Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 642
    [i_conteudo] => 642
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2016-11-06
    [dt_conteudo] => 2016-11-06
    [4] => Carvão Mineral apresenta alternativas ao Ministério do Meio Ambiente para diminuir efeito estufa
    [titulo] => Carvão Mineral apresenta alternativas ao Ministério do Meio Ambiente para diminuir efeito estufa
    [5] => Lucas Jorge - Assessoria de Imprensa Siecesc
    [autor] => Lucas Jorge - Assessoria de Imprensa Siecesc
    [6] => Na sexta-feira (4), dia que entrou em vigor o Acordo de Paris, a indústria carbonífera entregou documento para o Ministério do Meio Ambiente.
    [resumo] => Na sexta-feira (4), dia que entrou em vigor o Acordo de Paris, a indústria carbonífera entregou documento para o Ministério do Meio Ambiente.
    [7] => 

Com a intenção de contribuir com a mitigação de gases de efeito estufa, a Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), através do seu presidente, Fernando Zancan, entregou, na sexta-feira (4), ao Ministério de Meio Ambiente, em Brasília, a proposta para contribuir com o estabelecido pela Política de Mudanças Climáticas.

“Os recursos energéticos do carvão mineral, patrimônio público, operado por uma indústria que gera emprego e renda de forma intensiva, usados de forma sustentável tem muito a contribuir para o crescimento de nosso país. O setor carbonífero nacional é o primeiro a fazer isso no Brasil e esperamos que outros também o façam”, conta o presidente da ABCM, Fernando Zancan.

Para a política entregue pelo setor carbonífero ser implementada é precisa do apoio dos Ministérios do Meio Ambiente, Minas e Energia e Ciência, Tecnologia e Inovação, já que seu desenho de ações é de curto, médio e longo prazos.

“Esta plataforma compreende três ações: renovação do parque existente com aumento de eficiência e redução de emissão; uso de biomassa, onde disponível e economicamente viável, em conjunto com o carvão mineral, de modo a reduzir o coeficiente de emissão por MWh; e incentivo à tecnologia do uso e/ou armazenamento e captura de carbono no Brasil – CCUS”, explica Zancan.

O primeiro passo para as ações que o Carvão Mineral propos já foi dado com a implementação do artigo 20 na MP 735, em que elaborou em conjunto com o legislativo brasileiro, uma legislação para substituir o parque termelétrico antigo a carvão mineral nacional ora existente por unidades térmicas com maior eficiência. A substituição ocorrerá com a entrada em operação de novas usinas a partir de 2023 até 2027, onde deverá, no mínimo, reduzir 10% dos gases de efeito estufa (CO2/kWh) em relação ao atual parque.

"A indústria carbonífera entende que o caminho tecnológico, além do aumento de eficiência das plantas, incorpora o uso de biomassa na produção de energia a carvão. Projetos onde haja disponibillidade de produção de biomassa de forma econômica devem ser incentivados dentro de uma política pública de leilões de energia nova. Por outro lado, com o intuito de atingir a maior redução dos gases de efeito estufa (CO2/KWh gerado) podendo resultar na diminuição em até 90% no longo prazo. Entendemos que se deve incentivar a tecnologia do uso e/ou armazenamento e captura de carbono no Brasil - CCUS. Sugerimos que, em conjunto, academia, ministérios (Meio Ambiente, Ciência, Tecnologia e Inovação e Minas e Energia) estruturem um Centro de CCUS no Brasil, visando organizar e estruturar projetos com foco em plantas piloto, fortalecendo teses de mestrado e doutorado com isso capacitando o pessoal necessário para desenvolver e implantar essa tecnologia no Brasil, não só para indústria do petróleo e gás, mas também para as indústrias do cimento e siderurgia, que usam combustíveis fósseis”, argumenta o presidente da ABCM.

Com a entrega dessas propostas, a indústria carbonífera firma a posição de comprometimento em buscar e apoiar outras medidas que possam contribuir para que o Brasil possa atender seus compromissos internacionais e ao mesmo tempo buscar o seu desenvolvimento econômico e social, foco de sua visão de sustentabilidade.

[conteudo] =>

Com a intenção de contribuir com a mitigação de gases de efeito estufa, a Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), através do seu presidente, Fernando Zancan, entregou, na sexta-feira (4), ao Ministério de Meio Ambiente, em Brasília, a proposta para contribuir com o estabelecido pela Política de Mudanças Climáticas.

“Os recursos energéticos do carvão mineral, patrimônio público, operado por uma indústria que gera emprego e renda de forma intensiva, usados de forma sustentável tem muito a contribuir para o crescimento de nosso país. O setor carbonífero nacional é o primeiro a fazer isso no Brasil e esperamos que outros também o façam”, conta o presidente da ABCM, Fernando Zancan.

Para a política entregue pelo setor carbonífero ser implementada é precisa do apoio dos Ministérios do Meio Ambiente, Minas e Energia e Ciência, Tecnologia e Inovação, já que seu desenho de ações é de curto, médio e longo prazos.

“Esta plataforma compreende três ações: renovação do parque existente com aumento de eficiência e redução de emissão; uso de biomassa, onde disponível e economicamente viável, em conjunto com o carvão mineral, de modo a reduzir o coeficiente de emissão por MWh; e incentivo à tecnologia do uso e/ou armazenamento e captura de carbono no Brasil – CCUS”, explica Zancan.

