Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 522
    [i_conteudo] => 522
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2015-09-15
    [dt_conteudo] => 2015-09-15
    [4] => Carvão ganha mais espaço na matriz energética brasileira
    [titulo] => Carvão ganha mais espaço na matriz energética brasileira
    [5] => Mauren Xavier - Correio do Povo
    [autor] => Mauren Xavier - Correio do Povo
    [6] => Mineral é lembrado nas crises de fornecimento elétrico, mas desafio é diminuir custos
    [resumo] => Mineral é lembrado nas crises de fornecimento elétrico, mas desafio é diminuir custos
    [7] => 

A presença do carvão na geração de energia ainda é modesta no Brasil menos de 2%, segundo o Ministério de Minas e Energia (MME). A realidade nacional é bem distante do panorama internacional. Para se ter uma ideia, segundo a Agência Internacional de Energia (IEA  sigla em inglês), mais de 40% da energia elétrica gerada no mundo tem origem no carvão mineral. A tendência é dobrar o volume até 2030. Claro que esses países utilizam tecnologias para ter volume de geração bem superior à brasileira. 

Mas quais são as justificativas para que o Brasil não explore esse potencial? As respostas não são simples. Porém, é possível fazer algumas considerações. Segundo o presidente da Companhia Riograndense de Mineração (CRM), Edivilson Brum, a lógica é simples: há necessidade de energia, há empresas interessadas e há o carvão. “Temos um mercado em aberto e que pode dar um up grade para a CRM e, consequentemente, para o Estado. Assim, não há o porquê de deixarmos de aproveitá-lo”, explica. Para tornar o produto mais competitivo, o governo do Estado tem investido em diferentes modelagens econômicas para incentivar os investimentos. 

Nessa linha, o deputado federal Afonso Hamm (PP), que presidiu por dois anos a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Carvão Mineral, avalia que as perspectivas são boas para uma maior presença do mineral na geração de energia. Ele assegura ser um ganho importante a inserção do carvão nos leilões de energia. Isso porque nesses processos há queda no preço e a confirmação da compra da energia. O deputado recorda que o governo chega a pagar R$ 800,00 por MWh. No leilão, fica em R$ 209,00 por MWh. 

O debate se torna ainda mais importante, uma vez que é notória a escassez das fontes tradicionais de energia, como as hidrelétricas. Nesse panorama, o carvão aparece como alternativa. E o interesse realmente tem aumentado. Exemplo é que ontem houve a assinatura do termo de construção de uma usina termelétrica em Candiota com a empresa Ouro Negro. O investimento já é uma sinalização positiva para o próximo leilão de energia previsto para janeiro de 2016. “Sem o carvão poderia ter ocorrido um blecaute. Não esperamos ser a energia de base, mas podemos ser a complementar”, ressalta Edivilson Brum. 

Para o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, o potencial é grande. “Para o Brasil crescer é preciso energia. É necessário ter uma segurança elétrica. Então se torna fundamental o debate de outras fontes. Nesse modelo, o carvão pode ser mais utilizado”, afirma. 

Ele reconhece que o desafio é tornar o processo mais competitivo, mas há benefícios, como não sofrer com as flutuações do câmbio, por ser produzido no Brasil. Outra vantagem é que existem tecnologias que amenizam os impactos ambientais, além de alternativas, como a geração de gás sintético. “Potencial existe e é grande”, diz Zancan. A ordem é conjugar esforços de modo a assegurar que o carvão reconquiste seu espaço.

Investimentos se tornam realidade em Candiota

Em Candiota, avança o projeto da Usina Pampa Sul, da empresa Tractebel Energia, líder em geração privada de energia elétrica no país. Atualmente, estão sendo realizadas a terraplenagem e a montagem do canteiro de obras. A expectativa é de que a conclusão ocorra em janeiro de 2019, num investimento de R$ 1,8 bilhão. 

