Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 204
    [i_conteudo] => 204
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2013-10-09
    [dt_conteudo] => 2013-10-09
    [4] => Carvão mineral: a encruzilhada entre realidade e ideologia
    [titulo] => Carvão mineral: a encruzilhada entre realidade e ideologia
    [5] => Milton Catelin / Presidente da Associação Mundial do Carvão 
    [autor] => Milton Catelin / Presidente da Associação Mundial do Carvão 
    [6] => O carvão tem alimentado as economias nacionais e globais e continuará a desempenhar um papel fundamental no futuro. O desenvolvimento sustentável requer que o carvão seja considerado não apenas através das lentes do aquecimento global, mas através do seu impacto na segurança energética, desenvolvimento social, desenvolvimento econômico e melhoria ambiental. 
    [resumo] => O carvão tem alimentado as economias nacionais e globais e continuará a desempenhar um papel fundamental no futuro. O desenvolvimento sustentável requer que o carvão seja considerado não apenas através das lentes do aquecimento global, mas através do seu impacto na segurança energética, desenvolvimento social, desenvolvimento econômico e melhoria ambiental. 
    [7] => 

O carvão tem alimentado as economias nacionais e globais e continuará a desempenhar um papel fundamental no futuro. O desenvolvimento sustentável requer que o carvão seja considerado não apenas através das lentes do aquecimento global, mas através do seu impacto na segurança energética, desenvolvimento social, desenvolvimento econômico e melhoria ambiental. As elites políticas estão se baseando em fatos incorretos e são facilmente seduzidas pelo politicamente correto. Isso é errado.

Políticas públicas em todas as áreas – e da energia e do ambiente em particular – precisam ser baseadas na ciência e fatos, não importa quão inconveniente eles são. O carvão fornece mais de 30% da energia primária do mundo – seu pico desde 1969. Ele fornece: 41% de eletricidade e 68% do aço mundo, e estas percentagens  provavelmente permanecerão constantes para os próximos 30 anos. O consumo fora da OCDE subiu 8,4% no ano passado. Embora o consumo declinou dentro da OCDE – com declínios registrados nos EUA e no Japão -  a Europa aumentou seu consumo de carvão. No Reino Unido, por exemplo, na geração de eletricidade a carvão atingiu 16% a mais em 2012. O carvão forneceu 42% da eletricidade do Reino Unido em 2012. Ainda assim, o homem comum não tem idéia sobre o papel do carvão na sua vida cotidiana. 

À medida que as pessoas pensam sobre carvão geralmente limitam tal pensamento para apenas duas questões: mineração de carvão provoca mortes e a indústria do carvão não se importa; e carvão só traz o aquecimento global e uma série de outros custos ambientais e a indústria de carvão não se importa. Os fatos inconvenientes são que o carvão é um grande facilitador no mundo moderno. É um ingrediente indispensável à maioria dos países, para a construção de infraestruturas modernas tais como transporte, sistemas e equipamentos e prédios altos para apoiar o desenvolvimento econômico e urbanização. Países como o Brasil - que tem acesso a fontes alternativas de energia como base - são na verdade bastante incomuns no mundo. Para a maioria do mundo, acesso às reservas indígenas de carvão, ou acesso livre a mercados com baixos preços do carvão é de vital importância para a redução da pobreza, desenvolvimento econômico e a prosperidade futura. 

A verdade inconveniente é que o carvão foi responsável por quase metade do aumento do uso de energia global durante a última década. Em termos de energia, o mundo do século XXI, até agora, tem sido construído sobre carvão. A contribuição do carvão no crescimento global da oferta de energia, neste século, é equivalente a contribuição da energia nuclear, das energias renováveis, do óleo e do gás natural juntos. Não deveria ser surpreendente, mas o velho carvão é hoje e tem sido para cada um dos últimos 20 anos, o combustível que mais cresce no mundo. Muitos governos – particularmente na Europa – e algumas instituições, como o Banco Mundial, não estão confortáveis com esses fatos de tal modo que suscita a questão de que a política energética nesses lugares é baseada na ciência ou na ideologia. Há um ceticismo persistente entre governos sobre o futuro do carvão. Desculpe-me dizer que este ceticismo tem sido incentivado por previsões imprecisas pela Agência Internacional de Energia (AIE) em relação ao carvão. Se compararmos as previsões de demanda de carvão,  apresentadas em cada uma das publicações AIE WEO anuais, entre 2000 e 2010, em relação ao consumo real, registrado na AIE em outra publicação anual, "Informações de carvão", descobriremos o fato interessante que previsões de carvão WEO preveem taxas de crescimento anual do consumo de entre 1,4% e 1,8%, mas que a média da taxa de crescimento real anual ao longo da década foi de 4,6%. O tamanho da subestimação da IEA WEO a cada ano foi entre 23% e 26%. Isto é importante. Não é apenas acadêmico. 