O primeiro passo para as ações que o Carvão Mineral propos já foi dado com a implementação do artigo 20 na MP 735, em que elaborou em conjunto com o legislativo brasileiro, uma legislação para substituir o parque termelétrico antigo a carvão mineral nacional ora existente por unidades térmicas com maior eficiência. A substituição ocorrerá com a entrada em operação de novas usinas a partir de 2023 até 2027, onde deverá, no mínimo, reduzir 10% dos gases de efeito estufa (CO2/kWh) em relação ao atual parque.

"A indústria carbonífera entende que o caminho tecnológico, além do aumento de eficiência das plantas, incorpora o uso de biomassa na produção de energia a carvão. Projetos onde haja disponibillidade de produção de biomassa de forma econômica devem ser incentivados dentro de uma política pública de leilões de energia nova. Por outro lado, com o intuito de atingir a maior redução dos gases de efeito estufa (CO2/KWh gerado) podendo resultar na diminuição em até 90% no longo prazo. Entendemos que se deve incentivar a tecnologia do uso e/ou armazenamento e captura de carbono no Brasil - CCUS. Sugerimos que, em conjunto, academia, ministérios (Meio Ambiente, Ciência, Tecnologia e Inovação e Minas e Energia) estruturem um Centro de CCUS no Brasil, visando organizar e estruturar projetos com foco em plantas piloto, fortalecendo teses de mestrado e doutorado com isso capacitando o pessoal necessário para desenvolver e implantar essa tecnologia no Brasil, não só para indústria do petróleo e gás, mas também para as indústrias do cimento e siderurgia, que usam combustíveis fósseis”, argumenta o presidente da ABCM.

Com a entrega dessas propostas, a indústria carbonífera firma a posição de comprometimento em buscar e apoiar outras medidas que possam contribuir para que o Brasil possa atender seus compromissos internacionais e ao mesmo tempo buscar o seu desenvolvimento econômico e social, foco de sua visão de sustentabilidade.

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2016-11-13 21:38:18 [dt_sistema] => 2016-11-13 21:38:18 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Carvão Mineral apresenta alternativas ao Ministério do Meio Ambiente para diminuir efeito estufa

06/11/2016

Lucas Jorge - Assessoria de Imprensa Siecesc

Com a intenção de contribuir com a mitigação de gases de efeito estufa, a Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), através do seu presidente, Fernando Zancan, entregou, na sexta-feira (4), ao Ministério de Meio Ambiente, em Brasília, a proposta para contribuir com o estabelecido pela Política de Mudanças Climáticas.

“Os recursos energéticos do carvão mineral, patrimônio público, operado por uma indústria que gera emprego e renda de forma intensiva, usados de forma sustentável tem muito a contribuir para o crescimento de nosso país. O setor carbonífero nacional é o primeiro a fazer isso no Brasil e esperamos que outros também o façam”, conta o presidente da ABCM, Fernando Zancan.

Para a política entregue pelo setor carbonífero ser implementada é precisa do apoio dos Ministérios do Meio Ambiente, Minas e Energia e Ciência, Tecnologia e Inovação, já que seu desenho de ações é de curto, médio e longo prazos.

“Esta plataforma compreende três ações: renovação do parque existente com aumento de eficiência e redução de emissão; uso de biomassa, onde disponível e economicamente viável, em conjunto com o carvão mineral, de modo a reduzir o coeficiente de emissão por MWh; e incentivo à tecnologia do uso e/ou armazenamento e captura de carbono no Brasil – CCUS”, explica Zancan.

O primeiro passo para as ações que o Carvão Mineral propos já foi dado com a implementação do artigo 20 na MP 735, em que elaborou em conjunto com o legislativo brasileiro, uma legislação para substituir o parque termelétrico antigo a carvão mineral nacional ora existente por unidades térmicas com maior eficiência. A substituição ocorrerá com a entrada em operação de novas usinas a partir de 2023 até 2027, onde deverá, no mínimo, reduzir 10% dos gases de efeito estufa (CO2/kWh) em relação ao atual parque.

"A indústria carbonífera entende que o caminho tecnológico, além do aumento de eficiência das plantas, incorpora o uso de biomassa na produção de energia a carvão. Projetos onde haja disponibillidade de produção de biomassa de forma econômica devem ser incentivados dentro de uma política pública de leilões de energia nova. Por outro lado, com o intuito de atingir a maior redução dos gases de efeito estufa (CO2/KWh gerado) podendo resultar na diminuição em até 90% no longo prazo. Entendemos que se deve incentivar a tecnologia do uso e/ou armazenamento e captura de carbono no Brasil - CCUS. Sugerimos que, em conjunto, academia, ministérios (Meio Ambiente, Ciência, Tecnologia e Inovação e Minas e Energia) estruturem um Centro de CCUS no Brasil, visando organizar e estruturar projetos com foco em plantas piloto, fortalecendo teses de mestrado e doutorado com isso capacitando o pessoal necessário para desenvolver e implantar essa tecnologia no Brasil, não só para indústria do petróleo e gás, mas também para as indústrias do cimento e siderurgia, que usam combustíveis fósseis”, argumenta o presidente da ABCM.

Com a entrega dessas propostas, a indústria carbonífera firma a posição de comprometimento em buscar e apoiar outras medidas que possam contribuir para que o Brasil possa atender seus compromissos internacionais e ao mesmo tempo buscar o seu desenvolvimento econômico e social, foco de sua visão de sustentabilidade.

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351