Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 348
    [i_conteudo] => 348
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2014-07-03
    [dt_conteudo] => 2014-07-03
    [4] => Brasil investe em usinas nucleares
    [titulo] => Brasil investe em usinas nucleares
    [5] => 
    [autor] => 
    [6] => O país deve inaugurar Angra 3 em 2018 e planeja outras quatro centrais para 2030
    [resumo] => O país deve inaugurar Angra 3 em 2018 e planeja outras quatro centrais para 2030
    [7] => 

Até a década de 1980, a energia nuclear conquistava governos de parte do mundo, principalmente nas regiões sem recursos hídricos, como França e Japão. Em razão dos consecutivos acidentes nucleares (Chernobyl e Fukushima), essa matriz tem perdido espaço no mercado internacional. De acordo com a Associação Nuclear Mundial (WNA), 11% da eletricidade consumida no planeta vêm de usinas que transformam as reações atômicas em energia. O modelo corresponde a uma pequena parcela da produção brasileira. Apenas 1,4% da energia nacional é proveniente dessa fonte. No que depender do atual governo, isso tende a mudar em um futuro bem próximo. Durante o 5º Seminário Internacional de Energia Nuclear, realizado em maio, no Rio de Janeiro, o secretário de Planejamento e Desenvolvimento do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura, informou que o país deverá investir em energia nuclear, gás natural e carvão mineral.

Atualmente o Brasil possui duas usinas desse tipo em funcionamento, Angra 1 e Angra 2. Juntas, têm capacidade para produzir, aproximadamente, 2 mil megawatts de energia. O país já prevê a inauguração de Angra 3 para 2018, com mais 1.245 megawatts de capacidade instalada, e mais quatro usinas para 2030.

Esse modelo de energia não é considerado renovável ou limpo, mesmo que não emita gases de efeito estufa. Os perigos da produção nuclear estão diretamente ligados à radiação e à dificuldade em descartar os resíduos tóxicos. Por outro lado, ela é considerada muito eficiente por gerar grande quantidade energia com pouco combustível, ou seja, seu rendimento é maior se comparada às opções sustentáveis, como a energia eólica e solar.

Como é produzida a energia nuclear?

Existem duas formas de produzir essa energia: a fissão nuclear e a fusão nuclear. No primeiro caso, o núcleo do átomo é dividido em diversas partículas por meio de uma reação em cadeia. Na fusão, dois ou mais núcleos se unem para produzir um terceiro elemento. As usinas nucleares operam com o sistema de fissão. Os reatores de fusão nuclear ainda não viáveis economicamente.

O urânio é o elemento químico utilizado para a produção do combustível nuclear. Ele é enriquecido e transformado em pastilhas de alto potencial energético. Dentro do reator, esse material é inserido em varetas que aquecem a água e a transforma em vapor, que é pressurizado e movimenta uma turbina que aciona um gerador elétrico. O vapor restante vai para um condensador e é resfriado pela água do mar.

Tragédias

Usinas nucleares exigem altos níveis de segurança. Mesmo com sistemas eficientes, há registros de acidentes graves envolvendo estruturas desse tipo. Em 1986, a explosão do reator da usina de Chernobyl, na Ucrânia, causou a maior contaminação nuclear que se tem notícia. A nuvem radioativa chegou até os países centrais da Europa. Um dos mais recentes e impactantes ocorreu no Japão, em 2011. Após um terremoto de grande intensidade, dois reatores da usina nuclear de Fukushima sofreram explosões que contaminaram a costa leste do país.

Por causa do acidente, altos níveis de radiação chegaram ao oceano Pacífico e as consequências até hoje são imensuráveis. A estimativa feita em 2012 por pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, é de que ao menos 2,5 mil casos de câncer sejam ocasionados por esta radiação. Depois das explosões, 160 mil pessoas que moravam nas proximidades da usina foram retiradas de suas residências e uma área de 132 km² se tornou inabitável por décadas.