A percepção de crescimento mais lento no consumo de carvão afeta tudo desde os negócios, as decisões do governo em infraestrutura e investimento nas políticas governamentais sobre as opções de energia. A AIE alega que eles não levaram em conta o crescimento extraordinário da China. Eles certamente fizeram isso. Mas como eles poderiam deixar de levar em conta cada ano desde 2000? Ou há um elemento mesmo dentro da AIE em falar somente o politicamente correcto que permeia algumas elites políticas? É lamentável como os fatos dizem quão importante o carvão é em nivel global para tentativas de aliviar a pobreza. Críticos de carvão lamentam o fato de tantas usinas a carvão estarem planejadas, porque para eles "carvão = mudança climática". A realidade é que, de acordo com o World Resources Institute, quase metade das usinas de energia a carvão propostas em todo o mundo estão localizadas na Índia (455). Isto é ainda mais do que China que propõe 363. 

Dado o desenvolvimento sustentável necessário na Índia e em outros lugares, deve ser uma prioridade para a comunidade internacional apoiar a construção destas plantas e fazendo estas tão limpas quanto possível. Mas talvez devido ao politicamente correto, ou por ignorância, temos o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, salientando a oposição outright do Banco Mundial sobre o carvão: "nós fazemos tudo o que podemos para não investir em carvão – tudo que é possível". Agora, isso não seria estranho vindo do Greenpeace ou outro grupo de lobby verde, mas está vindo do presidente da instituição mais importante do mundo, que busca aliviar ou erradicar a pobreza. O presidente do Banco Mundial foi na mídia este ano pedindo o fim de "pobreza extrema". Ora o sucesso de combater a pobreza deve incluir a abordagem da pobreza energética. Mas a definição usada para "acesso à energia para todos" do Banco Mundial, é irremediavelmente desprovida de ambição. Nas zonas rurais, a definição "inclui eletricidade para duas lâmpadas fluorescentes compactas, um telemóvel e um ventilador de chão por cerca de cinco horas por dia".Em áreas urbanas, a definição "também inclui uma geladeira, um segundo celular por agregado familiar e outro pequeno aparelho". A definição exclui especificamente a eletricidade para negócio ou indústria. A WCA tem argumentado que essa definição é claramente inadequada e sem qualquer ambição real. 

No entanto, é interessante notar que mesmo com essas definições exigiria – de acordo com a AIE – 63% de eletricidade no grid oriunda de combustíveis fósseis e, de fato, 50% vem de carvão até 2030. É difícil não chegar à conclusão que ambições globais na luta contra a pobreza estão sendo sacrificadas à retórica global contra carvão. A realidade é que o carvão tem sido a pedra angular do sistema de energia do mundo com o crescimento econômico e os esforços de combate à pobreza, e permanecerá assim no futuro previsível. Com as tecnologias de converter carvão em líquidos, gases e outros produtos alavancará  o crescimento social e econômico do mundo. Mesmo sob novo cenário do AIE – que assume que todas as promessas os governos em financiamento de energias renováveis e construção de usinas nucleares, etc se concretizarão – haverá pouca mudança no mix energético global de 2035. E carvão permanece cerca de 25% ou mais da procura de energia primária – como era em 1980; e como tem sido durante a maior parte dos últimos 30 anos. E claro, este será 25% de uma pizza de energia que vai crescer - de acordo com a AIE - em 40% durante o próximo quarto de século. Carvão está aqui para ficar e é precisamente por isso que as tecnologias de carvão limpo são cruciais. Infelizmente, as tecnologias de carvão limpo são muitas vezes vistas por céticos como um meio pelo qual a indústria quer viabilizar seu produto para o futuro de baixo carbono. 

A realidade é que as tecnologias de carvão limpo são necessárias porque a demanda de carvão vai continuar. Isso ocorre porque o carvão é uma fonte de desenvolvimento economico. O carvão é um ingrediente indispensável para a construção de infraestruturas modernas, tais como sistemas de transporte, equipamentos e prédios altos para apoiar o desenvolvimento econômico e urbanização. Os materiais utilizados nestes projetos – aço, cimento, vidro e alumínio – são altamente intensivos de energia e indústrias de energia intensiva exigem uma oferta de energia de base confiavel que pode somente vir de grandes centrais hidrelétricas, energia nuclear ou, na maioria dos países, do carvão. O mesmo ocorre com os data centers com uma demanda de 45 GW em nível mundial que precisam de energia barata e firme. Como foi na Europa durante séculos, o carvão é o combustível por trás do crescimento industrial nos gigantes da China e da Índia. A produção de ferro e aço, a produção de minerais não-metálicos, tais como cimento e vidro - todos dependem de carvão na China e na Índia – as duas maiores economias emergentes do planeta. 

Demanda por bens manufaturados desses países e do Brasil só vai aumentar, com o Ocidente emergindo da crise financeira global e urbanização contínua internamente na China e na Índia. Até hoje, a taxa de urbanização na China é apenas de 50% na Índia de 32%, em comparação com mais de 80% nos Canadá, EUA, Austrália ou no Brasil. Os fundamentos para o crescimento do carvão são sólidos. Mas carvão não só tem abastecido os negócios e crescimento da indústria. Na China dramaticamente tem alimentado a redução da pobreza. O Banco Mundial estima que entre 1981 e 2008 pobreza global foi reduzida. Mas o Banco Mundial que não divulgou que praticamente toda a redução da pobreza teve lugar na China. Nenhuma outra estratégia de combate à pobreza na história tem sido mais eficaz do que a implementada pela China e impulsionada por uma economia alimentada 80% pelo carvão. De acordo com o Banco Mundial, o nível de pobreza no Brasil hoje é de 21%. Na China é de 2%. Nas últimas três décadas, a China, multiplicou sua produção de aço por 18; aumentou sua produção de cimento em 14 vezes, deu o acesso à rede elétrica para 99% de sua população. Isso elevou a 662 milhões de seu povo acima da linha da pobreza, redução das taxas de mortalidade infantil, aumento da expectativa de vida, melhorou a higiene, melhorou a nutrição, aumentou as taxas de alfabetização, etc. Muitos fatores contribuíram para isso. Mas o carvão foi o combustível energético chave por trás dessa revolução. 

