Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 329
    [i_conteudo] => 329
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2014-05-21
    [dt_conteudo] => 2014-05-21
    [4] => Governador negocia vinda de fábrica de fertilizantes para o Sul
    [titulo] => Governador negocia vinda de fábrica de fertilizantes para o Sul
    [5] => Bruna Borges / A Tribuna
    [autor] => Bruna Borges / A Tribuna
    [6] => O governador do Estado de Santa Catarina, Raimundo Colombo, e o vice, Eduardo Moreira, viajam na próxima semana para os Estados Unidos para avançar as negociações com a empresa que poderá instalar no Sul uma empresa de fertilizantes. 
    [resumo] => O governador do Estado de Santa Catarina, Raimundo Colombo, e o vice, Eduardo Moreira, viajam na próxima semana para os Estados Unidos para avançar as negociações com a empresa que poderá instalar no Sul uma empresa de fertilizantes. 
    [7] => 

O governador do Estado de Santa Catarina, Raimundo Colombo, e o vice, Eduardo Moreira, viajam na próxima semana para os Estados Unidos para avançar as negociações com a empresa que poderá instalar no Sul uma empresa de fertilizantes. De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, para que chegue ao produto final a empresa deverá utilizar em um dos seus processos o carvão mineral. “A fabricação da ureia e da amônia é feita a partir do gás natural, mas existe também a possibilidade de gaseificar o carvão mineral e desse gás se fabricar a ureia e a amônia. O problema é que agora o preço do gás natural está muito alto e por isso é mais barato a gaseificação do carvão”, explica Zancan. 

Ele comenta que nessa viagem o governador deverá começar a tratar de detalhes para o início da confecção do projeto da instalação da empresa. “O governador vai para os Estados Unidos para falar com os empresários e começar a discutir o projeto. O Estado vai ter que criar um grupo para a construção desse projeto. É um longo processo, mas o Governo está empenhado para começar a delinear as ações que serão feitas”, declara o presidente da ABCM. 

A cidade onde a fábrica ficará sediada, caso saia do papel, ainda não foi definida, mas Zancan comenta que terá que ser um local de fácil acesso e provavelmente próximo à ferrovia. 

Investimento de US$ 2,7 bilhões 

Mesmo no início das negociações, o projeto da fábrica de fertilizantes já tem uma previsão de investimento no valor de US$ 2,7 bilhões e, segundo Zancan, será um projeto nunca visto no Sul. “O Estado já trouxe a BMW, mas essa fábrica será equivalente a 14 fábricas da BMW”, destaca. Porém, a data em que esse projeto se tornará realidade ainda não é sequer cogitado. “Depende de muitos fatores, negociações, licenciamento ambiental. O que se sabe é que após o início das construções levará 40 meses para ficar pronto”, argumenta. 

Demanda por carvão aumentará 

A região carbonífera produz hoje, de acordo com o presidente da ABCM, aproximadamente 11 mil toneladas/dia de carvão mineral. Esse montante é consumido pela termelétrica Jorge Lacerda, de Capivari de Baixo. Mas, se a fábrica de fertilizantes for instalada, a demanda pelo minério deverá aumentar. “Uma fábrica como essa precisará de quatro mil toneladas de carvão por dia. Vai ser necessário abrir mais minas. Também é preciso destacar que esse será um produto com um valor agregado muito maior”, afirma Zancan.

[conteudo] =>

O governador do Estado de Santa Catarina, Raimundo Colombo, e o vice, Eduardo Moreira, viajam na próxima semana para os Estados Unidos para avançar as negociações com a empresa que poderá instalar no Sul uma empresa de fertilizantes. De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, para que chegue ao produto final a empresa deverá utilizar em um dos seus processos o carvão mineral. “A fabricação da ureia e da amônia é feita a partir do gás natural, mas existe também a possibilidade de gaseificar o carvão mineral e desse gás se fabricar a ureia e a amônia. O problema é que agora o preço do gás natural está muito alto e por isso é mais barato a gaseificação do carvão”, explica Zancan. 

Ele comenta que nessa viagem o governador deverá começar a tratar de detalhes para o início da confecção do projeto da instalação da empresa. “O governador vai para os Estados Unidos para falar com os empresários e começar a discutir o projeto. O Estado vai ter que criar um grupo para a construção desse projeto. É um longo processo, mas o Governo está empenhado para começar a delinear as ações que serão feitas”, declara o presidente da ABCM. 

