Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 558
    [i_conteudo] => 558
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2016-01-04
    [dt_conteudo] => 2016-01-04
    [4] => Apostando no futuro, indústria do carvão deve ter queda de 20% em 2016
    [titulo] => Apostando no futuro, indústria do carvão deve ter queda de 20% em 2016
    [5] => Lucas Jorge / Assessoria de Imprensa Siecesc
    [autor] => Lucas Jorge / Assessoria de Imprensa Siecesc
    [6] => Usitesc é esperança de boas notícias para a região no leilão de energia que ocorre no começo do ano
    [resumo] => Usitesc é esperança de boas notícias para a região no leilão de energia que ocorre no começo do ano
    [7] => 

Com queda na produção, mas ainda acima da média. Foi assim o ano de 2015 para a indústria do carvão mineral no Sul de Santa Catarina. Em meio as atribulações econômicas no cenário nacional, o carvão ainda teve papel fundamental para o setor energético brasileiro. No entanto, 2016 apresentará um quadro de decréscimo.

“Tivemos uma queda de 6% em 2015 e para 2016 a previsão é que tenhamos uma queda de 20% na entrega de carvão. Enquanto os anos de 2013, 2014 e 2015 o consumo das térmicas subiu, no próximo ano, devido ao fato de o consumo de energia permanecer baixo e também com a entrada de novos projetos hidrelétricos, as térmicas devem ser menos utilizadas”, explica o diretor executivo do Sindicato da Indústria da Extração de Carvão do Estado de Santa Catarina - Siecesc, Fernando Zancan.

De acordo com Zancan, a queda é cíclica e pode mudar nos próximos anos. “Como o sistema elétrico brasileiro é hidrotérmico depende do período de chuvas no sudeste, de novembro a abril. Se a chuva for pouca o governo é obrigado a despachar as térmicas, para garantir a segurança energética", resume o diretor executivo do Siecesc.

Usitesc ainda é esperança

Com a queda na entrega de carvão prevista, 2016 pode ter sua notícia positiva com a Termelétrica Sul-Catarinense (Usitesc), que participará do Leilão A-5, marcado para o dia 31 de março. “A Usitesc é fundamental para o progresso da região e também para a segurança da indústria do carvão. Estamos com bastante esperança com a participação dela no leilão. Dependemos apenas do preço teto que o governo vai estabelecer e da demanda de energia”, afirma Zancan.

[conteudo] =>

Com queda na produção, mas ainda acima da média. Foi assim o ano de 2015 para a indústria do carvão mineral no Sul de Santa Catarina. Em meio as atribulações econômicas no cenário nacional, o carvão ainda teve papel fundamental para o setor energético brasileiro. No entanto, 2016 apresentará um quadro de decréscimo.

“Tivemos uma queda de 6% em 2015 e para 2016 a previsão é que tenhamos uma queda de 20% na entrega de carvão. Enquanto os anos de 2013, 2014 e 2015 o consumo das térmicas subiu, no próximo ano, devido ao fato de o consumo de energia permanecer baixo e também com a entrada de novos projetos hidrelétricos, as térmicas devem ser menos utilizadas”, explica o diretor executivo do Sindicato da Indústria da Extração de Carvão do Estado de Santa Catarina - Siecesc, Fernando Zancan.

De acordo com Zancan, a queda é cíclica e pode mudar nos próximos anos. “Como o sistema elétrico brasileiro é hidrotérmico depende do período de chuvas no sudeste, de novembro a abril. Se a chuva for pouca o governo é obrigado a despachar as térmicas, para garantir a segurança energética", resume o diretor executivo do Siecesc.

Usitesc ainda é esperança

Com a queda na entrega de carvão prevista, 2016 pode ter sua notícia positiva com a Termelétrica Sul-Catarinense (Usitesc), que participará do Leilão A-5, marcado para o dia 31 de março. “A Usitesc é fundamental para o progresso da região e também para a segurança da indústria do carvão. Estamos com bastante esperança com a participação dela no leilão. Dependemos apenas do preço teto que o governo vai estabelecer e da demanda de energia”, afirma Zancan.

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2016-01-21 10:43:49 [dt_sistema] => 2016-01-21 10:43:49 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Apostando no futuro, indústria do carvão deve ter queda de 20% em 2016

04/01/2016

Lucas Jorge / Assessoria de Imprensa Siecesc

Com queda na produção, mas ainda acima da média. Foi assim o ano de 2015 para a indústria do carvão mineral no Sul de Santa Catarina. Em meio as atribulações econômicas no cenário nacional, o carvão ainda teve papel fundamental para o setor energético brasileiro. No entanto, 2016 apresentará um quadro de decréscimo.

“Tivemos uma queda de 6% em 2015 e para 2016 a previsão é que tenhamos uma queda de 20% na entrega de carvão. Enquanto os anos de 2013, 2014 e 2015 o consumo das térmicas subiu, no próximo ano, devido ao fato de o consumo de energia permanecer baixo e também com a entrada de novos projetos hidrelétricos, as térmicas devem ser menos utilizadas”, explica o diretor executivo do Sindicato da Indústria da Extração de Carvão do Estado de Santa Catarina - Siecesc, Fernando Zancan.

De acordo com Zancan, a queda é cíclica e pode mudar nos próximos anos. “Como o sistema elétrico brasileiro é hidrotérmico depende do período de chuvas no sudeste, de novembro a abril. Se a chuva for pouca o governo é obrigado a despachar as térmicas, para garantir a segurança energética", resume o diretor executivo do Siecesc.

Usitesc ainda é esperança

Com a queda na entrega de carvão prevista, 2016 pode ter sua notícia positiva com a Termelétrica Sul-Catarinense (Usitesc), que participará do Leilão A-5, marcado para o dia 31 de março. “A Usitesc é fundamental para o progresso da região e também para a segurança da indústria do carvão. Estamos com bastante esperança com a participação dela no leilão. Dependemos apenas do preço teto que o governo vai estabelecer e da demanda de energia”, afirma Zancan.

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351