Excluindo a China, nos últimos 30 anos, o número de pessoas na pobreza aumentou no mundo. Ignorando isso, ao dizer que farão tudo que puderem para não investir em carvão, o Banco Mundial revoga a sua responsabilidade primária para os pobres do mundo. Não discuto que o Banco Mundial não deve levar as prioridades das mudanças do clima em consideração. No entanto, estou argumentando que o Banco Mundial está confundindo retórica sobre o clima para a ação sobre o desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento sustentável é sobre a melhoria do ambiente e do desenvolvimento social e do desenvolvimento econômico. Não é só sobre o aquecimento global. É também sobre segurança energética. Obviamente, o Brasil é abençoado com uma variedade de fontes de energia. Mas isso não ocorre na maioria dos países. Para eles - e mesmo para o Brasil que precisa de mais energia para o futuro - é importante saber que o comércio internacional de carvão é aberto, maduro e confiável. 

O carvão é encontrado em 70 países. Ativamente está minerado em 50 países. Para colocar isso em contexto, significa que em um nível global: 2% das pessoas controlam 52% do petróleo do mundo; 3% controlam 54% de gás do mundo, mas 42% controlam 50% do carvão do mundo. Dado seus benefícios em termos de desenvolvimento econômico e social e em termos de segurança energética, a pergunta chave para o mundo não deve ser como se livrar de carvão, mas como acessar os benefícios do carvão, minimizando seus possiveis impactos negativos. Eficiência energética, captura e armazenamento de carbono (CCS) são parte do que devemos considerar. A mais importante ação de curto prazo para reduzir as emissões de CO2 é aumentar a eficiência de usinas a carvão, pois o aumento de um ponto percentual na eficiência da planta resulta na diminuição de 2-3% das emissões de CO2. No entanto, a maioria das políticas nacionais e os bancos multilaterais de desenvolvimento, ignoram o potencial de aumentar a eficiência de carvão mineral.  Isto apesar do fato de que a AIE calculou (ETP 2012) que aumentando a eficiência média global de plantas a carvão de 34% para 40% reduziria 2 GT CO2. Vamos olhar essa medida em contexto. Remover 2 Gt de CO2 emissões, você poderia fazer o seguinte: executar o regime de comércio de emissões da UE para 53 anos, executar o protocolo de Quioto três vezes, multiplicar a capacidade de energia solar do mundo atual por 195, ou aumentar a eficiência de usina de carvão global média dos actuais 34% para 40%. 

Tendo em conta os benefícios ao clima é óbvio que melhorar as eficiências de planta de carvão seria o melhor investimento em tecnologias de carvão limpo. Mas você já viu comentários do Senhor Kim em nome do Banco Mundial, "fazemos tudo o que não podemos investir em carvão – tudo que é possível". Na realidade temos principalmente China e em menor grau dos Estados Unidos, fazendo investimentos substanciais nesta área. O investimento da China representa 36% do investimento global em tecnologias avançadas do carvão. Assim, como o mundo em desenvolvimento pode admirar a ação da China sobre a pobreza e o desenvolvimento econômico, o mundo inteiro precisa estar seguindo a pista da China em ação prática em matéria de investimentos verdes. Tecnologias avançadas de carvão fornecem uma resposta eficaz e precoce à mudança climática. E, importante, elas são um pré-requisito para a captura e armazenamento de carbono. Soluções reais para a mudança climática só virão através da mudança tecnológica e ação em todas as opções de baixo carbono. 

Todas as ações e tecnologias são necessários para atingir essa meta. De acordo com a AIE (energia tecnologia perspectivas 2010), tecnologias de carvão deverão fornecer um quarto dos cortes  de CO2 necessários no sector da energia até 2050. Isto é tanto através da implantação de tecnologias de combustão de carvão avançadas  (como IGCC ou centrais super críticas) e CCS. Nesta análise cerca de 7% de redução de emissões de GEE vem de IGCC, plantas supercríticas e ultra supercríticas e mais 16% a 20% de usinas de carvão equipadas com CCS. Um total de 23 – 27% da CCT/CCS. Isto é mais do que solar ou tecnologias de vento que deverão entregar 16% e 11% dos cortes necessários respectivamente. Com base na sua análise, a AIE afirmou: não é possível reduzir para metade as emissões de CO2 até 2050 sem CCS. Os custos de mitigação em 2050 seriam mais do que 70% a.a. superiores sem carvão + CCS no mix.  Nobuo Tanaka ex-diretor do AIE afirmou, "a implantação da CCS  deve ser uma prova decisiva para a seriedade dos negociadores a lidar com a mudança climática”. 

