Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 205
    [i_conteudo] => 205
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2013-10-14
    [dt_conteudo] => 2013-10-14
    [4] => Caderno Especial Carvão Mineral Zero Hora
    [titulo] => Caderno Especial Carvão Mineral Zero Hora
    [5] => Artigo: Elifas Simas / Caderno: Camila Arócha
    [autor] => Artigo: Elifas Simas / Caderno: Camila Arócha
    [6] => O desenvolvimento de uma nação requer segurança energética e o carvão vem reconquistando sua representatividade no cenário econômico, em especial no Rio Grande do Sul, onde é vital para a geração de renda e desenvolvimento social. 
    [resumo] => O desenvolvimento de uma nação requer segurança energética e o carvão vem reconquistando sua representatividade no cenário econômico, em especial no Rio Grande do Sul, onde é vital para a geração de renda e desenvolvimento social. 
    [7] => 

O desenvolvimento de uma nação requer segurança energética e o carvão vem reconquistando sua representatividade no cenário econômico, em especial no Rio Grande do Sul, onde é vital para a geração de renda e desenvolvimento social. 

 

Encontrado em 70 países, o carvão é ativamente minerado em 50 e fornece mais de 30% da energia primária do mundo, sendo responsável por 41% de eletricidade produzida.

 

Assim como na maioria dos países, o carvão mineral é indispensável à manutenção de infraestruturas modernas de transporte e urbanização. O Brasil está redescobrindo esta força como matéria prima essencial  para a redução da pobreza, desenvolvimento econômico e prosperidade futura, através da abundância de reservas e do baixo custo.

 

Nas últimas três décadas a China multiplicou sua produção e deu o acesso à rede elétrica a 99% de sua população. Isso elevou 662 milhões de pessoas a níveis acima da linha da pobreza, bem como o aumento da expectativa de vida. Muitos fatores contribuíram, mas o carvão foi o combustível propulsor das soluções. Portanto, a questão não é se livrar do carvão, mas sim acessar seus benefícios e minimizar os impactos.

 

No contexto global, o carvão sozinho é comparável com a contribuição da energia nuclear, energias renováveis, óleo e gás natural combinados e permanece como  o combustível que mais cresce em utilização no mundo. 

 

Os planos do Brasil em erradicar a probreza certamente passam pela solução as deficiências energéticas. Nossos governantes têm em mente que não basta garantir acesso apenas a uma lâmpada em uma casa em zona rural, uma geladeira e um ventilador. Para a possibilidades de aumento de produtividade e atração de investimentos, o Carvão continua como a segurança energética necessária e indispensável para os próximos séculos.

 

O leilão A-5 de dezembro traz a chance de reafirmar nosso potencial carbonífero e alavancar o crescimento econômico tão almejado. Associado à liderança gaúcha na geração de energia eólica, há possibilidades de que nos próximos cinco anos possamos passar de importadores de mais de 60% do que consumimos para exportadores.

 

A grande maioria das coisas que trazem qualidade de vida dependem de energia, mas para tanto, devemos dispor de todas as formas energéticas. Não em detrimento de uma fonte a outra, mas em comunhão e complemento, gerando condições de desenvolvimento e crescimento com justiça social.

Arquivos para download

[conteudo] =>

O desenvolvimento de uma nação requer segurança energética e o carvão vem reconquistando sua representatividade no cenário econômico, em especial no Rio Grande do Sul, onde é vital para a geração de renda e desenvolvimento social. 

 

Encontrado em 70 países, o carvão é ativamente minerado em 50 e fornece mais de 30% da energia primária do mundo, sendo responsável por 41% de eletricidade produzida.

 

Assim como na maioria dos países, o carvão mineral é indispensável à manutenção de infraestruturas modernas de transporte e urbanização. O Brasil está redescobrindo esta força como matéria prima essencial  para a redução da pobreza, desenvolvimento econômico e prosperidade futura, através da abundância de reservas e do baixo custo.

