Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 414
    [i_conteudo] => 414
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2015-01-19
    [dt_conteudo] => 2015-01-19
    [4] => Aneel retira da pauta processo que define orçamento da CDE
    [titulo] => Aneel retira da pauta processo que define orçamento da CDE
    [5] => Anne Warth
    [autor] => Anne Warth
    [6] => Brasília - A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) retirou de sua pauta o processo que definiria o orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), fundo setorial que banca os subsídios do setor elétrico.
    [resumo] => Brasília - A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) retirou de sua pauta o processo que definiria o orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), fundo setorial que banca os subsídios do setor elétrico.
    [7] => 

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) retirou de sua pauta o processo que definiria o orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), fundo setorial que banca os subsídios do setor elétrico.

Relator do processo, o diretor Tiago Barros Correia não informou o motivo da decisão. A reunião em que o assunto seria discutido ocorre nesta terça-feira, 20, a partir das 9h.

O tema é polêmico e tem sido um dos principais assuntos de discussão no governo desde que o Ministério da Fazenda cancelou o aporte de recursos orçamentáriosde R$ 9 bilhões ao fundo.

Sem esse dinheiro, todos os programas sociais terão que ser bancados pela conta de luz paga pelo consumidor residencial, o que deve levar a um aumento médio nas tarifas de energia de 30%.

Mais cedo, o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, informou que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defende um corte substancial nos subsídios do setor elétrico.

Levy quer aproveitar o momento para discutir e promover uma ampla revisão sobre a eficiência e o custo dos programas sociais.

O ministro defende que parte desses programas deixe de existir - e não simplesmente que sejam repassados para a conta de luz paga pelo consumidor.

Estão na mira subsídios para consumidores rurais, irrigantes, fontes alternativas e carvão mineral, pagos hoje pela CDE.

Segundo apurou o Broadcast, a polêmica proposta foi tema de discussões com a Aneel e o Ministério de Minas e Energia (MME).

O ministério é contra a ideia; a Aneel não opina sobre políticas públicas.

A maior dificuldade é que a maioria dos subsídios foi aprovada pelo Congresso e não pode ser extinta sem mudanças na legislação.

Caberá à presidente Dilma Rousseff a decisão: manter a conta de subsídios da forma como é hoje, repassando seus custos para a tarifa, ou sacrificar aqueles com menos impacto para a população.

Dilma indicou ser contra cortes na tarifa social, que promove descontos na conta de luz de consumidores da baixa renda, e do programa Luz para Todos, que leva energia a moradores de regiões isoladas no país.

Juntos, os dois programas custaram R$ 3 bilhões em 2014.

[conteudo] =>

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) retirou de sua pauta o processo que definiria o orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), fundo setorial que banca os subsídios do setor elétrico.

Relator do processo, o diretor Tiago Barros Correia não informou o motivo da decisão. A reunião em que o assunto seria discutido ocorre nesta terça-feira, 20, a partir das 9h.

O tema é polêmico e tem sido um dos principais assuntos de discussão no governo desde que o Ministério da Fazenda cancelou o aporte de recursos orçamentáriosde R$ 9 bilhões ao fundo.

Sem esse dinheiro, todos os programas sociais terão que ser bancados pela conta de luz paga pelo consumidor residencial, o que deve levar a um aumento médio nas tarifas de energia de 30%.

Mais cedo, o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, informou que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defende um corte substancial nos subsídios do setor elétrico.

Levy quer aproveitar o momento para discutir e promover uma ampla revisão sobre a eficiência e o custo dos programas sociais.

O ministro defende que parte desses programas deixe de existir - e não simplesmente que sejam repassados para a conta de luz paga pelo consumidor.

Estão na mira subsídios para consumidores rurais, irrigantes, fontes alternativas e carvão mineral, pagos hoje pela CDE.

Segundo apurou o Broadcast, a polêmica proposta foi tema de discussões com a Aneel e o Ministério de Minas e Energia (MME).

O ministério é contra a ideia; a Aneel não opina sobre políticas públicas.

A maior dificuldade é que a maioria dos subsídios foi aprovada pelo Congresso e não pode ser extinta sem mudanças na legislação.

Caberá à presidente Dilma Rousseff a decisão: manter a conta de subsídios da forma como é hoje, repassando seus custos para a tarifa, ou sacrificar aqueles com menos impacto para a população.

Dilma indicou ser contra cortes na tarifa social, que promove descontos na conta de luz de consumidores da baixa renda, e do programa Luz para Todos, que leva energia a moradores de regiões isoladas no país.

Juntos, os dois programas custaram R$ 3 bilhões em 2014.

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2015-01-22 13:44:24 [dt_sistema] => 2015-01-22 13:44:24 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Aneel retira da pauta processo que define orçamento da CDE

19/01/2015

Anne Warth

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) retirou de sua pauta o processo que definiria o orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), fundo setorial que banca os subsídios do setor elétrico.

Relator do processo, o diretor Tiago Barros Correia não informou o motivo da decisão. A reunião em que o assunto seria discutido ocorre nesta terça-feira, 20, a partir das 9h.

O tema é polêmico e tem sido um dos principais assuntos de discussão no governo desde que o Ministério da Fazenda cancelou o aporte de recursos orçamentáriosde R$ 9 bilhões ao fundo.

Sem esse dinheiro, todos os programas sociais terão que ser bancados pela conta de luz paga pelo consumidor residencial, o que deve levar a um aumento médio nas tarifas de energia de 30%.

Mais cedo, o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, informou que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defende um corte substancial nos subsídios do setor elétrico.

Levy quer aproveitar o momento para discutir e promover uma ampla revisão sobre a eficiência e o custo dos programas sociais.

O ministro defende que parte desses programas deixe de existir - e não simplesmente que sejam repassados para a conta de luz paga pelo consumidor.

Estão na mira subsídios para consumidores rurais, irrigantes, fontes alternativas e carvão mineral, pagos hoje pela CDE.

Segundo apurou o Broadcast, a polêmica proposta foi tema de discussões com a Aneel e o Ministério de Minas e Energia (MME).

O ministério é contra a ideia; a Aneel não opina sobre políticas públicas.

A maior dificuldade é que a maioria dos subsídios foi aprovada pelo Congresso e não pode ser extinta sem mudanças na legislação.

Caberá à presidente Dilma Rousseff a decisão: manter a conta de subsídios da forma como é hoje, repassando seus custos para a tarifa, ou sacrificar aqueles com menos impacto para a população.

Dilma indicou ser contra cortes na tarifa social, que promove descontos na conta de luz de consumidores da baixa renda, e do programa Luz para Todos, que leva energia a moradores de regiões isoladas no país.

Juntos, os dois programas custaram R$ 3 bilhões em 2014.

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351