Os críticos de CCS dizem muitas vezes que está demorando muito. Mas tenho que dizer que os fatos demonstram que todas as soluções do clima estão bem atrasadas. A AIE tem calculado (2008) que você precisaria estar construindo 35 usinas de carvão CCS por ano para manter abaixo de 2 graus neste século o aquecimento global. Mas ela também calculou que precisaríamos estar construindo, ao mesmo tempo, 20 plantas de gás com CCS por ano; + 32 usinas nucleares, + instalação 1/5 da capacidade de hidraulicas do Canadá por ano; + 17.000 turbinas eólicas por ano, e assim por diante. Se o mundo é sério sobre a luta contra a mudança climática deveria estar implantando todas essas tecnologias em escala e reduzindo custos. No entanto, em comparação com outras tecnologias de baixo carbono o CCS está subfinanciado. Se CCT + CCS estão respondendo por cerca de 25% da resposta, porque os governos não investem nesse nível?  Os  projetos de energia renovável e nuclear (excluindo a hidreletricidade) recebem US$ 45 bilhões e US$ 27 bilhões respectivamente cada ano. Em comparação com isto, desde 2005 só US$ 12,2 bilhões foi disponibilizado para financiar a demonstração da CCS. 

A lacuna de financiamento é estarrecedora. Na verdade, nem iria tão longe como a dizer que a lacuna globalmente entre retórica política sobre mudança do clima e a direção dos investimentos governamentais nas soluções é irresponsável. E ainda reflete a opinião pública – massageada pelas elites políticas – que acreditam que as energias renováveis são o futuro. Muitos acreditam que a quota de energias renováveis no futuro próximo será de 30% ou mais. Na verdade é mais provável que será 14-15%. Olhando para a história. A AIE diz-nos que, em 1971, a contribuição das energias renováveis de energia global foi de 13,2%.  Depois de 40 anos é realmente menor – 12,99%. O ambientalista cético, Bjorn Lomborg, argumenta que a humanidade passou séculos ficando longe de fontes de energia renováveis. Ele ressalta que, em 1800, o mundo obteve 94% de sua energia proveniente de fontes renováveis e que esse número tem vindo a diminuir desde então. O Reino Unido estabeleceu seu recorde para energia eólica em 1804, quando sua participação atingiu 2,5% – quase três vezes o seu nível hoje. Com certeza a energia eólica e solar têm aumentado dramaticamente nos últimos anos. Mas o crescimento tem sido de quase nada para um pouco mais de quase nada. Em 1990, o vento produziu 0.0038% de energia do mundo, agora está produzindo 0,29%. Solar-elétrico foi essencialmente zero para 0,04%.  

O amigo do Al Gore, Jim Hansen admite, "Sugerindo que as energias renováveis irão nos deixar rapidamente sem o uso dos combustíveis fósseis em os EUA, China, Índia ou no mundo como um todo é quase o equivalente a acreditar no coelho da Páscoa e na fada madrinha". Em outro flash momentâneo de franqueza, o Sr. Hansen também oferece uma visão sobre seu próprio equilíbrio pessoal entre a redução da pobreza e mudanças climáticas. Ele disse (maio de 2013) "se você deixar outros países com o consumo do nível do mundo desenvolvido, então o planeta acaba". A Associação Mundial do Carvão acredita que efetivamente combater o aquecimento global não deve vir em detrimento da erradicação da pobreza e desenvolvimento. Acreditamos que o mundo enfrenta muitos desafios globais. Acreditamos que a solução para um não deve exacerbar a outra. Sabemos que os críticos da nossa indústria são muitos, mas em nossos corações sabemos também que carvão serve ao progresso, constrói futuros e fornece a luz para um mundo que de outra forma seria mais escuro e mais frio. 

Não é sem seus desafios, mas a realidade é que nosso futuro passa pelos combustíveis e pelo carvão. A administração americana não é amiga de indústria do carvão, mas o atual secretário de energia, Ernest Moniz, pelo menos sabe a importância do carvão e compreende a equação da energia e das alterações climáticas. Moniz entende a realidade da energia. Ele diz: "nenhuma discussão da segurança energética dos EUA e a redução das emissões de CO2 é completa sem falar sobre carvão – e as tecnologias que permitirão usar este recurso de forma mais eficiente e com menos emissões de gases de efeito estufa". Qualquer esforço sério para proteger nossas crianças contra os piores efeitos da mudança climática também deve incluir, desenvolver, demonstrar e implantar as tecnologias para usar nossos recursos abundantes combustíveis fósseis tão limpa quanto possível. Para Moniz as opiniões refletem o necessidade de equilíbrio entre as prioridades ambientais com segurança e crescimento econômico. Só podemos esperar que elas prevaleçam. Para que as políticas de Governo nas áreas de energia e do ambiente sejam eficazes e sustentáveis, precisam se basear em fatos. Elas precisam equilibrar as prioridades ambientais a com segurança e crescimento econômico. E eles precisam distinguir entre realidade e ideologia.