 

Nas últimas três décadas a China multiplicou sua produção e deu o acesso à rede elétrica a 99% de sua população. Isso elevou 662 milhões de pessoas a níveis acima da linha da pobreza, bem como o aumento da expectativa de vida. Muitos fatores contribuíram, mas o carvão foi o combustível propulsor das soluções. Portanto, a questão não é se livrar do carvão, mas sim acessar seus benefícios e minimizar os impactos.

 

No contexto global, o carvão sozinho é comparável com a contribuição da energia nuclear, energias renováveis, óleo e gás natural combinados e permanece como  o combustível que mais cresce em utilização no mundo. 

 

Os planos do Brasil em erradicar a probreza certamente passam pela solução as deficiências energéticas. Nossos governantes têm em mente que não basta garantir acesso apenas a uma lâmpada em uma casa em zona rural, uma geladeira e um ventilador. Para a possibilidades de aumento de produtividade e atração de investimentos, o Carvão continua como a segurança energética necessária e indispensável para os próximos séculos.

 

O leilão A-5 de dezembro traz a chance de reafirmar nosso potencial carbonífero e alavancar o crescimento econômico tão almejado. Associado à liderança gaúcha na geração de energia eólica, há possibilidades de que nos próximos cinco anos possamos passar de importadores de mais de 60% do que consumimos para exportadores.

 

A grande maioria das coisas que trazem qualidade de vida dependem de energia, mas para tanto, devemos dispor de todas as formas energéticas. Não em detrimento de uma fonte a outra, mas em comunhão e complemento, gerando condições de desenvolvimento e crescimento com justiça social.

Arquivos para download

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2013-10-17 14:56:41 [dt_sistema] => 2013-10-17 14:56:41 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Caderno Especial Carvão Mineral Zero Hora

14/10/2013

Artigo: Elifas Simas / Caderno: Camila Arócha

O desenvolvimento de uma nação requer segurança energética e o carvão vem reconquistando sua representatividade no cenário econômico, em especial no Rio Grande do Sul, onde é vital para a geração de renda e desenvolvimento social. 

 

Encontrado em 70 países, o carvão é ativamente minerado em 50 e fornece mais de 30% da energia primária do mundo, sendo responsável por 41% de eletricidade produzida.

 

Assim como na maioria dos países, o carvão mineral é indispensável à manutenção de infraestruturas modernas de transporte e urbanização. O Brasil está redescobrindo esta força como matéria prima essencial  para a redução da pobreza, desenvolvimento econômico e prosperidade futura, através da abundância de reservas e do baixo custo.

 

Nas últimas três décadas a China multiplicou sua produção e deu o acesso à rede elétrica a 99% de sua população. Isso elevou 662 milhões de pessoas a níveis acima da linha da pobreza, bem como o aumento da expectativa de vida. Muitos fatores contribuíram, mas o carvão foi o combustível propulsor das soluções. Portanto, a questão não é se livrar do carvão, mas sim acessar seus benefícios e minimizar os impactos.

 

No contexto global, o carvão sozinho é comparável com a contribuição da energia nuclear, energias renováveis, óleo e gás natural combinados e permanece como  o combustível que mais cresce em utilização no mundo. 

 

Os planos do Brasil em erradicar a probreza certamente passam pela solução as deficiências energéticas. Nossos governantes têm em mente que não basta garantir acesso apenas a uma lâmpada em uma casa em zona rural, uma geladeira e um ventilador. Para a possibilidades de aumento de produtividade e atração de investimentos, o Carvão continua como a segurança energética necessária e indispensável para os próximos séculos.

 

O leilão A-5 de dezembro traz a chance de reafirmar nosso potencial carbonífero e alavancar o crescimento econômico tão almejado. Associado à liderança gaúcha na geração de energia eólica, há possibilidades de que nos próximos cinco anos possamos passar de importadores de mais de 60% do que consumimos para exportadores.

 

A grande maioria das coisas que trazem qualidade de vida dependem de energia, mas para tanto, devemos dispor de todas as formas energéticas. Não em detrimento de uma fonte a outra, mas em comunhão e complemento, gerando condições de desenvolvimento e crescimento com justiça social.

Arquivos para download

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351