Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 338
    [i_conteudo] => 338
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2014-06-06
    [dt_conteudo] => 2014-06-06
    [4] => TransGas e governo federal marcam reunião em Brasília para discutir projeto de fábrica de fertilizantes
    [titulo] => TransGas e governo federal marcam reunião em Brasília para discutir projeto de fábrica de fertilizantes
    [5] => diariocatarinense.clicrbs.economia 
    [autor] => diariocatarinense.clicrbs.economia 
    [6] => Futuros investimentos no Sul de Santa Catarina também estiveram na pauta da visita da presidente Dilma ao Estado nesta sexta-feira. 
    [resumo] => Futuros investimentos no Sul de Santa Catarina também estiveram na pauta da visita da presidente Dilma ao Estado nesta sexta-feira. 
    [7] => 

Futuros investimentos no Sul de Santa Catarina também estiveram na pauta da visita da presidente Dilma ao Estado nesta sexta-feira. Ela aproveitou a viagem e se reuniu com Adam Harris Victor, presidente da TransGas, empresa norte-americana que pretende investir US$ 2,7 bilhões em uma fábrica de fertilizantes na região carbonífera catarinense. A partir desse encontro, as negociações avançaram e novas reuniões estão marcadas para a próxima terça-feira com o governo federal, em Brasília. 

Os próximos passos, segundo Victor, incluem a identificação da fonte ideal do carvão mineral e da localização da planta.

-Tão importante quanto essas etapas, é o prosseguimento e conclusão das negociações com parceiros estratégicos para acordos de aquisição dos produtos da planta - explica.

O presidente da empresa americana também garantiu que o encontro não teve como objetivo a solicitação de financiamento público para o projeto. 

- Nós não solicitamos recursos financeiros do governo federal. Estamos planejando trabalhar na modalidade "project finance", através do qual o projeto se torna autofinanciável pela existência de compradores fixos dos produtos da planta.

Fernando Luiz Zancan, presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), conversou com a presidente Dilma e afirma que ela "demonstrou bastante interesse pelo projeto". Zancan conta que entregou ainda uma proposta de política industrial de carvão mineral e que também estará presente na reunião de terça-feira em Brasília, com o secretário-executivo de Minas e Energia, Márcio Zimmermann.

- Nós iremos pedir o decreto de lei que regulamenta o regime especial de fertilizantes para ajudar no processo de construção da fábrica.

O presidente da TransGas afirmou estar "feliz com a visão estratégica e a postura extremamente profissional do governo estadual e do governo federal" no Brasil. Para ele, esses fatores são essenciais e incentivam o investimento em Santa Catarina, local do primeiro projeto da empresa no país. O investimento de US$ 2,7 bilhões na fábrica de gaseificação de carvão mineral para produção de fertilizante irá representar o maior investimento privado já realizado em SC.

A previsão é de que a unidade tenha capacidade de produção de 3,5 mil toneladas de ureia, 2,5 mil de nitrato de amônia e 28 toneladas de enxofre por dia, além de consumir 4 mil toneladas de carvão. O início da construção da planta ainda não tem data definida.

[conteudo] =>

Futuros investimentos no Sul de Santa Catarina também estiveram na pauta da visita da presidente Dilma ao Estado nesta sexta-feira. Ela aproveitou a viagem e se reuniu com Adam Harris Victor, presidente da TransGas, empresa norte-americana que pretende investir US$ 2,7 bilhões em uma fábrica de fertilizantes na região carbonífera catarinense. A partir desse encontro, as negociações avançaram e novas reuniões estão marcadas para a próxima terça-feira com o governo federal, em Brasília. 

Os próximos passos, segundo Victor, incluem a identificação da fonte ideal do carvão mineral e da localização da planta.

-Tão importante quanto essas etapas, é o prosseguimento e conclusão das negociações com parceiros estratégicos para acordos de aquisição dos produtos da planta - explica.

O presidente da empresa americana também garantiu que o encontro não teve como objetivo a solicitação de financiamento público para o projeto. 