Milton Catelin, Presidente da Associação Mundial do Carvão - Gramado/RS. 23.08.2013

[conteudo] =>

O carvão tem alimentado as economias nacionais e globais e continuará a desempenhar um papel fundamental no futuro. O desenvolvimento sustentável requer que o carvão seja considerado não apenas através das lentes do aquecimento global, mas através do seu impacto na segurança energética, desenvolvimento social, desenvolvimento econômico e melhoria ambiental. As elites políticas estão se baseando em fatos incorretos e são facilmente seduzidas pelo politicamente correto. Isso é errado.

Políticas públicas em todas as áreas – e da energia e do ambiente em particular – precisam ser baseadas na ciência e fatos, não importa quão inconveniente eles são. O carvão fornece mais de 30% da energia primária do mundo – seu pico desde 1969. Ele fornece: 41% de eletricidade e 68% do aço mundo, e estas percentagens  provavelmente permanecerão constantes para os próximos 30 anos. O consumo fora da OCDE subiu 8,4% no ano passado. Embora o consumo declinou dentro da OCDE – com declínios registrados nos EUA e no Japão -  a Europa aumentou seu consumo de carvão. No Reino Unido, por exemplo, na geração de eletricidade a carvão atingiu 16% a mais em 2012. O carvão forneceu 42% da eletricidade do Reino Unido em 2012. Ainda assim, o homem comum não tem idéia sobre o papel do carvão na sua vida cotidiana. 

À medida que as pessoas pensam sobre carvão geralmente limitam tal pensamento para apenas duas questões: mineração de carvão provoca mortes e a indústria do carvão não se importa; e carvão só traz o aquecimento global e uma série de outros custos ambientais e a indústria de carvão não se importa. Os fatos inconvenientes são que o carvão é um grande facilitador no mundo moderno. É um ingrediente indispensável à maioria dos países, para a construção de infraestruturas modernas tais como transporte, sistemas e equipamentos e prédios altos para apoiar o desenvolvimento econômico e urbanização. Países como o Brasil - que tem acesso a fontes alternativas de energia como base - são na verdade bastante incomuns no mundo. Para a maioria do mundo, acesso às reservas indígenas de carvão, ou acesso livre a mercados com baixos preços do carvão é de vital importância para a redução da pobreza, desenvolvimento econômico e a prosperidade futura. 

A verdade inconveniente é que o carvão foi responsável por quase metade do aumento do uso de energia global durante a última década. Em termos de energia, o mundo do século XXI, até agora, tem sido construído sobre carvão. A contribuição do carvão no crescimento global da oferta de energia, neste século, é equivalente a contribuição da energia nuclear, das energias renováveis, do óleo e do gás natural juntos. Não deveria ser surpreendente, mas o velho carvão é hoje e tem sido para cada um dos últimos 20 anos, o combustível que mais cresce no mundo. Muitos governos – particularmente na Europa – e algumas instituições, como o Banco Mundial, não estão confortáveis com esses fatos de tal modo que suscita a questão de que a política energética nesses lugares é baseada na ciência ou na ideologia. Há um ceticismo persistente entre governos sobre o futuro do carvão. Desculpe-me dizer que este ceticismo tem sido incentivado por previsões imprecisas pela Agência Internacional de Energia (AIE) em relação ao carvão. Se compararmos as previsões de demanda de carvão,  apresentadas em cada uma das publicações AIE WEO anuais, entre 2000 e 2010, em relação ao consumo real, registrado na AIE em outra publicação anual, "Informações de carvão", descobriremos o fato interessante que previsões de carvão WEO preveem taxas de crescimento anual do consumo de entre 1,4% e 1,8%, mas que a média da taxa de crescimento real anual ao longo da década foi de 4,6%. O tamanho da subestimação da IEA WEO a cada ano foi entre 23% e 26%. Isto é importante. Não é apenas acadêmico. 

A percepção de crescimento mais lento no consumo de carvão afeta tudo desde os negócios, as decisões do governo em infraestrutura e investimento nas políticas governamentais sobre as opções de energia. A AIE alega que eles não levaram em conta o crescimento extraordinário da China. Eles certamente fizeram isso. Mas como eles poderiam deixar de levar em conta cada ano desde 2000? Ou há um elemento mesmo dentro da AIE em falar somente o politicamente correcto que permeia algumas elites políticas? É lamentável como os fatos dizem quão importante o carvão é em nivel global para tentativas de aliviar a pobreza. Críticos de carvão lamentam o fato de tantas usinas a carvão estarem planejadas, porque para eles "carvão = mudança climática". A realidade é que, de acordo com o World Resources Institute, quase metade das usinas de energia a carvão propostas em todo o mundo estão localizadas na Índia (455). Isto é ainda mais do que China que propõe 363. 

