Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 240
    [i_conteudo] => 240
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2013-11-17
    [dt_conteudo] => 2013-11-17
    [4] => Rússia vai fornecer caminhões gigantes à Índia
    [titulo] => Rússia vai fornecer caminhões gigantes à Índia
    [5] => 
    [autor] => 
    [6] => Nas pedreiras de carvão da Índia e de outros países podem aparecer em breve caminhões basculantes produzidos na Rússia, na cidade de Chelyabinsk (Urais).
    [resumo] => Nas pedreiras de carvão da Índia e de outros países podem aparecer em breve caminhões basculantes produzidos na Rússia, na cidade de Chelyabinsk (Urais).
    [7] => 

Nas pedreiras de carvão da Índia e de outros países podem aparecer em breve caminhões basculantes produzidos na Rússia, na cidade de Chelyabinsk (Urais). Atualmente, as empresas de mineração da Índia usam várias máquinas semelhantes feitas na Bielorrússia. Mas os caminhões russos, cuja produção foi lançada nos Urais, excedem seus congêneres da Bielorrússia em vários parâmetros técnicos.

A capacidade de carga destas máquinas gigantes é o dobro de seu próprio peso. Sua altura é de um prédio de três pisos. Eles podem operar com diferenças de temperatura de até cem graus, nota o diretor geral da empresa de produção das máquinas Alexander Filatov:

“A Rússia é líder mundial em extração de carvão, minério de ferro, diamantes, e dezenas de outros tipos de minerais. Nossos caminhões são concebidos precisamente para pedreiras, para minas.”

A roda de um caminhão de pedreira é mais alta do que uma pessoa, e ela pesa como um carro de passageiros comum. Para mudar uma roda dessas é necessário equipamento especial. O caminhão gigante consegue subir inclinações de mais de 8 graus a uma velocidade de até 40 quilômetros por hora. E isso carregando mais de 100 toneladas de minério de ferro.

O que ajuda a máquina a superar as subidas mais íngremes é o poderoso motor de mais de 1000 cavalos de potência. Ao mesmo, o apetite do carro por combustível é muito moderado. No entanto, nesse tipo de máquina o consumo de combustível é contado não por cem quilômetros, mas por hora de trabalho, reconhece o caminhoneiro Vladimir Ostroushko:

“Acontece de tudo. Depende do que estiver no basculante. Pode ser rocha leve ou pesada. O consumo médio de combustível por turno é de 500-600 litros.”

Um dia de trabalho de um caminhão é de 23 horas por dia. E de inverno, no frio até 50 graus negativos, os motores não se desligam. Mesmo em condições de uso tão duro, os caminhões funcionam durante anos. O essencial é realizar a manutenção a tempo.

Obviamente, não se leva um tal gigante para uma estação de serviço: é demasiado caro. Por isso, nas pedreiras e minas, onde operam várias dessas máquinas, está sempre presente um especialista da empresa produtora.

Entretanto o basculante do caminhão, medindo 5 por 7 metros, não necessita de manutenção. A cobertura do basculante do carro russo é resistente não só ao choque, mas também à fricção, porque as rochas que ele carrega são duras. O basculante pode carregar não só rochas e carvão, mas também minérios pegajosos e úmidos. Segundo os especialistas, nenhuma pedra ficará pegada, e o basculante não irá enferrujar. Em climas muito frios, o basculante é aquecido pelos gases de escape.

Outra característica particular do carro gigante russo é a caixa de velocidades. Ela é automática e tem dois modos – econômico e de tração.

Na fábrica de Chelyabinsk em um ano foi construído o primeiro lote de sete destes enormes caminhões basculantes. Os mineiros locais testaram as máquinas em uso prático na pedreira e não encontraram defeitos. Agora, vão ser utilizados não só nos Urais, mas também em outros países.

Voz da Rússia - 17/11/2013

[conteudo] =>

Nas pedreiras de carvão da Índia e de outros países podem aparecer em breve caminhões basculantes produzidos na Rússia, na cidade de Chelyabinsk (Urais). Atualmente, as empresas de mineração da Índia usam várias máquinas semelhantes feitas na Bielorrússia. Mas os caminhões russos, cuja produção foi lançada nos Urais, excedem seus congêneres da Bielorrússia em vários parâmetros técnicos.

A capacidade de carga destas máquinas gigantes é o dobro de seu próprio peso. Sua altura é de um prédio de três pisos. Eles podem operar com diferenças de temperatura de até cem graus, nota o diretor geral da empresa de produção das máquinas Alexander Filatov:

“A Rússia é líder mundial em extração de carvão, minério de ferro, diamantes, e dezenas de outros tipos de minerais. Nossos caminhões são concebidos precisamente para pedreiras, para minas.”

A roda de um caminhão de pedreira é mais alta do que uma pessoa, e ela pesa como um carro de passageiros comum. Para mudar uma roda dessas é necessário equipamento especial. O caminhão gigante consegue subir inclinações de mais de 8 graus a uma velocidade de até 40 quilômetros por hora. E isso carregando mais de 100 toneladas de minério de ferro.

