Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 316
    [i_conteudo] => 316
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2014-04-29
    [dt_conteudo] => 2014-04-29
    [4] => Zancan participa de agenda internacional com o objetivo de desenvolver a indústria do carvão nacional
    [titulo] => Zancan participa de agenda internacional com o objetivo de desenvolver a indústria do carvão nacional
    [5] => 
    [autor] => 
    [6] => O presidente da ABCM, Fernando Zancan, participou do seminário sobre os denominados carvões de baixo Rank a convite do Governo da Província de Victoria, na Austrália. O carvão classificado como Low Rank Coal representa 50% do carvão mundial.
    [resumo] => O presidente da ABCM, Fernando Zancan, participou do seminário sobre os denominados carvões de baixo Rank a convite do Governo da Província de Victoria, na Austrália. O carvão classificado como Low Rank Coal representa 50% do carvão mundial.
    [7] => 

O presidente da ABCM, Fernando Zancan, participou do seminário sobre os denominados carvões de baixo Rank a convite do Governo da Província de Victoria, na Austrália. O carvão classificado como Low Rank Coal representa 50% do carvão mundial.

Zancan, na qualidade de palestrante, abordou o desenvolvimento da indústria de carvão no Brasil, suas perspectivas, desafios e oportunidades. O seminário contou com a presença de participantes de 23 países e representes dos principais produtores de carvão do mundo. 
A província de Victoria onde está Melbourne, uma cidade de 4 milhões de habitantes, tem no carvão a base de sua energia com 90% de carvão e pretende desenvolver os seus depósitos agregando valor via produtos oriundos da carboquímica. A universidade de Monash, em Victoria, mantém contato sobre programas de P&D com a SATC.

Após o seminário, Zancan viaja rumo à Nova York, onde encontrará a missão de Santa Catarina, que tem encontros agendados com a empresa Transgás, nos dias primeiro e 02 de maio, visando discutir a implantação de um projeto de carboquímica em Santa Catarina.
O governo do Estado irá conhecer o projeto que a Tansgás está implantando em West Virginia, nos Estados Unidos e apresentará as questões de infraestrutura, incentivos e atrativos para que um projeto deste porte possa se desenvolver no Brasil. Trata-se de investimentos superiores a um bilhão de dólares.

Na reunião haverá um contato com a empresa Marsulex, que desenvolve projetos de dessulfurizarão de carvão com a injeção de amônia (produto que poderia ser produzido na carboquímica) produzindo sulfato de amônio que é empregado na indústria de fertilizantes.
O evento será realizado em dois dias e contatará com presença de empresas que detém a tecnologia de gasificação de carvão, de carboquímica e de parceiros de negócio necessário para a implantação do projeto.

“Devemos lembrar que Santa Catariana e o Rio Grande do Sul estão sem gás para disponibilizar para a indústria e que a gasificação de carvão, com a tecnologia correta é competitiva com o gás GNL importado, portanto a instalação de projetos de gasificação, a exemplo que a China vem fazendo na produção de gás sintético, pode ser uma alternativa a falta de gás natural para a região sul”, explicou Zancan. 

A ABCM está discutindo com sua frente parlamentar a apresentação de um projeto de lei visando estruturar uma política que permita viabilizar empreendimentos desta natureza.

[conteudo] =>

O presidente da ABCM, Fernando Zancan, participou do seminário sobre os denominados carvões de baixo Rank a convite do Governo da Província de Victoria, na Austrália. O carvão classificado como Low Rank Coal representa 50% do carvão mundial.

Zancan, na qualidade de palestrante, abordou o desenvolvimento da indústria de carvão no Brasil, suas perspectivas, desafios e oportunidades. O seminário contou com a presença de participantes de 23 países e representes dos principais produtores de carvão do mundo. 
A província de Victoria onde está Melbourne, uma cidade de 4 milhões de habitantes, tem no carvão a base de sua energia com 90% de carvão e pretende desenvolver os seus depósitos agregando valor via produtos oriundos da carboquímica. A universidade de Monash, em Victoria, mantém contato sobre programas de P&D com a SATC.