Dado o desenvolvimento sustentável necessário na Índia e em outros lugares, deve ser uma prioridade para a comunidade internacional apoiar a construção destas plantas e fazendo estas tão limpas quanto possível. Mas talvez devido ao politicamente correto, ou por ignorância, temos o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, salientando a oposição outright do Banco Mundial sobre o carvão: "nós fazemos tudo o que podemos para não investir em carvão – tudo que é possível". Agora, isso não seria estranho vindo do Greenpeace ou outro grupo de lobby verde, mas está vindo do presidente da instituição mais importante do mundo, que busca aliviar ou erradicar a pobreza. O presidente do Banco Mundial foi na mídia este ano pedindo o fim de "pobreza extrema". Ora o sucesso de combater a pobreza deve incluir a abordagem da pobreza energética. Mas a definição usada para "acesso à energia para todos" do Banco Mundial, é irremediavelmente desprovida de ambição. Nas zonas rurais, a definição "inclui eletricidade para duas lâmpadas fluorescentes compactas, um telemóvel e um ventilador de chão por cerca de cinco horas por dia".Em áreas urbanas, a definição "também inclui uma geladeira, um segundo celular por agregado familiar e outro pequeno aparelho". A definição exclui especificamente a eletricidade para negócio ou indústria. A WCA tem argumentado que essa definição é claramente inadequada e sem qualquer ambição real. 

No entanto, é interessante notar que mesmo com essas definições exigiria – de acordo com a AIE – 63% de eletricidade no grid oriunda de combustíveis fósseis e, de fato, 50% vem de carvão até 2030. É difícil não chegar à conclusão que ambições globais na luta contra a pobreza estão sendo sacrificadas à retórica global contra carvão. A realidade é que o carvão tem sido a pedra angular do sistema de energia do mundo com o crescimento econômico e os esforços de combate à pobreza, e permanecerá assim no futuro previsível. Com as tecnologias de converter carvão em líquidos, gases e outros produtos alavancará  o crescimento social e econômico do mundo. Mesmo sob novo cenário do AIE – que assume que todas as promessas os governos em financiamento de energias renováveis e construção de usinas nucleares, etc se concretizarão – haverá pouca mudança no mix energético global de 2035. E carvão permanece cerca de 25% ou mais da procura de energia primária – como era em 1980; e como tem sido durante a maior parte dos últimos 30 anos. E claro, este será 25% de uma pizza de energia que vai crescer - de acordo com a AIE - em 40% durante o próximo quarto de século. Carvão está aqui para ficar e é precisamente por isso que as tecnologias de carvão limpo são cruciais. Infelizmente, as tecnologias de carvão limpo são muitas vezes vistas por céticos como um meio pelo qual a indústria quer viabilizar seu produto para o futuro de baixo carbono. 

A realidade é que as tecnologias de carvão limpo são necessárias porque a demanda de carvão vai continuar. Isso ocorre porque o carvão é uma fonte de desenvolvimento economico. O carvão é um ingrediente indispensável para a construção de infraestruturas modernas, tais como sistemas de transporte, equipamentos e prédios altos para apoiar o desenvolvimento econômico e urbanização. Os materiais utilizados nestes projetos – aço, cimento, vidro e alumínio – são altamente intensivos de energia e indústrias de energia intensiva exigem uma oferta de energia de base confiavel que pode somente vir de grandes centrais hidrelétricas, energia nuclear ou, na maioria dos países, do carvão. O mesmo ocorre com os data centers com uma demanda de 45 GW em nível mundial que precisam de energia barata e firme. Como foi na Europa durante séculos, o carvão é o combustível por trás do crescimento industrial nos gigantes da China e da Índia. A produção de ferro e aço, a produção de minerais não-metálicos, tais como cimento e vidro - todos dependem de carvão na China e na Índia – as duas maiores economias emergentes do planeta. 

Demanda por bens manufaturados desses países e do Brasil só vai aumentar, com o Ocidente emergindo da crise financeira global e urbanização contínua internamente na China e na Índia. Até hoje, a taxa de urbanização na China é apenas de 50% na Índia de 32%, em comparação com mais de 80% nos Canadá, EUA, Austrália ou no Brasil. Os fundamentos para o crescimento do carvão são sólidos. Mas carvão não só tem abastecido os negócios e crescimento da indústria. Na China dramaticamente tem alimentado a redução da pobreza. O Banco Mundial estima que entre 1981 e 2008 pobreza global foi reduzida. Mas o Banco Mundial que não divulgou que praticamente toda a redução da pobreza teve lugar na China. Nenhuma outra estratégia de combate à pobreza na história tem sido mais eficaz do que a implementada pela China e impulsionada por uma economia alimentada 80% pelo carvão. De acordo com o Banco Mundial, o nível de pobreza no Brasil hoje é de 21%. Na China é de 2%. Nas últimas três décadas, a China, multiplicou sua produção de aço por 18; aumentou sua produção de cimento em 14 vezes, deu o acesso à rede elétrica para 99% de sua população. Isso elevou a 662 milhões de seu povo acima da linha da pobreza, redução das taxas de mortalidade infantil, aumento da expectativa de vida, melhorou a higiene, melhorou a nutrição, aumentou as taxas de alfabetização, etc. Muitos fatores contribuíram para isso. Mas o carvão foi o combustível energético chave por trás dessa revolução. 

Excluindo a China, nos últimos 30 anos, o número de pessoas na pobreza aumentou no mundo. Ignorando isso, ao dizer que farão tudo que puderem para não investir em carvão, o Banco Mundial revoga a sua responsabilidade primária para os pobres do mundo. Não discuto que o Banco Mundial não deve levar as prioridades das mudanças do clima em consideração. No entanto, estou argumentando que o Banco Mundial está confundindo retórica sobre o clima para a ação sobre o desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento sustentável é sobre a melhoria do ambiente e do desenvolvimento social e do desenvolvimento econômico. Não é só sobre o aquecimento global. É também sobre segurança energética. Obviamente, o Brasil é abençoado com uma variedade de fontes de energia. Mas isso não ocorre na maioria dos países. Para eles - e mesmo para o Brasil que precisa de mais energia para o futuro - é importante saber que o comércio internacional de carvão é aberto, maduro e confiável. 