O que ajuda a máquina a superar as subidas mais íngremes é o poderoso motor de mais de 1000 cavalos de potência. Ao mesmo, o apetite do carro por combustível é muito moderado. No entanto, nesse tipo de máquina o consumo de combustível é contado não por cem quilômetros, mas por hora de trabalho, reconhece o caminhoneiro Vladimir Ostroushko:

“Acontece de tudo. Depende do que estiver no basculante. Pode ser rocha leve ou pesada. O consumo médio de combustível por turno é de 500-600 litros.”

Um dia de trabalho de um caminhão é de 23 horas por dia. E de inverno, no frio até 50 graus negativos, os motores não se desligam. Mesmo em condições de uso tão duro, os caminhões funcionam durante anos. O essencial é realizar a manutenção a tempo.

Obviamente, não se leva um tal gigante para uma estação de serviço: é demasiado caro. Por isso, nas pedreiras e minas, onde operam várias dessas máquinas, está sempre presente um especialista da empresa produtora.

Entretanto o basculante do caminhão, medindo 5 por 7 metros, não necessita de manutenção. A cobertura do basculante do carro russo é resistente não só ao choque, mas também à fricção, porque as rochas que ele carrega são duras. O basculante pode carregar não só rochas e carvão, mas também minérios pegajosos e úmidos. Segundo os especialistas, nenhuma pedra ficará pegada, e o basculante não irá enferrujar. Em climas muito frios, o basculante é aquecido pelos gases de escape.

Outra característica particular do carro gigante russo é a caixa de velocidades. Ela é automática e tem dois modos – econômico e de tração.

Na fábrica de Chelyabinsk em um ano foi construído o primeiro lote de sete destes enormes caminhões basculantes. Os mineiros locais testaram as máquinas em uso prático na pedreira e não encontraram defeitos. Agora, vão ser utilizados não só nos Urais, mas também em outros países.

Voz da Rússia - 17/11/2013

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2013-11-20 14:53:19 [dt_sistema] => 2013-11-20 14:53:19 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Rússia vai fornecer caminhões gigantes à Índia

17/11/2013

Nas pedreiras de carvão da Índia e de outros países podem aparecer em breve caminhões basculantes produzidos na Rússia, na cidade de Chelyabinsk (Urais). Atualmente, as empresas de mineração da Índia usam várias máquinas semelhantes feitas na Bielorrússia. Mas os caminhões russos, cuja produção foi lançada nos Urais, excedem seus congêneres da Bielorrússia em vários parâmetros técnicos.

A capacidade de carga destas máquinas gigantes é o dobro de seu próprio peso. Sua altura é de um prédio de três pisos. Eles podem operar com diferenças de temperatura de até cem graus, nota o diretor geral da empresa de produção das máquinas Alexander Filatov:

“A Rússia é líder mundial em extração de carvão, minério de ferro, diamantes, e dezenas de outros tipos de minerais. Nossos caminhões são concebidos precisamente para pedreiras, para minas.”

A roda de um caminhão de pedreira é mais alta do que uma pessoa, e ela pesa como um carro de passageiros comum. Para mudar uma roda dessas é necessário equipamento especial. O caminhão gigante consegue subir inclinações de mais de 8 graus a uma velocidade de até 40 quilômetros por hora. E isso carregando mais de 100 toneladas de minério de ferro.

O que ajuda a máquina a superar as subidas mais íngremes é o poderoso motor de mais de 1000 cavalos de potência. Ao mesmo, o apetite do carro por combustível é muito moderado. No entanto, nesse tipo de máquina o consumo de combustível é contado não por cem quilômetros, mas por hora de trabalho, reconhece o caminhoneiro Vladimir Ostroushko:

“Acontece de tudo. Depende do que estiver no basculante. Pode ser rocha leve ou pesada. O consumo médio de combustível por turno é de 500-600 litros.”

Um dia de trabalho de um caminhão é de 23 horas por dia. E de inverno, no frio até 50 graus negativos, os motores não se desligam. Mesmo em condições de uso tão duro, os caminhões funcionam durante anos. O essencial é realizar a manutenção a tempo.

Obviamente, não se leva um tal gigante para uma estação de serviço: é demasiado caro. Por isso, nas pedreiras e minas, onde operam várias dessas máquinas, está sempre presente um especialista da empresa produtora.

Entretanto o basculante do caminhão, medindo 5 por 7 metros, não necessita de manutenção. A cobertura do basculante do carro russo é resistente não só ao choque, mas também à fricção, porque as rochas que ele carrega são duras. O basculante pode carregar não só rochas e carvão, mas também minérios pegajosos e úmidos. Segundo os especialistas, nenhuma pedra ficará pegada, e o basculante não irá enferrujar. Em climas muito frios, o basculante é aquecido pelos gases de escape.

Outra característica particular do carro gigante russo é a caixa de velocidades. Ela é automática e tem dois modos – econômico e de tração.

Na fábrica de Chelyabinsk em um ano foi construído o primeiro lote de sete destes enormes caminhões basculantes. Os mineiros locais testaram as máquinas em uso prático na pedreira e não encontraram defeitos. Agora, vão ser utilizados não só nos Urais, mas também em outros países.

Voz da Rússia - 17/11/2013

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351