- Nós não solicitamos recursos financeiros do governo federal. Estamos planejando trabalhar na modalidade "project finance", através do qual o projeto se torna autofinanciável pela existência de compradores fixos dos produtos da planta.

Fernando Luiz Zancan, presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), conversou com a presidente Dilma e afirma que ela "demonstrou bastante interesse pelo projeto". Zancan conta que entregou ainda uma proposta de política industrial de carvão mineral e que também estará presente na reunião de terça-feira em Brasília, com o secretário-executivo de Minas e Energia, Márcio Zimmermann.

- Nós iremos pedir o decreto de lei que regulamenta o regime especial de fertilizantes para ajudar no processo de construção da fábrica.

O presidente da TransGas afirmou estar "feliz com a visão estratégica e a postura extremamente profissional do governo estadual e do governo federal" no Brasil. Para ele, esses fatores são essenciais e incentivam o investimento em Santa Catarina, local do primeiro projeto da empresa no país. O investimento de US$ 2,7 bilhões na fábrica de gaseificação de carvão mineral para produção de fertilizante irá representar o maior investimento privado já realizado em SC.

A previsão é de que a unidade tenha capacidade de produção de 3,5 mil toneladas de ureia, 2,5 mil de nitrato de amônia e 28 toneladas de enxofre por dia, além de consumir 4 mil toneladas de carvão. O início da construção da planta ainda não tem data definida.

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2014-06-10 14:31:05 [dt_sistema] => 2014-06-10 14:31:05 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

TransGas e governo federal marcam reunião em Brasília para discutir projeto de fábrica de fertilizantes

06/06/2014

diariocatarinense.clicrbs.economia

Futuros investimentos no Sul de Santa Catarina também estiveram na pauta da visita da presidente Dilma ao Estado nesta sexta-feira. Ela aproveitou a viagem e se reuniu com Adam Harris Victor, presidente da TransGas, empresa norte-americana que pretende investir US$ 2,7 bilhões em uma fábrica de fertilizantes na região carbonífera catarinense. A partir desse encontro, as negociações avançaram e novas reuniões estão marcadas para a próxima terça-feira com o governo federal, em Brasília. 

Os próximos passos, segundo Victor, incluem a identificação da fonte ideal do carvão mineral e da localização da planta.

-Tão importante quanto essas etapas, é o prosseguimento e conclusão das negociações com parceiros estratégicos para acordos de aquisição dos produtos da planta - explica.

O presidente da empresa americana também garantiu que o encontro não teve como objetivo a solicitação de financiamento público para o projeto. 

- Nós não solicitamos recursos financeiros do governo federal. Estamos planejando trabalhar na modalidade "project finance", através do qual o projeto se torna autofinanciável pela existência de compradores fixos dos produtos da planta.

Fernando Luiz Zancan, presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), conversou com a presidente Dilma e afirma que ela "demonstrou bastante interesse pelo projeto". Zancan conta que entregou ainda uma proposta de política industrial de carvão mineral e que também estará presente na reunião de terça-feira em Brasília, com o secretário-executivo de Minas e Energia, Márcio Zimmermann.

- Nós iremos pedir o decreto de lei que regulamenta o regime especial de fertilizantes para ajudar no processo de construção da fábrica.

O presidente da TransGas afirmou estar "feliz com a visão estratégica e a postura extremamente profissional do governo estadual e do governo federal" no Brasil. Para ele, esses fatores são essenciais e incentivam o investimento em Santa Catarina, local do primeiro projeto da empresa no país. O investimento de US$ 2,7 bilhões na fábrica de gaseificação de carvão mineral para produção de fertilizante irá representar o maior investimento privado já realizado em SC.

A previsão é de que a unidade tenha capacidade de produção de 3,5 mil toneladas de ureia, 2,5 mil de nitrato de amônia e 28 toneladas de enxofre por dia, além de consumir 4 mil toneladas de carvão. O início da construção da planta ainda não tem data definida.

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351