O carvão é encontrado em 70 países. Ativamente está minerado em 50 países. Para colocar isso em contexto, significa que em um nível global: 2% das pessoas controlam 52% do petróleo do mundo; 3% controlam 54% de gás do mundo, mas 42% controlam 50% do carvão do mundo. Dado seus benefícios em termos de desenvolvimento econômico e social e em termos de segurança energética, a pergunta chave para o mundo não deve ser como se livrar de carvão, mas como acessar os benefícios do carvão, minimizando seus possiveis impactos negativos. Eficiência energética, captura e armazenamento de carbono (CCS) são parte do que devemos considerar. A mais importante ação de curto prazo para reduzir as emissões de CO2 é aumentar a eficiência de usinas a carvão, pois o aumento de um ponto percentual na eficiência da planta resulta na diminuição de 2-3% das emissões de CO2. No entanto, a maioria das políticas nacionais e os bancos multilaterais de desenvolvimento, ignoram o potencial de aumentar a eficiência de carvão mineral.  Isto apesar do fato de que a AIE calculou (ETP 2012) que aumentando a eficiência média global de plantas a carvão de 34% para 40% reduziria 2 GT CO2. Vamos olhar essa medida em contexto. Remover 2 Gt de CO2 emissões, você poderia fazer o seguinte: executar o regime de comércio de emissões da UE para 53 anos, executar o protocolo de Quioto três vezes, multiplicar a capacidade de energia solar do mundo atual por 195, ou aumentar a eficiência de usina de carvão global média dos actuais 34% para 40%. 

Tendo em conta os benefícios ao clima é óbvio que melhorar as eficiências de planta de carvão seria o melhor investimento em tecnologias de carvão limpo. Mas você já viu comentários do Senhor Kim em nome do Banco Mundial, "fazemos tudo o que não podemos investir em carvão – tudo que é possível". Na realidade temos principalmente China e em menor grau dos Estados Unidos, fazendo investimentos substanciais nesta área. O investimento da China representa 36% do investimento global em tecnologias avançadas do carvão. Assim, como o mundo em desenvolvimento pode admirar a ação da China sobre a pobreza e o desenvolvimento econômico, o mundo inteiro precisa estar seguindo a pista da China em ação prática em matéria de investimentos verdes. Tecnologias avançadas de carvão fornecem uma resposta eficaz e precoce à mudança climática. E, importante, elas são um pré-requisito para a captura e armazenamento de carbono. Soluções reais para a mudança climática só virão através da mudança tecnológica e ação em todas as opções de baixo carbono. 

Todas as ações e tecnologias são necessários para atingir essa meta. De acordo com a AIE (energia tecnologia perspectivas 2010), tecnologias de carvão deverão fornecer um quarto dos cortes  de CO2 necessários no sector da energia até 2050. Isto é tanto através da implantação de tecnologias de combustão de carvão avançadas  (como IGCC ou centrais super críticas) e CCS. Nesta análise cerca de 7% de redução de emissões de GEE vem de IGCC, plantas supercríticas e ultra supercríticas e mais 16% a 20% de usinas de carvão equipadas com CCS. Um total de 23 – 27% da CCT/CCS. Isto é mais do que solar ou tecnologias de vento que deverão entregar 16% e 11% dos cortes necessários respectivamente. Com base na sua análise, a AIE afirmou: não é possível reduzir para metade as emissões de CO2 até 2050 sem CCS. Os custos de mitigação em 2050 seriam mais do que 70% a.a. superiores sem carvão + CCS no mix.  Nobuo Tanaka ex-diretor do AIE afirmou, "a implantação da CCS  deve ser uma prova decisiva para a seriedade dos negociadores a lidar com a mudança climática”. 

Os críticos de CCS dizem muitas vezes que está demorando muito. Mas tenho que dizer que os fatos demonstram que todas as soluções do clima estão bem atrasadas. A AIE tem calculado (2008) que você precisaria estar construindo 35 usinas de carvão CCS por ano para manter abaixo de 2 graus neste século o aquecimento global. Mas ela também calculou que precisaríamos estar construindo, ao mesmo tempo, 20 plantas de gás com CCS por ano; + 32 usinas nucleares, + instalação 1/5 da capacidade de hidraulicas do Canadá por ano; + 17.000 turbinas eólicas por ano, e assim por diante. Se o mundo é sério sobre a luta contra a mudança climática deveria estar implantando todas essas tecnologias em escala e reduzindo custos. No entanto, em comparação com outras tecnologias de baixo carbono o CCS está subfinanciado. Se CCT + CCS estão respondendo por cerca de 25% da resposta, porque os governos não investem nesse nível?  Os  projetos de energia renovável e nuclear (excluindo a hidreletricidade) recebem US$ 45 bilhões e US$ 27 bilhões respectivamente cada ano. Em comparação com isto, desde 2005 só US$ 12,2 bilhões foi disponibilizado para financiar a demonstração da CCS. 