No final de 2013, pesquisadores identificaram elementos radioativos em peixes pescados na costa da Califórnia, Estados Unidos. Na ocasião, o diretor de medicina e radiação da Universidade de Georgetown, Timothy J. Jorgensen, informou que isso poderia ter relação com o acidente japonês. Dos 50 peixes analisados, 33 apresentaram elementos radioativos em seus organismos.

Brasil nada contra a maré

Enquanto o governo brasileiro pretende expandir a produção nuclear, alguns dos maiores produtores mundiais têm fechado suas usinas. O desastre japonês fez muitas autoridades reverem seus projetos e estabelecerem novas metas. A Alemanha é um dos principais exemplos. O país anunciou, no último ano, o fechamento de algumas centrais (ao todo, o país tem 22) e pretende terminar com a produção nuclear até 2022. Para suprir a demanda nacional, os alemães investirão em energia renovável e expandir o setor em 23%.

A Bélgica quer fechar suas usinas atômicas já em 2015 e a Suíça tem como meta encerrar a atividade de sua centrais em 2034. A segurança social e ambiental é o principal motivo para estas decisões, que também foram motivadas por cobranças da população e protestos de organizações ambientalistas.

Solução para o lixo nuclear

Entre os projetos de inovação e tecnologia que recebem investimentos do bilionário norte-americano Bill Gates está um sistema será capaz de transformar os resíduos nucleares em energia. A alternativa ainda está em estudos, mas pode ser uma solução para uns dos maiores problemas deste tipo de produção. O projeto foi anunciado por Gates em 2013 e, segundo ele, deve ajudar a gerar energia limpa para os EUA pelos próximos 800 anos. A estimativa é de que esteja em funcionamento apenas em 2030.

[conteudo] =>

Até a década de 1980, a energia nuclear conquistava governos de parte do mundo, principalmente nas regiões sem recursos hídricos, como França e Japão. Em razão dos consecutivos acidentes nucleares (Chernobyl e Fukushima), essa matriz tem perdido espaço no mercado internacional. De acordo com a Associação Nuclear Mundial (WNA), 11% da eletricidade consumida no planeta vêm de usinas que transformam as reações atômicas em energia. O modelo corresponde a uma pequena parcela da produção brasileira. Apenas 1,4% da energia nacional é proveniente dessa fonte. No que depender do atual governo, isso tende a mudar em um futuro bem próximo. Durante o 5º Seminário Internacional de Energia Nuclear, realizado em maio, no Rio de Janeiro, o secretário de Planejamento e Desenvolvimento do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura, informou que o país deverá investir em energia nuclear, gás natural e carvão mineral.

Atualmente o Brasil possui duas usinas desse tipo em funcionamento, Angra 1 e Angra 2. Juntas, têm capacidade para produzir, aproximadamente, 2 mil megawatts de energia. O país já prevê a inauguração de Angra 3 para 2018, com mais 1.245 megawatts de capacidade instalada, e mais quatro usinas para 2030.

Esse modelo de energia não é considerado renovável ou limpo, mesmo que não emita gases de efeito estufa. Os perigos da produção nuclear estão diretamente ligados à radiação e à dificuldade em descartar os resíduos tóxicos. Por outro lado, ela é considerada muito eficiente por gerar grande quantidade energia com pouco combustível, ou seja, seu rendimento é maior se comparada às opções sustentáveis, como a energia eólica e solar.

Como é produzida a energia nuclear?

Existem duas formas de produzir essa energia: a fissão nuclear e a fusão nuclear. No primeiro caso, o núcleo do átomo é dividido em diversas partículas por meio de uma reação em cadeia. Na fusão, dois ou mais núcleos se unem para produzir um terceiro elemento. As usinas nucleares operam com o sistema de fissão. Os reatores de fusão nuclear ainda não viáveis economicamente.

O urânio é o elemento químico utilizado para a produção do combustível nuclear. Ele é enriquecido e transformado em pastilhas de alto potencial energético. Dentro do reator, esse material é inserido em varetas que aquecem a água e a transforma em vapor, que é pressurizado e movimenta uma turbina que aciona um gerador elétrico. O vapor restante vai para um condensador e é resfriado pela água do mar.

