Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 528
    [i_conteudo] => 528
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2015-10-07
    [dt_conteudo] => 2015-10-07
    [4] => Ministério Público elogia atuação da CPRM na recuperação de áreas degradadas em Santa Catarina
    [titulo] => Ministério Público elogia atuação da CPRM na recuperação de áreas degradadas em Santa Catarina
    [5] => 
    [autor] => 
    [6] => O diretor-presidente do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) Manoel Barretto recebeu, em Brasília, o Procurador da República, Darlan Airton Dias.
    [resumo] => O diretor-presidente do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) Manoel Barretto recebeu, em Brasília, o Procurador da República, Darlan Airton Dias.
    [7] => 

O diretor-presidente do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) Manoel Barretto recebeu nessa quinta-feira (24/9), em Brasília, o Procurador da República, Darlan Airton Dias. Na ocasião, Dias agradeceu a atuação da CPRM na revitalização de áreas degradadas pela exploração de carvão e minas subterrâneas na região de Criciúma, em Santa Catarina.

 

“A CPRM tem feito um trabalho com muita qualidade e eficiência. A equipe técnica envolvida demonstra compromisso com a recuperação do local. Não havia responsável na estrutura do governo que executasse as obras e coordenasse o projeto”, elogiou o procurador. Ele acredita que a ação despertou na população a consciência de preservar o meio ambiente.

 

Além disso, convidou o diretor-presidente Manoel Barretto para ministrar palestra no Seminário Mineração e Meio Ambiente, promovido pelo Ministério Público Federal nos dias 12 e 13 de novembro, em Brasília. O objetivo é debater o tema mineração no Brasil para prevenção e recuperação de passivos ambientais.

 

Barretto, o diretor de Relações Institucionais e Desenvolvimento, Antonio Bacelar e a consultora jurídica, Ana Paula Leal agradeceram o reconhecimento. “É muito gratificante saber que nossos profissionais estão sendo reconhecidos pelo governo e sociedade”, disse o diretor-presidente.

 

Para Bacelar é uma maneira de incentivar também que as empresas de mineração invistam na recuperação de áreas degradadas para a preservação do meio ambiente.

 

O projeto pioneiro da CPRM, que conta com o acompanhamento do Ministério Público Federal, vai resgatar 1.200 hectares de áreas degradas. A iniciativa trata-se do cumprimento de sentença judicial que determinou à União o dever de recuperar áreas degradadas da Bacia Carbonífera de Santa Catarina.

 

Até 2020 serão investidos cerca de R$ 350 milhões em obras de drenagem, terraplanagem, isolamento de rejeitos e reflorestamento com o plantio de espécies nativas da Mata Atlântica. A CPRM vai monitor as áreas que forem revitalizadas para evitar degradação ou ocupação irregular do solo por um período de cinco anos. 

 

[conteudo] =>

O diretor-presidente do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) Manoel Barretto recebeu nessa quinta-feira (24/9), em Brasília, o Procurador da República, Darlan Airton Dias. Na ocasião, Dias agradeceu a atuação da CPRM na revitalização de áreas degradadas pela exploração de carvão e minas subterrâneas na região de Criciúma, em Santa Catarina.

 

“A CPRM tem feito um trabalho com muita qualidade e eficiência. A equipe técnica envolvida demonstra compromisso com a recuperação do local. Não havia responsável na estrutura do governo que executasse as obras e coordenasse o projeto”, elogiou o procurador. Ele acredita que a ação despertou na população a consciência de preservar o meio ambiente.

 

Além disso, convidou o diretor-presidente Manoel Barretto para ministrar palestra no Seminário Mineração e Meio Ambiente, promovido pelo Ministério Público Federal nos dias 12 e 13 de novembro, em Brasília. O objetivo é debater o tema mineração no Brasil para prevenção e recuperação de passivos ambientais.

 

Barretto, o diretor de Relações Institucionais e Desenvolvimento, Antonio Bacelar e a consultora jurídica, Ana Paula Leal agradeceram o reconhecimento. “É muito gratificante saber que nossos profissionais estão sendo reconhecidos pelo governo e sociedade”, disse o diretor-presidente.

 

Para Bacelar é uma maneira de incentivar também que as empresas de mineração invistam na recuperação de áreas degradadas para a preservação do meio ambiente.

 

O projeto pioneiro da CPRM, que conta com o acompanhamento do Ministério Público Federal, vai resgatar 1.200 hectares de áreas degradas. A iniciativa trata-se do cumprimento de sentença judicial que determinou à União o dever de recuperar áreas degradadas da Bacia Carbonífera de Santa Catarina.

 

Até 2020 serão investidos cerca de R$ 350 milhões em obras de drenagem, terraplanagem, isolamento de rejeitos e reflorestamento com o plantio de espécies nativas da Mata Atlântica. A CPRM vai monitor as áreas que forem revitalizadas para evitar degradação ou ocupação irregular do solo por um período de cinco anos. 

 

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2015-10-08 16:36:11 [dt_sistema] => 2015-10-08 16:36:11 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Ministério Público elogia atuação da CPRM na recuperação de áreas degradadas em Santa Catarina

07/10/2015

O diretor-presidente do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) Manoel Barretto recebeu nessa quinta-feira (24/9), em Brasília, o Procurador da República, Darlan Airton Dias. Na ocasião, Dias agradeceu a atuação da CPRM na revitalização de áreas degradadas pela exploração de carvão e minas subterrâneas na região de Criciúma, em Santa Catarina.

 

“A CPRM tem feito um trabalho com muita qualidade e eficiência. A equipe técnica envolvida demonstra compromisso com a recuperação do local. Não havia responsável na estrutura do governo que executasse as obras e coordenasse o projeto”, elogiou o procurador. Ele acredita que a ação despertou na população a consciência de preservar o meio ambiente.

 

Além disso, convidou o diretor-presidente Manoel Barretto para ministrar palestra no Seminário Mineração e Meio Ambiente, promovido pelo Ministério Público Federal nos dias 12 e 13 de novembro, em Brasília. O objetivo é debater o tema mineração no Brasil para prevenção e recuperação de passivos ambientais.

 

Barretto, o diretor de Relações Institucionais e Desenvolvimento, Antonio Bacelar e a consultora jurídica, Ana Paula Leal agradeceram o reconhecimento. “É muito gratificante saber que nossos profissionais estão sendo reconhecidos pelo governo e sociedade”, disse o diretor-presidente.

 

Para Bacelar é uma maneira de incentivar também que as empresas de mineração invistam na recuperação de áreas degradadas para a preservação do meio ambiente.

 

O projeto pioneiro da CPRM, que conta com o acompanhamento do Ministério Público Federal, vai resgatar 1.200 hectares de áreas degradas. A iniciativa trata-se do cumprimento de sentença judicial que determinou à União o dever de recuperar áreas degradadas da Bacia Carbonífera de Santa Catarina.

 

Até 2020 serão investidos cerca de R$ 350 milhões em obras de drenagem, terraplanagem, isolamento de rejeitos e reflorestamento com o plantio de espécies nativas da Mata Atlântica. A CPRM vai monitor as áreas que forem revitalizadas para evitar degradação ou ocupação irregular do solo por um período de cinco anos. 

 

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351