Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 607
    [i_conteudo] => 607
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2016-07-19
    [dt_conteudo] => 2016-07-19
    [4] => A modernização e os governos 
    [titulo] => A modernização e os governos 
    [5] => Fernando Zancan - Presidente da ABCM
    [autor] => Fernando Zancan - Presidente da ABCM
    [6] => O reparo em usinas não resolve o problema. Aumenta-se muito pouco a eficiência. O objetivo é fazer novas usinas, já que estender a vida não é um boa opção, pois usinas novas são mais eficientes.
    [resumo] => O reparo em usinas não resolve o problema. Aumenta-se muito pouco a eficiência. O objetivo é fazer novas usinas, já que estender a vida não é um boa opção, pois usinas novas são mais eficientes.
    [7] => 

A Índia está modernizando seu parque termelétrico de carvão e busca que plantas mais velhas, com mais de 25 anos não sejam mais reparadas. O reparo em usinas não resolve o problema. Aumenta-se muito pouco a eficiência. O objetivo é fazer novas usinas, já que estender a vida não é um boa opção, pois usinas novas são mais eficientes.

Na Índia existem 37 mil MW de plantas antigas com tecnologia subcrítica que necessitam ser desativadas e essa atitude reflete o plano do primeiro ministro da Índia, Narendra Modi, de balancear o fornecimento de energia para atender o enorme crescimento da demanda de energia elétrica, com a proteção ambiental.

O carvão representa 62% da matriz de geração de energia elétrica do total de 300 mil MW de capacidade instalada. A índia está projetado construir cerca de 350 mil MW de usinas novas a carvão para abastecer um país que cresce a taxas de 7% ao ano e que ainda tem cerca de 280 milhões de pessoas sem acesso à energia elétrica.

No Brasil, algo semelhante deverá acontecer. Precisamos criar um programa de modernização de nosso parque termelétrico. Não é viável o investimento em reparar e aumentar a eficiência somente em um ponto percentual. A construção de usinas novas com tecnologia supercrítica poderia aumentar a eficiência do nosso parque dos atuais 29,26% para 38% reduzindo cerca de 24% as emissões de gases de efeito estufa por kW/h gerado. Esse processo de modernização passa por um programa de governo, que além de ter o benefício ambiental alavancará investimentos novos para os estados do RS e SC da ordem de 5 bilhões de dólares.

O nosso parque de 1.765 MW, 105 vezes menor que o indiano, tem em comum com a Índia o uso de carvões de alta cinza. Na Índia, estão sendo construídas e estão em operação plantas supercríticas com o uso deste carvão, o que demonstra a eficiência da tecnologia. O momento de buscarmos o programa de modernização, que dependerá do empenho político dos nossos parlamentares e dos governadores do RS e SC, é agora.

Se não implantarmos esse programa em dois anos, poderemos ter que enfrentar o triste cenário de fechar usinas, como a Usina de Charqueadas no RS que será desativada em dezembro de 2016, com todos os impactos negativos de emprego e renda em comunidades que estão em busca de mais desenvolvimento e renda.

Fernando L Zancan – Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral

[conteudo] =>

A Índia está modernizando seu parque termelétrico de carvão e busca que plantas mais velhas, com mais de 25 anos não sejam mais reparadas. O reparo em usinas não resolve o problema. Aumenta-se muito pouco a eficiência. O objetivo é fazer novas usinas, já que estender a vida não é um boa opção, pois usinas novas são mais eficientes.

Na Índia existem 37 mil MW de plantas antigas com tecnologia subcrítica que necessitam ser desativadas e essa atitude reflete o plano do primeiro ministro da Índia, Narendra Modi, de balancear o fornecimento de energia para atender o enorme crescimento da demanda de energia elétrica, com a proteção ambiental.

O carvão representa 62% da matriz de geração de energia elétrica do total de 300 mil MW de capacidade instalada. A índia está projetado construir cerca de 350 mil MW de usinas novas a carvão para abastecer um país que cresce a taxas de 7% ao ano e que ainda tem cerca de 280 milhões de pessoas sem acesso à energia elétrica.