Tragédias

Usinas nucleares exigem altos níveis de segurança. Mesmo com sistemas eficientes, há registros de acidentes graves envolvendo estruturas desse tipo. Em 1986, a explosão do reator da usina de Chernobyl, na Ucrânia, causou a maior contaminação nuclear que se tem notícia. A nuvem radioativa chegou até os países centrais da Europa. Um dos mais recentes e impactantes ocorreu no Japão, em 2011. Após um terremoto de grande intensidade, dois reatores da usina nuclear de Fukushima sofreram explosões que contaminaram a costa leste do país.

Por causa do acidente, altos níveis de radiação chegaram ao oceano Pacífico e as consequências até hoje são imensuráveis. A estimativa feita em 2012 por pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, é de que ao menos 2,5 mil casos de câncer sejam ocasionados por esta radiação. Depois das explosões, 160 mil pessoas que moravam nas proximidades da usina foram retiradas de suas residências e uma área de 132 km² se tornou inabitável por décadas.

No final de 2013, pesquisadores identificaram elementos radioativos em peixes pescados na costa da Califórnia, Estados Unidos. Na ocasião, o diretor de medicina e radiação da Universidade de Georgetown, Timothy J. Jorgensen, informou que isso poderia ter relação com o acidente japonês. Dos 50 peixes analisados, 33 apresentaram elementos radioativos em seus organismos.

Brasil nada contra a maré

Enquanto o governo brasileiro pretende expandir a produção nuclear, alguns dos maiores produtores mundiais têm fechado suas usinas. O desastre japonês fez muitas autoridades reverem seus projetos e estabelecerem novas metas. A Alemanha é um dos principais exemplos. O país anunciou, no último ano, o fechamento de algumas centrais (ao todo, o país tem 22) e pretende terminar com a produção nuclear até 2022. Para suprir a demanda nacional, os alemães investirão em energia renovável e expandir o setor em 23%.

A Bélgica quer fechar suas usinas atômicas já em 2015 e a Suíça tem como meta encerrar a atividade de sua centrais em 2034. A segurança social e ambiental é o principal motivo para estas decisões, que também foram motivadas por cobranças da população e protestos de organizações ambientalistas.

Solução para o lixo nuclear

Entre os projetos de inovação e tecnologia que recebem investimentos do bilionário norte-americano Bill Gates está um sistema será capaz de transformar os resíduos nucleares em energia. A alternativa ainda está em estudos, mas pode ser uma solução para uns dos maiores problemas deste tipo de produção. O projeto foi anunciado por Gates em 2013 e, segundo ele, deve ajudar a gerar energia limpa para os EUA pelos próximos 800 anos. A estimativa é de que esteja em funcionamento apenas em 2030.

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2014-07-03 10:36:43 [dt_sistema] => 2014-07-03 10:36:43 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Brasil investe em usinas nucleares

03/07/2014

Até a década de 1980, a energia nuclear conquistava governos de parte do mundo, principalmente nas regiões sem recursos hídricos, como França e Japão. Em razão dos consecutivos acidentes nucleares (Chernobyl e Fukushima), essa matriz tem perdido espaço no mercado internacional. De acordo com a Associação Nuclear Mundial (WNA), 11% da eletricidade consumida no planeta vêm de usinas que transformam as reações atômicas em energia. O modelo corresponde a uma pequena parcela da produção brasileira. Apenas 1,4% da energia nacional é proveniente dessa fonte. No que depender do atual governo, isso tende a mudar em um futuro bem próximo. Durante o 5º Seminário Internacional de Energia Nuclear, realizado em maio, no Rio de Janeiro, o secretário de Planejamento e Desenvolvimento do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura, informou que o país deverá investir em energia nuclear, gás natural e carvão mineral.

Atualmente o Brasil possui duas usinas desse tipo em funcionamento, Angra 1 e Angra 2. Juntas, têm capacidade para produzir, aproximadamente, 2 mil megawatts de energia. O país já prevê a inauguração de Angra 3 para 2018, com mais 1.245 megawatts de capacidade instalada, e mais quatro usinas para 2030.

