Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 482
    [i_conteudo] => 482
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2015-06-16
    [dt_conteudo] => 2015-06-16
    [4] => Região Centro-Sul do RS quer estímulo ao uso do carvão mineral
    [titulo] => Região Centro-Sul do RS quer estímulo ao uso do carvão mineral
    [5] => Texto: Ascom SME - Edição: Léa Aragón/CCom
    [autor] => Texto: Ascom SME - Edição: Léa Aragón/CCom
    [6] => A situação do sistema energético na região Centro-Sul e as prioridades da comunidade regional nesta área foram tema de reunião, nesta quarta-feira (10), na sede da Ulbra, em São Jerônimo. 
    [resumo] => A situação do sistema energético na região Centro-Sul e as prioridades da comunidade regional nesta área foram tema de reunião, nesta quarta-feira (10), na sede da Ulbra, em São Jerônimo. 
    [7] => 

A situação do sistema energético na região Centro-Sul e as prioridades da comunidade regional nesta área foram tema de reunião, nesta quarta-feira (10), na sede da Ulbra, em São Jerônimo. O encontro faz parte do ciclo de reuniões que ocorrem no interior do Estado pela Secretaria de Minas e Energia (SME), visando à preparação do Plano Energético do RS.

O secretário Lucas Redecker, de Minas e Energia afirmou que a SME está atuando para evitar o fechamento da usina da Tractebel em Charqueadas, cujo encerramento das atividades está previsto para o fim de 2015."Nós estamos, em conjunto com as prefeituras e a própria Tractebel, tentando sensibilizar a Annel e o Ministério de Minas e Energia, para que o prazo de vigência da nova resolução da Aneel seja estendido, dando condições à empresa para se readequar”.

Em outra frente, disse o secretário, a SME está em negociações avançadas com a Transgás, empresa americana e que deverá instalar dois empreendimentos no RS, um em Candiota (gás e fertilizantes a partir do carvão) e outro em Minas do Leão (geração de energia a partir do carvão mineral). "Esta semana tivemos uma vídeo conferência com a Transgás, inclusive amostras de carvão solicitadas já foram enviadas para os Estados Unidos", garantiu.

O vice-presidente do Corede Centro-Sul, Álvaro Werlang, fez um apelo pela valorização do carvão na matriz energética do RS. "O carvão foi desmerecido em relação a outros energéticos. Por que não dar uma maior utilização a ele? Precisamos do Plano Energético e de apoio para sobrepor essa fase difícil de forma rápida", afirmou. Disse ainda que há expectativa de que o polo naval se reerga e a demanda de energia é estratégica para essa retomada. "A saída está em mostrarmos esse potencial em energia que temos disponível", afirmou, referindo-se ao uso do carvão mineral. 

Para o presidente da Associação dos Municípios da Região Carbonífera e prefeito de Arroio dos Ratos, José Carlos Azeredo, a região não está preparada para perder mais este investimento - referindo-se a usina da Tractebel, em Charqueadas. "Estamos buscando apoio onde ele estiver, para que não percamos mais nada. O país precisando de energia, enquanto nós estamos perdendo uma usina que produz um volume de energia respeitável. A energia mais cara é aquela que não existe", afirmou. A prefeita de Minas do Leão, Silvia Lasek, afirmou que a região e suas lideranças têm aceitado passivamente a perda de recursos e investimentos. "Somos acomodados e aceitamos calmamente tudo o que nos foi imposto. É o momento de se olhar para esta região de outra forma", enfatizou. 

O vice-prefeito de Charqueadas, Edilon Lopes, afirmou que, se for confirmado o fechamento da usina da Tractebel, serão perdidos mais 2.500 empregos. "A região está sofrendo e angustiada. Precisamos garantir também o que foi construído no passado", disse ele. O ex-prefeito de General Câmara, Paulo Roberto Rame, pediu à secretaria que faça um estudo sobre a possibilidade de instalação de duas turbinas junto à barragem de Amarópolis, o que poderia ocasionar "a geração imediata de mais energia".

O diretor-administrativo da CRM (Companhia Regiograndense de Mineração), Ricardo Guimarães, disse que 90% das reservas de carvão mineral do país estão no RS. Recentemente, disse, a produção em Minas do Leão saltou de 8 mil toneladas para 12 mil toneladas de carvão e a expectativa é de que até o fim do ano a produtividade alcance as 20 mil toneladas. "Precisamos, planejar, agir e trabalhar. O carvão é uma realidade e a CRM está envidando todos os esforços para usar essa riqueza abundante no Estado e para transformá-la na alavanca do desenvolvimento dessa região", afirmou.

Sobre o Plano Energético 

O Plano Energético do RS é um estudo que vai projetar a demanda de energia e os gargalos que precisam ser enfrentados para que tenhamos um abastecimento de energia continuado e de qualidade ao longo da próxima década. Mais do que isso, vai deixar claro onde está o potencial para a geração de energia no Rio Grande do Sul e quais os energéticos que podem ser melhor explorados. 