Em funcionamento, a termelétrica terá capacidade total instalada de 680 MW, sendo duas unidades geradoras de 340 MW cada uma. No leilão de 2014, para destinação da energia produzida, a empresa vendeu apenas a primeira fase do projeto. Agora, pretende utilizar o carvão extraído em minas situadas nas proximidades e o fornecido pela Copelmi. A escolha para a instalação da usina em Candiota está ligada à reserva existente e à localização. 

A empresa tem experiência na operação e na manutenção de usinas a carvão, tanto que no Rio Grande do Sul já opera a Usina Termelétrica Charqueadas. Pelo projeto, serão gerados 2 mil empregos diretos na obra, além de 4 mil indiretos. A expectativa é utilizar trabalhadores locais, inclusive com a promoção de cursos profissionalizantes. Segundo o prefeito de Candiota, Luiz Carlos Folador, o ciclo do carvão representa 70% da arrecadação do município, além da geração de empregos. “Acreditamos muito nas potencialidades do carvão”, afirma. 

Como o carvão vira energia 

É pela queima do carvão mineral que a energia elétrica é gerada. O primeiro passo é a extração, feita por meio de detonação das minas de céu aberto ou pela escavação, nas subterrâneas. O material passa por uma britagem, que reduz e mantém uniforme o tamanho. Na usina da CGTEE, em Candiota, que compra o carvão da CRM, o mineral é moído e colocado nas fornalhas das caldeiras para a queima. Nesse momento, há a geração de gases e fumaça que passam por filtros antes de serem expelidos, reduzindo danos ambientais. O calor gerado com a queima é transferido para a água, resultando em vapor superaquecido. E é esse vapor que resultará, ao passar por turbinas, em energia mecânica e, por fim, em energia elétrica. 

[conteudo] =>

A presença do carvão na geração de energia ainda é modesta no Brasil menos de 2%, segundo o Ministério de Minas e Energia (MME). A realidade nacional é bem distante do panorama internacional. Para se ter uma ideia, segundo a Agência Internacional de Energia (IEA  sigla em inglês), mais de 40% da energia elétrica gerada no mundo tem origem no carvão mineral. A tendência é dobrar o volume até 2030. Claro que esses países utilizam tecnologias para ter volume de geração bem superior à brasileira. 

Mas quais são as justificativas para que o Brasil não explore esse potencial? As respostas não são simples. Porém, é possível fazer algumas considerações. Segundo o presidente da Companhia Riograndense de Mineração (CRM), Edivilson Brum, a lógica é simples: há necessidade de energia, há empresas interessadas e há o carvão. “Temos um mercado em aberto e que pode dar um up grade para a CRM e, consequentemente, para o Estado. Assim, não há o porquê de deixarmos de aproveitá-lo”, explica. Para tornar o produto mais competitivo, o governo do Estado tem investido em diferentes modelagens econômicas para incentivar os investimentos. 

Nessa linha, o deputado federal Afonso Hamm (PP), que presidiu por dois anos a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Carvão Mineral, avalia que as perspectivas são boas para uma maior presença do mineral na geração de energia. Ele assegura ser um ganho importante a inserção do carvão nos leilões de energia. Isso porque nesses processos há queda no preço e a confirmação da compra da energia. O deputado recorda que o governo chega a pagar R$ 800,00 por MWh. No leilão, fica em R$ 209,00 por MWh. 

O debate se torna ainda mais importante, uma vez que é notória a escassez das fontes tradicionais de energia, como as hidrelétricas. Nesse panorama, o carvão aparece como alternativa. E o interesse realmente tem aumentado. Exemplo é que ontem houve a assinatura do termo de construção de uma usina termelétrica em Candiota com a empresa Ouro Negro. O investimento já é uma sinalização positiva para o próximo leilão de energia previsto para janeiro de 2016. “Sem o carvão poderia ter ocorrido um blecaute. Não esperamos ser a energia de base, mas podemos ser a complementar”, ressalta Edivilson Brum. 