Esse modelo de energia não é considerado renovável ou limpo, mesmo que não emita gases de efeito estufa. Os perigos da produção nuclear estão diretamente ligados à radiação e à dificuldade em descartar os resíduos tóxicos. Por outro lado, ela é considerada muito eficiente por gerar grande quantidade energia com pouco combustível, ou seja, seu rendimento é maior se comparada às opções sustentáveis, como a energia eólica e solar.

Como é produzida a energia nuclear?

Existem duas formas de produzir essa energia: a fissão nuclear e a fusão nuclear. No primeiro caso, o núcleo do átomo é dividido em diversas partículas por meio de uma reação em cadeia. Na fusão, dois ou mais núcleos se unem para produzir um terceiro elemento. As usinas nucleares operam com o sistema de fissão. Os reatores de fusão nuclear ainda não viáveis economicamente.

O urânio é o elemento químico utilizado para a produção do combustível nuclear. Ele é enriquecido e transformado em pastilhas de alto potencial energético. Dentro do reator, esse material é inserido em varetas que aquecem a água e a transforma em vapor, que é pressurizado e movimenta uma turbina que aciona um gerador elétrico. O vapor restante vai para um condensador e é resfriado pela água do mar.

Tragédias

Usinas nucleares exigem altos níveis de segurança. Mesmo com sistemas eficientes, há registros de acidentes graves envolvendo estruturas desse tipo. Em 1986, a explosão do reator da usina de Chernobyl, na Ucrânia, causou a maior contaminação nuclear que se tem notícia. A nuvem radioativa chegou até os países centrais da Europa. Um dos mais recentes e impactantes ocorreu no Japão, em 2011. Após um terremoto de grande intensidade, dois reatores da usina nuclear de Fukushima sofreram explosões que contaminaram a costa leste do país.

Por causa do acidente, altos níveis de radiação chegaram ao oceano Pacífico e as consequências até hoje são imensuráveis. A estimativa feita em 2012 por pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, é de que ao menos 2,5 mil casos de câncer sejam ocasionados por esta radiação. Depois das explosões, 160 mil pessoas que moravam nas proximidades da usina foram retiradas de suas residências e uma área de 132 km² se tornou inabitável por décadas.

No final de 2013, pesquisadores identificaram elementos radioativos em peixes pescados na costa da Califórnia, Estados Unidos. Na ocasião, o diretor de medicina e radiação da Universidade de Georgetown, Timothy J. Jorgensen, informou que isso poderia ter relação com o acidente japonês. Dos 50 peixes analisados, 33 apresentaram elementos radioativos em seus organismos.

Brasil nada contra a maré

Enquanto o governo brasileiro pretende expandir a produção nuclear, alguns dos maiores produtores mundiais têm fechado suas usinas. O desastre japonês fez muitas autoridades reverem seus projetos e estabelecerem novas metas. A Alemanha é um dos principais exemplos. O país anunciou, no último ano, o fechamento de algumas centrais (ao todo, o país tem 22) e pretende terminar com a produção nuclear até 2022. Para suprir a demanda nacional, os alemães investirão em energia renovável e expandir o setor em 23%.

A Bélgica quer fechar suas usinas atômicas já em 2015 e a Suíça tem como meta encerrar a atividade de sua centrais em 2034. A segurança social e ambiental é o principal motivo para estas decisões, que também foram motivadas por cobranças da população e protestos de organizações ambientalistas.

Solução para o lixo nuclear

Entre os projetos de inovação e tecnologia que recebem investimentos do bilionário norte-americano Bill Gates está um sistema será capaz de transformar os resíduos nucleares em energia. A alternativa ainda está em estudos, mas pode ser uma solução para uns dos maiores problemas deste tipo de produção. O projeto foi anunciado por Gates em 2013 e, segundo ele, deve ajudar a gerar energia limpa para os EUA pelos próximos 800 anos. A estimativa é de que esteja em funcionamento apenas em 2030.

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351