Esse trabalho é pioneiro no Rio Grande do Sul e mais do que apontar as demandas, vai relacionar as ações necessárias para um setor energético forte e preparado para atender as necessidades da sociedade.

Até o momento houve cinco encontros dos 17 previstos: em Osório, Uruguaiana, Bagé, Rio Grande e São Jerônimo. A próxima reunião é nesta quinta-feira (11), em Camaquã.

[conteudo] =>

A situação do sistema energético na região Centro-Sul e as prioridades da comunidade regional nesta área foram tema de reunião, nesta quarta-feira (10), na sede da Ulbra, em São Jerônimo. O encontro faz parte do ciclo de reuniões que ocorrem no interior do Estado pela Secretaria de Minas e Energia (SME), visando à preparação do Plano Energético do RS.

O secretário Lucas Redecker, de Minas e Energia afirmou que a SME está atuando para evitar o fechamento da usina da Tractebel em Charqueadas, cujo encerramento das atividades está previsto para o fim de 2015."Nós estamos, em conjunto com as prefeituras e a própria Tractebel, tentando sensibilizar a Annel e o Ministério de Minas e Energia, para que o prazo de vigência da nova resolução da Aneel seja estendido, dando condições à empresa para se readequar”.

Em outra frente, disse o secretário, a SME está em negociações avançadas com a Transgás, empresa americana e que deverá instalar dois empreendimentos no RS, um em Candiota (gás e fertilizantes a partir do carvão) e outro em Minas do Leão (geração de energia a partir do carvão mineral). "Esta semana tivemos uma vídeo conferência com a Transgás, inclusive amostras de carvão solicitadas já foram enviadas para os Estados Unidos", garantiu.

O vice-presidente do Corede Centro-Sul, Álvaro Werlang, fez um apelo pela valorização do carvão na matriz energética do RS. "O carvão foi desmerecido em relação a outros energéticos. Por que não dar uma maior utilização a ele? Precisamos do Plano Energético e de apoio para sobrepor essa fase difícil de forma rápida", afirmou. Disse ainda que há expectativa de que o polo naval se reerga e a demanda de energia é estratégica para essa retomada. "A saída está em mostrarmos esse potencial em energia que temos disponível", afirmou, referindo-se ao uso do carvão mineral. 

Para o presidente da Associação dos Municípios da Região Carbonífera e prefeito de Arroio dos Ratos, José Carlos Azeredo, a região não está preparada para perder mais este investimento - referindo-se a usina da Tractebel, em Charqueadas. "Estamos buscando apoio onde ele estiver, para que não percamos mais nada. O país precisando de energia, enquanto nós estamos perdendo uma usina que produz um volume de energia respeitável. A energia mais cara é aquela que não existe", afirmou. A prefeita de Minas do Leão, Silvia Lasek, afirmou que a região e suas lideranças têm aceitado passivamente a perda de recursos e investimentos. "Somos acomodados e aceitamos calmamente tudo o que nos foi imposto. É o momento de se olhar para esta região de outra forma", enfatizou. 

O vice-prefeito de Charqueadas, Edilon Lopes, afirmou que, se for confirmado o fechamento da usina da Tractebel, serão perdidos mais 2.500 empregos. "A região está sofrendo e angustiada. Precisamos garantir também o que foi construído no passado", disse ele. O ex-prefeito de General Câmara, Paulo Roberto Rame, pediu à secretaria que faça um estudo sobre a possibilidade de instalação de duas turbinas junto à barragem de Amarópolis, o que poderia ocasionar "a geração imediata de mais energia".

O diretor-administrativo da CRM (Companhia Regiograndense de Mineração), Ricardo Guimarães, disse que 90% das reservas de carvão mineral do país estão no RS. Recentemente, disse, a produção em Minas do Leão saltou de 8 mil toneladas para 12 mil toneladas de carvão e a expectativa é de que até o fim do ano a produtividade alcance as 20 mil toneladas. "Precisamos, planejar, agir e trabalhar. O carvão é uma realidade e a CRM está envidando todos os esforços para usar essa riqueza abundante no Estado e para transformá-la na alavanca do desenvolvimento dessa região", afirmou.

Sobre o Plano Energético 

O Plano Energético do RS é um estudo que vai projetar a demanda de energia e os gargalos que precisam ser enfrentados para que tenhamos um abastecimento de energia continuado e de qualidade ao longo da próxima década. Mais do que isso, vai deixar claro onde está o potencial para a geração de energia no Rio Grande do Sul e quais os energéticos que podem ser melhor explorados. 

Esse trabalho é pioneiro no Rio Grande do Sul e mais do que apontar as demandas, vai relacionar as ações necessárias para um setor energético forte e preparado para atender as necessidades da sociedade.