Para o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, o potencial é grande. “Para o Brasil crescer é preciso energia. É necessário ter uma segurança elétrica. Então se torna fundamental o debate de outras fontes. Nesse modelo, o carvão pode ser mais utilizado”, afirma. 

Ele reconhece que o desafio é tornar o processo mais competitivo, mas há benefícios, como não sofrer com as flutuações do câmbio, por ser produzido no Brasil. Outra vantagem é que existem tecnologias que amenizam os impactos ambientais, além de alternativas, como a geração de gás sintético. “Potencial existe e é grande”, diz Zancan. A ordem é conjugar esforços de modo a assegurar que o carvão reconquiste seu espaço.

Investimentos se tornam realidade em Candiota

Em Candiota, avança o projeto da Usina Pampa Sul, da empresa Tractebel Energia, líder em geração privada de energia elétrica no país. Atualmente, estão sendo realizadas a terraplenagem e a montagem do canteiro de obras. A expectativa é de que a conclusão ocorra em janeiro de 2019, num investimento de R$ 1,8 bilhão. 

Em funcionamento, a termelétrica terá capacidade total instalada de 680 MW, sendo duas unidades geradoras de 340 MW cada uma. No leilão de 2014, para destinação da energia produzida, a empresa vendeu apenas a primeira fase do projeto. Agora, pretende utilizar o carvão extraído em minas situadas nas proximidades e o fornecido pela Copelmi. A escolha para a instalação da usina em Candiota está ligada à reserva existente e à localização. 

A empresa tem experiência na operação e na manutenção de usinas a carvão, tanto que no Rio Grande do Sul já opera a Usina Termelétrica Charqueadas. Pelo projeto, serão gerados 2 mil empregos diretos na obra, além de 4 mil indiretos. A expectativa é utilizar trabalhadores locais, inclusive com a promoção de cursos profissionalizantes. Segundo o prefeito de Candiota, Luiz Carlos Folador, o ciclo do carvão representa 70% da arrecadação do município, além da geração de empregos. “Acreditamos muito nas potencialidades do carvão”, afirma. 

Como o carvão vira energia 

É pela queima do carvão mineral que a energia elétrica é gerada. O primeiro passo é a extração, feita por meio de detonação das minas de céu aberto ou pela escavação, nas subterrâneas. O material passa por uma britagem, que reduz e mantém uniforme o tamanho. Na usina da CGTEE, em Candiota, que compra o carvão da CRM, o mineral é moído e colocado nas fornalhas das caldeiras para a queima. Nesse momento, há a geração de gases e fumaça que passam por filtros antes de serem expelidos, reduzindo danos ambientais. O calor gerado com a queima é transferido para a água, resultando em vapor superaquecido. E é esse vapor que resultará, ao passar por turbinas, em energia mecânica e, por fim, em energia elétrica. 

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2015-09-16 14:04:30 [dt_sistema] => 2015-09-16 14:04:30 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Carvão ganha mais espaço na matriz energética brasileira

15/09/2015

Mauren Xavier - Correio do Povo

A presença do carvão na geração de energia ainda é modesta no Brasil menos de 2%, segundo o Ministério de Minas e Energia (MME). A realidade nacional é bem distante do panorama internacional. Para se ter uma ideia, segundo a Agência Internacional de Energia (IEA  sigla em inglês), mais de 40% da energia elétrica gerada no mundo tem origem no carvão mineral. A tendência é dobrar o volume até 2030. Claro que esses países utilizam tecnologias para ter volume de geração bem superior à brasileira. 

Mas quais são as justificativas para que o Brasil não explore esse potencial? As respostas não são simples. Porém, é possível fazer algumas considerações. Segundo o presidente da Companhia Riograndense de Mineração (CRM), Edivilson Brum, a lógica é simples: há necessidade de energia, há empresas interessadas e há o carvão. “Temos um mercado em aberto e que pode dar um up grade para a CRM e, consequentemente, para o Estado. Assim, não há o porquê de deixarmos de aproveitá-lo”, explica. Para tornar o produto mais competitivo, o governo do Estado tem investido em diferentes modelagens econômicas para incentivar os investimentos. 

