Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 356
    [i_conteudo] => 356
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2014-07-11
    [dt_conteudo] => 2014-07-11
    [4] => Política Industrial do Carvão Mineral é apresentada no Ministério de Minas e Energia
    [titulo] => Política Industrial do Carvão Mineral é apresentada no Ministério de Minas e Energia
    [5] => 
    [autor] => 
    [6] => O deputado federal Afonso Hamm (PP-RS), que preside a Frente Parlamentar do Carvão Mineral, esteve nesta terça-feira, no Ministério de Minas e Energia. O parlamentar esteve reunido com o secretário executivo adjunto do Ministério, Francisco Romário Wojcicki e chefe de gabinete, Jarbas Matos. Também estava presente o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan.
    [resumo] => O deputado federal Afonso Hamm (PP-RS), que preside a Frente Parlamentar do Carvão Mineral, esteve nesta terça-feira, no Ministério de Minas e Energia. O parlamentar esteve reunido com o secretário executivo adjunto do Ministério, Francisco Romário Wojcicki e chefe de gabinete, Jarbas Matos. Também estava presente o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan.
    [7] => 

O deputado federal Afonso Hamm (PP-RS), que preside a Frente Parlamentar do Carvão Mineral, esteve nesta terça-feira, no Ministério de Minas e Energia. O parlamentar esteve reunido com o secretário executivo adjunto do Ministério, Francisco Romário Wojcicki e chefe de gabinete, Jarbas Matos. Também estava presente o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan.

No final do encontro, as lideranças foram recebidas pelo Ministro, Édison Lobão. O encontro teve por objetivo apresentar a política industrial para o carvão mineral na geração de energia, com enfoque para diversificação (como o polo carboquímico) e a modernização das usinas, entre elas: a de Charqueadas e a fase A, de Candiota. Com esse projeto, o setor pretende modernizar a estrutura das usinas termelétricas e assim, aumentar a capacidade de geração de energia.

A necessidade de regularizar o fluxo de pagamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) também foi argumentada por Hamm, tendo em vista que está em atraso desde o mês de abril.

O leilão de energia A-5, previsto para o dia 12 de setembro, também foi pauta da reunião. O setor totalizou na inscrição de quatro propostas Tractebel, UTE Pampa Sul (340 mw); Usina do Seival (600 mw), ambas em Candiota; CTSUl, em Cachoeira do Sul (600 mw) e Usitesc, em Santa Catarina, na região de Criciúma (300 mw). Após a inscrição, os projetos estão em processo de habilitação junto à Empresa de Pesquisa Energética (EPE). “Trata-se de importante conquista para geração de energia utilizando as térmicas a carvão mineral“, sintetiza.

Hamm e Zancan também comentaram sobre o cálculo do Índice de Custo Benefício (ICB) que será utilizado para a ordenação econômica de empreendimentos de geração termelétrica e, consequentemente, como critério de contratação do leilão de energia. “Estamos trabalhando por preço adequado e competitivo e assim, termos milhares de empregos e geração de energia segura“, sintetiza.

Em relação às perspectivas do leilão, ainda reivindicaram uma reunião da equipe técnica do Ministério para que os empreendimentos inscritos apresentem as propostas.

[conteudo] =>

O deputado federal Afonso Hamm (PP-RS), que preside a Frente Parlamentar do Carvão Mineral, esteve nesta terça-feira, no Ministério de Minas e Energia. O parlamentar esteve reunido com o secretário executivo adjunto do Ministério, Francisco Romário Wojcicki e chefe de gabinete, Jarbas Matos. Também estava presente o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan.

No final do encontro, as lideranças foram recebidas pelo Ministro, Édison Lobão. O encontro teve por objetivo apresentar a política industrial para o carvão mineral na geração de energia, com enfoque para diversificação (como o polo carboquímico) e a modernização das usinas, entre elas: a de Charqueadas e a fase A, de Candiota. Com esse projeto, o setor pretende modernizar a estrutura das usinas termelétricas e assim, aumentar a capacidade de geração de energia.

A necessidade de regularizar o fluxo de pagamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) também foi argumentada por Hamm, tendo em vista que está em atraso desde o mês de abril.

O leilão de energia A-5, previsto para o dia 12 de setembro, também foi pauta da reunião. O setor totalizou na inscrição de quatro propostas Tractebel, UTE Pampa Sul (340 mw); Usina do Seival (600 mw), ambas em Candiota; CTSUl, em Cachoeira do Sul (600 mw) e Usitesc, em Santa Catarina, na região de Criciúma (300 mw). Após a inscrição, os projetos estão em processo de habilitação junto à Empresa de Pesquisa Energética (EPE). “Trata-se de importante conquista para geração de energia utilizando as térmicas a carvão mineral“, sintetiza.

Hamm e Zancan também comentaram sobre o cálculo do Índice de Custo Benefício (ICB) que será utilizado para a ordenação econômica de empreendimentos de geração termelétrica e, consequentemente, como critério de contratação do leilão de energia. “Estamos trabalhando por preço adequado e competitivo e assim, termos milhares de empregos e geração de energia segura“, sintetiza.

Em relação às perspectivas do leilão, ainda reivindicaram uma reunião da equipe técnica do Ministério para que os empreendimentos inscritos apresentem as propostas.

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2014-07-16 14:31:03 [dt_sistema] => 2014-07-16 14:31:03 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Política Industrial do Carvão Mineral é apresentada no Ministério de Minas e Energia

11/07/2014

O deputado federal Afonso Hamm (PP-RS), que preside a Frente Parlamentar do Carvão Mineral, esteve nesta terça-feira, no Ministério de Minas e Energia. O parlamentar esteve reunido com o secretário executivo adjunto do Ministério, Francisco Romário Wojcicki e chefe de gabinete, Jarbas Matos. Também estava presente o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan.

No final do encontro, as lideranças foram recebidas pelo Ministro, Édison Lobão. O encontro teve por objetivo apresentar a política industrial para o carvão mineral na geração de energia, com enfoque para diversificação (como o polo carboquímico) e a modernização das usinas, entre elas: a de Charqueadas e a fase A, de Candiota. Com esse projeto, o setor pretende modernizar a estrutura das usinas termelétricas e assim, aumentar a capacidade de geração de energia.

A necessidade de regularizar o fluxo de pagamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) também foi argumentada por Hamm, tendo em vista que está em atraso desde o mês de abril.

O leilão de energia A-5, previsto para o dia 12 de setembro, também foi pauta da reunião. O setor totalizou na inscrição de quatro propostas Tractebel, UTE Pampa Sul (340 mw); Usina do Seival (600 mw), ambas em Candiota; CTSUl, em Cachoeira do Sul (600 mw) e Usitesc, em Santa Catarina, na região de Criciúma (300 mw). Após a inscrição, os projetos estão em processo de habilitação junto à Empresa de Pesquisa Energética (EPE). “Trata-se de importante conquista para geração de energia utilizando as térmicas a carvão mineral“, sintetiza.

Hamm e Zancan também comentaram sobre o cálculo do Índice de Custo Benefício (ICB) que será utilizado para a ordenação econômica de empreendimentos de geração termelétrica e, consequentemente, como critério de contratação do leilão de energia. “Estamos trabalhando por preço adequado e competitivo e assim, termos milhares de empregos e geração de energia segura“, sintetiza.

Em relação às perspectivas do leilão, ainda reivindicaram uma reunião da equipe técnica do Ministério para que os empreendimentos inscritos apresentem as propostas.

    Somos associados

     

  • CIAB
  • epe
  • World Coal Association
  • Global CCS Institute

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351