Até o momento houve cinco encontros dos 17 previstos: em Osório, Uruguaiana, Bagé, Rio Grande e São Jerônimo. A próxima reunião é nesta quinta-feira (11), em Camaquã.

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2015-06-17 13:41:43 [dt_sistema] => 2015-06-17 13:41:43 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Região Centro-Sul do RS quer estímulo ao uso do carvão mineral

16/06/2015

Texto: Ascom SME - Edição: Léa Aragón/CCom

A situação do sistema energético na região Centro-Sul e as prioridades da comunidade regional nesta área foram tema de reunião, nesta quarta-feira (10), na sede da Ulbra, em São Jerônimo. O encontro faz parte do ciclo de reuniões que ocorrem no interior do Estado pela Secretaria de Minas e Energia (SME), visando à preparação do Plano Energético do RS.

O secretário Lucas Redecker, de Minas e Energia afirmou que a SME está atuando para evitar o fechamento da usina da Tractebel em Charqueadas, cujo encerramento das atividades está previsto para o fim de 2015."Nós estamos, em conjunto com as prefeituras e a própria Tractebel, tentando sensibilizar a Annel e o Ministério de Minas e Energia, para que o prazo de vigência da nova resolução da Aneel seja estendido, dando condições à empresa para se readequar”.

Em outra frente, disse o secretário, a SME está em negociações avançadas com a Transgás, empresa americana e que deverá instalar dois empreendimentos no RS, um em Candiota (gás e fertilizantes a partir do carvão) e outro em Minas do Leão (geração de energia a partir do carvão mineral). "Esta semana tivemos uma vídeo conferência com a Transgás, inclusive amostras de carvão solicitadas já foram enviadas para os Estados Unidos", garantiu.

O vice-presidente do Corede Centro-Sul, Álvaro Werlang, fez um apelo pela valorização do carvão na matriz energética do RS. "O carvão foi desmerecido em relação a outros energéticos. Por que não dar uma maior utilização a ele? Precisamos do Plano Energético e de apoio para sobrepor essa fase difícil de forma rápida", afirmou. Disse ainda que há expectativa de que o polo naval se reerga e a demanda de energia é estratégica para essa retomada. "A saída está em mostrarmos esse potencial em energia que temos disponível", afirmou, referindo-se ao uso do carvão mineral. 

Para o presidente da Associação dos Municípios da Região Carbonífera e prefeito de Arroio dos Ratos, José Carlos Azeredo, a região não está preparada para perder mais este investimento - referindo-se a usina da Tractebel, em Charqueadas. "Estamos buscando apoio onde ele estiver, para que não percamos mais nada. O país precisando de energia, enquanto nós estamos perdendo uma usina que produz um volume de energia respeitável. A energia mais cara é aquela que não existe", afirmou. A prefeita de Minas do Leão, Silvia Lasek, afirmou que a região e suas lideranças têm aceitado passivamente a perda de recursos e investimentos. "Somos acomodados e aceitamos calmamente tudo o que nos foi imposto. É o momento de se olhar para esta região de outra forma", enfatizou. 

O vice-prefeito de Charqueadas, Edilon Lopes, afirmou que, se for confirmado o fechamento da usina da Tractebel, serão perdidos mais 2.500 empregos. "A região está sofrendo e angustiada. Precisamos garantir também o que foi construído no passado", disse ele. O ex-prefeito de General Câmara, Paulo Roberto Rame, pediu à secretaria que faça um estudo sobre a possibilidade de instalação de duas turbinas junto à barragem de Amarópolis, o que poderia ocasionar "a geração imediata de mais energia".

O diretor-administrativo da CRM (Companhia Regiograndense de Mineração), Ricardo Guimarães, disse que 90% das reservas de carvão mineral do país estão no RS. Recentemente, disse, a produção em Minas do Leão saltou de 8 mil toneladas para 12 mil toneladas de carvão e a expectativa é de que até o fim do ano a produtividade alcance as 20 mil toneladas. "Precisamos, planejar, agir e trabalhar. O carvão é uma realidade e a CRM está envidando todos os esforços para usar essa riqueza abundante no Estado e para transformá-la na alavanca do desenvolvimento dessa região", afirmou.

Sobre o Plano Energético 

O Plano Energético do RS é um estudo que vai projetar a demanda de energia e os gargalos que precisam ser enfrentados para que tenhamos um abastecimento de energia continuado e de qualidade ao longo da próxima década. Mais do que isso, vai deixar claro onde está o potencial para a geração de energia no Rio Grande do Sul e quais os energéticos que podem ser melhor explorados. 

Esse trabalho é pioneiro no Rio Grande do Sul e mais do que apontar as demandas, vai relacionar as ações necessárias para um setor energético forte e preparado para atender as necessidades da sociedade.

Até o momento houve cinco encontros dos 17 previstos: em Osório, Uruguaiana, Bagé, Rio Grande e São Jerônimo. A próxima reunião é nesta quinta-feira (11), em Camaquã.

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351