes-complementares-as-hidroeletricas.shtml

[conteudo] =>

Com cerca de 70% da geração de origem hidráulica, o país precisou recorrer a energias não renováveis para evitar o retorno do racionamento em razão da longa estiagem de 2012. Mas essa realidade, aliada à tendência de ampliar a oferta ao sistema interligado de eletricidade mediante fontes variadas, e a preços competitivos, está impulsionando tanto projetos “verdes” de usinas eólicas (ventos) e solares quanto os que ressuscitam o até agora isolado carvão mineral, explorado nas minas da Região Sul. Depois de sujar a matriz energética, considerada a mais limpa do planeta, com o emprego intensivo de usinas térmicas a gás, a óleo e a carvão, o país ficou mais aberto à concorrência de produtos energéticos.

"Todos os países do mundo buscam diversificar a geração para reforçar a segurança de suprimento e melhorar custos. Os europeus, sempre foram muito dependentes do gás e do carvão e investem pesado em usinas movidas pelos ventos, pelas águas e pela energia nuclear", explica Mathias Becker, presidente da Renova Energia, operadora de grandes parques eólicos no país. Para ele, o mercado brasileiro também foi forçado a encarar esse desafio em razão dos recentes períodos de seca.

A energia eólica já é a segunda fonte mais competitiva do país, superada apenas pela hidreletricidade. Se o patamar de contratação ficar na casa do 2 gigawatts (GW) de parques por ano, a tendência é de que a cadeia produtiva continue se consolidando no Brasil. “Em meio a um ambiente cada vez mais competitivo, os investidores que apostarem no ganho de escala terão mais chance de garantir sua lucratividade, apesar da pressão atual dos custos”, sublinha Becker.

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,3/2013/06/03/internas_economia,369219/ameaca-de-apagao-estimula-o-uso-fontes-complementares-as-hidroeletricas.shtml

[8] => Energia, hidreletricas, fontes [palavra_chave] => Energia, hidreletricas, fontes [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2013-06-04 16:44:44 [dt_sistema] => 2013-06-04 16:44:44 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Ameaça de apagão estimula o uso fontes complementares às hidrelétricas

04/06/2013

Simone Kafruni, Sílvio Ribas

Com cerca de 70% da geração de origem hidráulica, o país precisou recorrer a energias não renováveis para evitar o retorno do racionamento em razão da longa estiagem de 2012. Mas essa realidade, aliada à tendência de ampliar a oferta ao sistema interligado de eletricidade mediante fontes variadas, e a preços competitivos, está impulsionando tanto projetos “verdes” de usinas eólicas (ventos) e solares quanto os que ressuscitam o até agora isolado carvão mineral, explorado nas minas da Região Sul. Depois de sujar a matriz energética, considerada a mais limpa do planeta, com o emprego intensivo de usinas térmicas a gás, a óleo e a carvão, o país ficou mais aberto à concorrência de produtos energéticos.

"Todos os países do mundo buscam diversificar a geração para reforçar a segurança de suprimento e melhorar custos. Os europeus, sempre foram muito dependentes do gás e do carvão e investem pesado em usinas movidas pelos ventos, pelas águas e pela energia nuclear", explica Mathias Becker, presidente da Renova Energia, operadora de grandes parques eólicos no país. Para ele, o mercado brasileiro também foi forçado a encarar esse desafio em razão dos recentes períodos de seca.

A energia eólica já é a segunda fonte mais competitiva do país, superada apenas pela hidreletricidade. Se o patamar de contratação ficar na casa do 2 gigawatts (GW) de parques por ano, a tendência é de que a cadeia produtiva continue se consolidando no Brasil. “Em meio a um ambiente cada vez mais competitivo, os investidores que apostarem no ganho de escala terão mais chance de garantir sua lucratividade, apesar da pressão atual dos custos”, sublinha Becker.

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,3/2013/06/03/internas_economia,369219/ameaca-de-apagao-estimula-o-uso-fontes-complementares-as-hidroeletricas.shtml

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351