Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 274
    [i_conteudo] => 274
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2014-02-08
    [dt_conteudo] => 2014-02-08
    [4] => Frequência de energia cai e há risco de apagão
    [titulo] => Frequência de energia cai e há risco de apagão
    [5] => Estela Benetti / Diário Catarinense
    [autor] => Estela Benetti / Diário Catarinense
    [6] => O aumento do consumo de energia em função do calor coloca o sistema elétrico brasileiro abaixo do limite. A frequência do país é de 60 Hz (Hertz), mas nas horas de pico recua para uma média de 59,7 Hz ou até menos, alertou uma fonte do setor para a coluna.
    [resumo] => O aumento do consumo de energia em função do calor coloca o sistema elétrico brasileiro abaixo do limite. A frequência do país é de 60 Hz (Hertz), mas nas horas de pico recua para uma média de 59,7 Hz ou até menos, alertou uma fonte do setor para a coluna.
    [7] => 

O aumento do consumo de energia em função do calor coloca o sistema elétrico brasileiro abaixo do limite. A frequência do país é de 60 Hz (Hertz), mas nas horas de pico recua para uma média de 59,7 Hz ou até menos, alertou uma fonte do setor para a coluna. Isto significa que a oferta não atende a demanda. Se a frequência cair muito, pode danificar equipamentos. Além disso, o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas é preocupante. Ontem, estava em 38,87%, o mais baixo desde o apagão de 2001. Se não chover bastante nos próximos meses, especialmente na região Sudeste, o Brasil poderá ter que começar a economizar energia nos últimos meses do ano porque a geração térmica não será suficiente.

Muitas autoridades consideram cedo para falar em racionamento e, além disso, há a preocupação com o impacto nas eleições. Mas especialistas do setor alertam que, se não chover o suficiente será necessário reduzir o consumo. Além da falta de chuvas, pesam decisões políticas equivocadas como a antecipação da renovação de concessões para reduzir o preço da energia ano passado. Outro problema é aversão dos ambientalistas à geração térmica a carvão. O leilão de 2009 não foi realizado e duas usinas no Sul do país, em SC e no RS, não foram feitas. Elas poderiam estar gerando mil MW. O problema das térmicas a carvão é que emitem quase o dobro de CO2 do que uma térmica a gás natural. Mas é uma energia segura e a maioria dos países usa. Na Alemanha, 45% da energia vem do carvão. No Brasil, só 2,2%.

Diário Catarinense - 08/02/2014

[conteudo] =>

O aumento do consumo de energia em função do calor coloca o sistema elétrico brasileiro abaixo do limite. A frequência do país é de 60 Hz (Hertz), mas nas horas de pico recua para uma média de 59,7 Hz ou até menos, alertou uma fonte do setor para a coluna. Isto significa que a oferta não atende a demanda. Se a frequência cair muito, pode danificar equipamentos. Além disso, o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas é preocupante. Ontem, estava em 38,87%, o mais baixo desde o apagão de 2001. Se não chover bastante nos próximos meses, especialmente na região Sudeste, o Brasil poderá ter que começar a economizar energia nos últimos meses do ano porque a geração térmica não será suficiente.

Muitas autoridades consideram cedo para falar em racionamento e, além disso, há a preocupação com o impacto nas eleições. Mas especialistas do setor alertam que, se não chover o suficiente será necessário reduzir o consumo. Além da falta de chuvas, pesam decisões políticas equivocadas como a antecipação da renovação de concessões para reduzir o preço da energia ano passado. Outro problema é aversão dos ambientalistas à geração térmica a carvão. O leilão de 2009 não foi realizado e duas usinas no Sul do país, em SC e no RS, não foram feitas. Elas poderiam estar gerando mil MW. O problema das térmicas a carvão é que emitem quase o dobro de CO2 do que uma térmica a gás natural. Mas é uma energia segura e a maioria dos países usa. Na Alemanha, 45% da energia vem do carvão. No Brasil, só 2,2%.

Diário Catarinense - 08/02/2014

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2014-02-12 09:58:11 [dt_sistema] => 2014-02-12 09:58:11 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Frequência de energia cai e há risco de apagão

08/02/2014

Estela Benetti / Diário Catarinense

O aumento do consumo de energia em função do calor coloca o sistema elétrico brasileiro abaixo do limite. A frequência do país é de 60 Hz (Hertz), mas nas horas de pico recua para uma média de 59,7 Hz ou até menos, alertou uma fonte do setor para a coluna. Isto significa que a oferta não atende a demanda. Se a frequência cair muito, pode danificar equipamentos. Além disso, o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas é preocupante. Ontem, estava em 38,87%, o mais baixo desde o apagão de 2001. Se não chover bastante nos próximos meses, especialmente na região Sudeste, o Brasil poderá ter que começar a economizar energia nos últimos meses do ano porque a geração térmica não será suficiente.

Muitas autoridades consideram cedo para falar em racionamento e, além disso, há a preocupação com o impacto nas eleições. Mas especialistas do setor alertam que, se não chover o suficiente será necessário reduzir o consumo. Além da falta de chuvas, pesam decisões políticas equivocadas como a antecipação da renovação de concessões para reduzir o preço da energia ano passado. Outro problema é aversão dos ambientalistas à geração térmica a carvão. O leilão de 2009 não foi realizado e duas usinas no Sul do país, em SC e no RS, não foram feitas. Elas poderiam estar gerando mil MW. O problema das térmicas a carvão é que emitem quase o dobro de CO2 do que uma térmica a gás natural. Mas é uma energia segura e a maioria dos países usa. Na Alemanha, 45% da energia vem do carvão. No Brasil, só 2,2%.

Diário Catarinense - 08/02/2014

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351