A cidade onde a fábrica ficará sediada, caso saia do papel, ainda não foi definida, mas Zancan comenta que terá que ser um local de fácil acesso e provavelmente próximo à ferrovia. 

Investimento de US$ 2,7 bilhões 

Mesmo no início das negociações, o projeto da fábrica de fertilizantes já tem uma previsão de investimento no valor de US$ 2,7 bilhões e, segundo Zancan, será um projeto nunca visto no Sul. “O Estado já trouxe a BMW, mas essa fábrica será equivalente a 14 fábricas da BMW”, destaca. Porém, a data em que esse projeto se tornará realidade ainda não é sequer cogitado. “Depende de muitos fatores, negociações, licenciamento ambiental. O que se sabe é que após o início das construções levará 40 meses para ficar pronto”, argumenta. 

Demanda por carvão aumentará 

A região carbonífera produz hoje, de acordo com o presidente da ABCM, aproximadamente 11 mil toneladas/dia de carvão mineral. Esse montante é consumido pela termelétrica Jorge Lacerda, de Capivari de Baixo. Mas, se a fábrica de fertilizantes for instalada, a demanda pelo minério deverá aumentar. “Uma fábrica como essa precisará de quatro mil toneladas de carvão por dia. Vai ser necessário abrir mais minas. Também é preciso destacar que esse será um produto com um valor agregado muito maior”, afirma Zancan.

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2014-05-27 16:48:04 [dt_sistema] => 2014-05-27 16:48:04 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Governador negocia vinda de fábrica de fertilizantes para o Sul

21/05/2014

Bruna Borges / A Tribuna

O governador do Estado de Santa Catarina, Raimundo Colombo, e o vice, Eduardo Moreira, viajam na próxima semana para os Estados Unidos para avançar as negociações com a empresa que poderá instalar no Sul uma empresa de fertilizantes. De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, para que chegue ao produto final a empresa deverá utilizar em um dos seus processos o carvão mineral. “A fabricação da ureia e da amônia é feita a partir do gás natural, mas existe também a possibilidade de gaseificar o carvão mineral e desse gás se fabricar a ureia e a amônia. O problema é que agora o preço do gás natural está muito alto e por isso é mais barato a gaseificação do carvão”, explica Zancan. 

Ele comenta que nessa viagem o governador deverá começar a tratar de detalhes para o início da confecção do projeto da instalação da empresa. “O governador vai para os Estados Unidos para falar com os empresários e começar a discutir o projeto. O Estado vai ter que criar um grupo para a construção desse projeto. É um longo processo, mas o Governo está empenhado para começar a delinear as ações que serão feitas”, declara o presidente da ABCM. 

A cidade onde a fábrica ficará sediada, caso saia do papel, ainda não foi definida, mas Zancan comenta que terá que ser um local de fácil acesso e provavelmente próximo à ferrovia. 

Investimento de US$ 2,7 bilhões 

Mesmo no início das negociações, o projeto da fábrica de fertilizantes já tem uma previsão de investimento no valor de US$ 2,7 bilhões e, segundo Zancan, será um projeto nunca visto no Sul. “O Estado já trouxe a BMW, mas essa fábrica será equivalente a 14 fábricas da BMW”, destaca. Porém, a data em que esse projeto se tornará realidade ainda não é sequer cogitado. “Depende de muitos fatores, negociações, licenciamento ambiental. O que se sabe é que após o início das construções levará 40 meses para ficar pronto”, argumenta. 

Demanda por carvão aumentará 

A região carbonífera produz hoje, de acordo com o presidente da ABCM, aproximadamente 11 mil toneladas/dia de carvão mineral. Esse montante é consumido pela termelétrica Jorge Lacerda, de Capivari de Baixo. Mas, se a fábrica de fertilizantes for instalada, a demanda pelo minério deverá aumentar. “Uma fábrica como essa precisará de quatro mil toneladas de carvão por dia. Vai ser necessário abrir mais minas. Também é preciso destacar que esse será um produto com um valor agregado muito maior”, afirma Zancan.

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351