No Brasil, algo semelhante deverá acontecer. Precisamos criar um programa de modernização de nosso parque termelétrico. Não é viável o investimento em reparar e aumentar a eficiência somente em um ponto percentual. A construção de usinas novas com tecnologia supercrítica poderia aumentar a eficiência do nosso parque dos atuais 29,26% para 38% reduzindo cerca de 24% as emissões de gases de efeito estufa por kW/h gerado. Esse processo de modernização passa por um programa de governo, que além de ter o benefício ambiental alavancará investimentos novos para os estados do RS e SC da ordem de 5 bilhões de dólares.

O nosso parque de 1.765 MW, 105 vezes menor que o indiano, tem em comum com a Índia o uso de carvões de alta cinza. Na Índia, estão sendo construídas e estão em operação plantas supercríticas com o uso deste carvão, o que demonstra a eficiência da tecnologia. O momento de buscarmos o programa de modernização, que dependerá do empenho político dos nossos parlamentares e dos governadores do RS e SC, é agora.

Se não implantarmos esse programa em dois anos, poderemos ter que enfrentar o triste cenário de fechar usinas, como a Usina de Charqueadas no RS que será desativada em dezembro de 2016, com todos os impactos negativos de emprego e renda em comunidades que estão em busca de mais desenvolvimento e renda.

Fernando L Zancan – Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2016-07-19 14:57:36 [dt_sistema] => 2016-07-19 14:57:36 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

A modernização e os governos

19/07/2016

Fernando Zancan - Presidente da ABCM

A Índia está modernizando seu parque termelétrico de carvão e busca que plantas mais velhas, com mais de 25 anos não sejam mais reparadas. O reparo em usinas não resolve o problema. Aumenta-se muito pouco a eficiência. O objetivo é fazer novas usinas, já que estender a vida não é um boa opção, pois usinas novas são mais eficientes.

Na Índia existem 37 mil MW de plantas antigas com tecnologia subcrítica que necessitam ser desativadas e essa atitude reflete o plano do primeiro ministro da Índia, Narendra Modi, de balancear o fornecimento de energia para atender o enorme crescimento da demanda de energia elétrica, com a proteção ambiental.

O carvão representa 62% da matriz de geração de energia elétrica do total de 300 mil MW de capacidade instalada. A índia está projetado construir cerca de 350 mil MW de usinas novas a carvão para abastecer um país que cresce a taxas de 7% ao ano e que ainda tem cerca de 280 milhões de pessoas sem acesso à energia elétrica.

No Brasil, algo semelhante deverá acontecer. Precisamos criar um programa de modernização de nosso parque termelétrico. Não é viável o investimento em reparar e aumentar a eficiência somente em um ponto percentual. A construção de usinas novas com tecnologia supercrítica poderia aumentar a eficiência do nosso parque dos atuais 29,26% para 38% reduzindo cerca de 24% as emissões de gases de efeito estufa por kW/h gerado. Esse processo de modernização passa por um programa de governo, que além de ter o benefício ambiental alavancará investimentos novos para os estados do RS e SC da ordem de 5 bilhões de dólares.

O nosso parque de 1.765 MW, 105 vezes menor que o indiano, tem em comum com a Índia o uso de carvões de alta cinza. Na Índia, estão sendo construídas e estão em operação plantas supercríticas com o uso deste carvão, o que demonstra a eficiência da tecnologia. O momento de buscarmos o programa de modernização, que dependerá do empenho político dos nossos parlamentares e dos governadores do RS e SC, é agora.

Se não implantarmos esse programa em dois anos, poderemos ter que enfrentar o triste cenário de fechar usinas, como a Usina de Charqueadas no RS que será desativada em dezembro de 2016, com todos os impactos negativos de emprego e renda em comunidades que estão em busca de mais desenvolvimento e renda.

Fernando L Zancan – Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351