Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 690
    [i_conteudo] => 690
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2017-10-12
    [dt_conteudo] => 2017-10-12
    [4] => Projeto de lei prevê complexo industrial para aproveitar cinzas de carvão em Candiota
    [titulo] => Projeto de lei prevê complexo industrial para aproveitar cinzas de carvão em Candiota
    [5] => Jornal Minuano
    [autor] => Jornal Minuano
    [6] => 
    [resumo] => 
    [7] => 

O projeto de lei que cria a Política Estadual do Carvão Mineral e institui o Polo Carboquímico do Rio Grande do Sul, estabelece um complexo específico, na região da Campanha, em Candiota, que reserva espaço para o desenvolvimento de projetos com foco no aproveitamento das cinzas. A intenção é promover a utilização a partir de uma visão ecológica.
A proposta do governo, que já tramita no parlamento gaúcho, determina que as cinzas resultantes do beneficiamento do carvão deverão ser aproveitadas para fins de sustentabilidade e geração de emprego e renda à população. O texto estabelece, ainda, que o Estado promoverá políticas públicas voltadas ao aproveitamento total da matéria-prima, com foco na tecnologia ambientalmente sustentável.
O Palácio Piratini considera a utilização das cinzas em substituição a outros materiais na área da construção civil, abrindo caminho, por exemplo, para a fabricação de tijolos, blocos de concreto e melhoria de estradas, como sub-base de pavimentação. Para tanto, ainda de acordo com a proposta apresentada aos deputados, poderão ser instituídos complexos industriais específicos.
Para Candiota, o sistema considerado pelo governo permite o apoio dos municípios da região, cooperativas, associações de moradores e organizações da sociedade civil. A Política Estadual do Carvão Mineral atribui ao Executivo a função de elaborar as propostas de ações econômicas, que incluem a criação de linhas de crédito e a concessão de tratamento tributário diferenciado para extração e beneficiamento.
A justificativa apresentada aos parlamentares, pelo Piratini, sustenta que as cinzas resultantes do processo de extração, beneficiamento e transformação do carvão mineral equivalem a quase a metade da quantidade do insumo inicial. “É importante ressaltar que a instalação do Polo Carboquímico em nosso Estado propiciará a geração de receitas aos cofres do Tesouro Estadual, por meio da produção interna de gás, amônia, ureia, metano, nafta e até mesmo de gasolina”, pontua.

[conteudo] =>

O projeto de lei que cria a Política Estadual do Carvão Mineral e institui o Polo Carboquímico do Rio Grande do Sul, estabelece um complexo específico, na região da Campanha, em Candiota, que reserva espaço para o desenvolvimento de projetos com foco no aproveitamento das cinzas. A intenção é promover a utilização a partir de uma visão ecológica.
A proposta do governo, que já tramita no parlamento gaúcho, determina que as cinzas resultantes do beneficiamento do carvão deverão ser aproveitadas para fins de sustentabilidade e geração de emprego e renda à população. O texto estabelece, ainda, que o Estado promoverá políticas públicas voltadas ao aproveitamento total da matéria-prima, com foco na tecnologia ambientalmente sustentável.
O Palácio Piratini considera a utilização das cinzas em substituição a outros materiais na área da construção civil, abrindo caminho, por exemplo, para a fabricação de tijolos, blocos de concreto e melhoria de estradas, como sub-base de pavimentação. Para tanto, ainda de acordo com a proposta apresentada aos deputados, poderão ser instituídos complexos industriais específicos.
Para Candiota, o sistema considerado pelo governo permite o apoio dos municípios da região, cooperativas, associações de moradores e organizações da sociedade civil. A Política Estadual do Carvão Mineral atribui ao Executivo a função de elaborar as propostas de ações econômicas, que incluem a criação de linhas de crédito e a concessão de tratamento tributário diferenciado para extração e beneficiamento.
A justificativa apresentada aos parlamentares, pelo Piratini, sustenta que as cinzas resultantes do processo de extração, beneficiamento e transformação do carvão mineral equivalem a quase a metade da quantidade do insumo inicial. “É importante ressaltar que a instalação do Polo Carboquímico em nosso Estado propiciará a geração de receitas aos cofres do Tesouro Estadual, por meio da produção interna de gás, amônia, ureia, metano, nafta e até mesmo de gasolina”, pontua.

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2017-11-08 16:40:13 [dt_sistema] => 2017-11-08 16:40:13 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Projeto de lei prevê complexo industrial para aproveitar cinzas de carvão em Candiota

12/10/2017

Jornal Minuano

O projeto de lei que cria a Política Estadual do Carvão Mineral e institui o Polo Carboquímico do Rio Grande do Sul, estabelece um complexo específico, na região da Campanha, em Candiota, que reserva espaço para o desenvolvimento de projetos com foco no aproveitamento das cinzas. A intenção é promover a utilização a partir de uma visão ecológica.
A proposta do governo, que já tramita no parlamento gaúcho, determina que as cinzas resultantes do beneficiamento do carvão deverão ser aproveitadas para fins de sustentabilidade e geração de emprego e renda à população. O texto estabelece, ainda, que o Estado promoverá políticas públicas voltadas ao aproveitamento total da matéria-prima, com foco na tecnologia ambientalmente sustentável.
O Palácio Piratini considera a utilização das cinzas em substituição a outros materiais na área da construção civil, abrindo caminho, por exemplo, para a fabricação de tijolos, blocos de concreto e melhoria de estradas, como sub-base de pavimentação. Para tanto, ainda de acordo com a proposta apresentada aos deputados, poderão ser instituídos complexos industriais específicos.
Para Candiota, o sistema considerado pelo governo permite o apoio dos municípios da região, cooperativas, associações de moradores e organizações da sociedade civil. A Política Estadual do Carvão Mineral atribui ao Executivo a função de elaborar as propostas de ações econômicas, que incluem a criação de linhas de crédito e a concessão de tratamento tributário diferenciado para extração e beneficiamento.
A justificativa apresentada aos parlamentares, pelo Piratini, sustenta que as cinzas resultantes do processo de extração, beneficiamento e transformação do carvão mineral equivalem a quase a metade da quantidade do insumo inicial. “É importante ressaltar que a instalação do Polo Carboquímico em nosso Estado propiciará a geração de receitas aos cofres do Tesouro Estadual, por meio da produção interna de gás, amônia, ureia, metano, nafta e até mesmo de gasolina”, pontua.

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351