Após o seminário, Zancan viaja rumo à Nova York, onde encontrará a missão de Santa Catarina, que tem encontros agendados com a empresa Transgás, nos dias primeiro e 02 de maio, visando discutir a implantação de um projeto de carboquímica em Santa Catarina.
O governo do Estado irá conhecer o projeto que a Tansgás está implantando em West Virginia, nos Estados Unidos e apresentará as questões de infraestrutura, incentivos e atrativos para que um projeto deste porte possa se desenvolver no Brasil. Trata-se de investimentos superiores a um bilhão de dólares.

Na reunião haverá um contato com a empresa Marsulex, que desenvolve projetos de dessulfurizarão de carvão com a injeção de amônia (produto que poderia ser produzido na carboquímica) produzindo sulfato de amônio que é empregado na indústria de fertilizantes.
O evento será realizado em dois dias e contatará com presença de empresas que detém a tecnologia de gasificação de carvão, de carboquímica e de parceiros de negócio necessário para a implantação do projeto.

“Devemos lembrar que Santa Catariana e o Rio Grande do Sul estão sem gás para disponibilizar para a indústria e que a gasificação de carvão, com a tecnologia correta é competitiva com o gás GNL importado, portanto a instalação de projetos de gasificação, a exemplo que a China vem fazendo na produção de gás sintético, pode ser uma alternativa a falta de gás natural para a região sul”, explicou Zancan. 

A ABCM está discutindo com sua frente parlamentar a apresentação de um projeto de lei visando estruturar uma política que permita viabilizar empreendimentos desta natureza.

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2014-04-29 15:52:51 [dt_sistema] => 2014-04-29 15:52:51 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Zancan participa de agenda internacional com o objetivo de desenvolver a indústria do carvão nacional

29/04/2014

O presidente da ABCM, Fernando Zancan, participou do seminário sobre os denominados carvões de baixo Rank a convite do Governo da Província de Victoria, na Austrália. O carvão classificado como Low Rank Coal representa 50% do carvão mundial.

Zancan, na qualidade de palestrante, abordou o desenvolvimento da indústria de carvão no Brasil, suas perspectivas, desafios e oportunidades. O seminário contou com a presença de participantes de 23 países e representes dos principais produtores de carvão do mundo. 
A província de Victoria onde está Melbourne, uma cidade de 4 milhões de habitantes, tem no carvão a base de sua energia com 90% de carvão e pretende desenvolver os seus depósitos agregando valor via produtos oriundos da carboquímica. A universidade de Monash, em Victoria, mantém contato sobre programas de P&D com a SATC.

Após o seminário, Zancan viaja rumo à Nova York, onde encontrará a missão de Santa Catarina, que tem encontros agendados com a empresa Transgás, nos dias primeiro e 02 de maio, visando discutir a implantação de um projeto de carboquímica em Santa Catarina.
O governo do Estado irá conhecer o projeto que a Tansgás está implantando em West Virginia, nos Estados Unidos e apresentará as questões de infraestrutura, incentivos e atrativos para que um projeto deste porte possa se desenvolver no Brasil. Trata-se de investimentos superiores a um bilhão de dólares.

Na reunião haverá um contato com a empresa Marsulex, que desenvolve projetos de dessulfurizarão de carvão com a injeção de amônia (produto que poderia ser produzido na carboquímica) produzindo sulfato de amônio que é empregado na indústria de fertilizantes.
O evento será realizado em dois dias e contatará com presença de empresas que detém a tecnologia de gasificação de carvão, de carboquímica e de parceiros de negócio necessário para a implantação do projeto.

“Devemos lembrar que Santa Catariana e o Rio Grande do Sul estão sem gás para disponibilizar para a indústria e que a gasificação de carvão, com a tecnologia correta é competitiva com o gás GNL importado, portanto a instalação de projetos de gasificação, a exemplo que a China vem fazendo na produção de gás sintético, pode ser uma alternativa a falta de gás natural para a região sul”, explicou Zancan. 

A ABCM está discutindo com sua frente parlamentar a apresentação de um projeto de lei visando estruturar uma política que permita viabilizar empreendimentos desta natureza.

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351