Nessa linha, o deputado federal Afonso Hamm (PP), que presidiu por dois anos a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Carvão Mineral, avalia que as perspectivas são boas para uma maior presença do mineral na geração de energia. Ele assegura ser um ganho importante a inserção do carvão nos leilões de energia. Isso porque nesses processos há queda no preço e a confirmação da compra da energia. O deputado recorda que o governo chega a pagar R$ 800,00 por MWh. No leilão, fica em R$ 209,00 por MWh. 

O debate se torna ainda mais importante, uma vez que é notória a escassez das fontes tradicionais de energia, como as hidrelétricas. Nesse panorama, o carvão aparece como alternativa. E o interesse realmente tem aumentado. Exemplo é que ontem houve a assinatura do termo de construção de uma usina termelétrica em Candiota com a empresa Ouro Negro. O investimento já é uma sinalização positiva para o próximo leilão de energia previsto para janeiro de 2016. “Sem o carvão poderia ter ocorrido um blecaute. Não esperamos ser a energia de base, mas podemos ser a complementar”, ressalta Edivilson Brum. 

Para o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, o potencial é grande. “Para o Brasil crescer é preciso energia. É necessário ter uma segurança elétrica. Então se torna fundamental o debate de outras fontes. Nesse modelo, o carvão pode ser mais utilizado”, afirma. 

Ele reconhece que o desafio é tornar o processo mais competitivo, mas há benefícios, como não sofrer com as flutuações do câmbio, por ser produzido no Brasil. Outra vantagem é que existem tecnologias que amenizam os impactos ambientais, além de alternativas, como a geração de gás sintético. “Potencial existe e é grande”, diz Zancan. A ordem é conjugar esforços de modo a assegurar que o carvão reconquiste seu espaço.

Investimentos se tornam realidade em Candiota

Em Candiota, avança o projeto da Usina Pampa Sul, da empresa Tractebel Energia, líder em geração privada de energia elétrica no país. Atualmente, estão sendo realizadas a terraplenagem e a montagem do canteiro de obras. A expectativa é de que a conclusão ocorra em janeiro de 2019, num investimento de R$ 1,8 bilhão. 

Em funcionamento, a termelétrica terá capacidade total instalada de 680 MW, sendo duas unidades geradoras de 340 MW cada uma. No leilão de 2014, para destinação da energia produzida, a empresa vendeu apenas a primeira fase do projeto. Agora, pretende utilizar o carvão extraído em minas situadas nas proximidades e o fornecido pela Copelmi. A escolha para a instalação da usina em Candiota está ligada à reserva existente e à localização. 

A empresa tem experiência na operação e na manutenção de usinas a carvão, tanto que no Rio Grande do Sul já opera a Usina Termelétrica Charqueadas. Pelo projeto, serão gerados 2 mil empregos diretos na obra, além de 4 mil indiretos. A expectativa é utilizar trabalhadores locais, inclusive com a promoção de cursos profissionalizantes. Segundo o prefeito de Candiota, Luiz Carlos Folador, o ciclo do carvão representa 70% da arrecadação do município, além da geração de empregos. “Acreditamos muito nas potencialidades do carvão”, afirma. 

Como o carvão vira energia 

É pela queima do carvão mineral que a energia elétrica é gerada. O primeiro passo é a extração, feita por meio de detonação das minas de céu aberto ou pela escavação, nas subterrâneas. O material passa por uma britagem, que reduz e mantém uniforme o tamanho. Na usina da CGTEE, em Candiota, que compra o carvão da CRM, o mineral é moído e colocado nas fornalhas das caldeiras para a queima. Nesse momento, há a geração de gases e fumaça que passam por filtros antes de serem expelidos, reduzindo danos ambientais. O calor gerado com a queima é transferido para a água, resultando em vapor superaquecido. E é esse vapor que resultará, ao passar por turbinas, em energia mecânica e, por fim, em energia elétrica. 

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351