A lacuna de financiamento é estarrecedora. Na verdade, nem iria tão longe como a dizer que a lacuna globalmente entre retórica política sobre mudança do clima e a direção dos investimentos governamentais nas soluções é irresponsável. E ainda reflete a opinião pública – massageada pelas elites políticas – que acreditam que as energias renováveis são o futuro. Muitos acreditam que a quota de energias renováveis no futuro próximo será de 30% ou mais. Na verdade é mais provável que será 14-15%. Olhando para a história. A AIE diz-nos que, em 1971, a contribuição das energias renováveis de energia global foi de 13,2%.  Depois de 40 anos é realmente menor – 12,99%. O ambientalista cético, Bjorn Lomborg, argumenta que a humanidade passou séculos ficando longe de fontes de energia renováveis. Ele ressalta que, em 1800, o mundo obteve 94% de sua energia proveniente de fontes renováveis e que esse número tem vindo a diminuir desde então. O Reino Unido estabeleceu seu recorde para energia eólica em 1804, quando sua participação atingiu 2,5% – quase três vezes o seu nível hoje. Com certeza a energia eólica e solar têm aumentado dramaticamente nos últimos anos. Mas o crescimento tem sido de quase nada para um pouco mais de quase nada. Em 1990, o vento produziu 0.0038% de energia do mundo, agora está produzindo 0,29%. Solar-elétrico foi essencialmente zero para 0,04%.  

O amigo do Al Gore, Jim Hansen admite, "Sugerindo que as energias renováveis irão nos deixar rapidamente sem o uso dos combustíveis fósseis em os EUA, China, Índia ou no mundo como um todo é quase o equivalente a acreditar no coelho da Páscoa e na fada madrinha". Em outro flash momentâneo de franqueza, o Sr. Hansen também oferece uma visão sobre seu próprio equilíbrio pessoal entre a redução da pobreza e mudanças climáticas. Ele disse (maio de 2013) "se você deixar outros países com o consumo do nível do mundo desenvolvido, então o planeta acaba". A Associação Mundial do Carvão acredita que efetivamente combater o aquecimento global não deve vir em detrimento da erradicação da pobreza e desenvolvimento. Acreditamos que o mundo enfrenta muitos desafios globais. Acreditamos que a solução para um não deve exacerbar a outra. Sabemos que os críticos da nossa indústria são muitos, mas em nossos corações sabemos também que carvão serve ao progresso, constrói futuros e fornece a luz para um mundo que de outra forma seria mais escuro e mais frio. 

Não é sem seus desafios, mas a realidade é que nosso futuro passa pelos combustíveis e pelo carvão. A administração americana não é amiga de indústria do carvão, mas o atual secretário de energia, Ernest Moniz, pelo menos sabe a importância do carvão e compreende a equação da energia e das alterações climáticas. Moniz entende a realidade da energia. Ele diz: "nenhuma discussão da segurança energética dos EUA e a redução das emissões de CO2 é completa sem falar sobre carvão – e as tecnologias que permitirão usar este recurso de forma mais eficiente e com menos emissões de gases de efeito estufa". Qualquer esforço sério para proteger nossas crianças contra os piores efeitos da mudança climática também deve incluir, desenvolver, demonstrar e implantar as tecnologias para usar nossos recursos abundantes combustíveis fósseis tão limpa quanto possível. Para Moniz as opiniões refletem o necessidade de equilíbrio entre as prioridades ambientais com segurança e crescimento econômico. Só podemos esperar que elas prevaleçam. Para que as políticas de Governo nas áreas de energia e do ambiente sejam eficazes e sustentáveis, precisam se basear em fatos. Elas precisam equilibrar as prioridades ambientais a com segurança e crescimento econômico. E eles precisam distinguir entre realidade e ideologia.

Milton Catelin, Presidente da Associação Mundial do Carvão - Gramado/RS. 23.08.2013

[8] => [palavra_chave] => [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2013-10-09 11:29:50 [dt_sistema] => 2013-10-09 11:29:50 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Carvão mineral: a encruzilhada entre realidade e ideologia

09/10/2013

Milton Catelin / Presidente da Associação Mundial do Carvão

O carvão tem alimentado as economias nacionais e globais e continuará a desempenhar um papel fundamental no futuro. O desenvolvimento sustentável requer que o carvão seja considerado não apenas através das lentes do aquecimento global, mas através do seu impacto na segurança energética, desenvolvimento social, desenvolvimento econômico e melhoria ambiental. As elites políticas estão se baseando em fatos incorretos e são facilmente seduzidas pelo politicamente correto. Isso é errado.

Políticas públicas em todas as áreas – e da energia e do ambiente em particular – precisam ser baseadas na ciência e fatos, não importa quão inconveniente eles são. O carvão fornece mais de 30% da energia primária do mundo – seu pico desde 1969. Ele fornece: 41% de eletricidade e 68% do aço mundo, e estas percentagens  provavelmente permanecerão constantes para os próximos 30 anos. O consumo fora da OCDE subiu 8,4% no ano passado. Embora o consumo declinou dentro da OCDE – com declínios registrados nos EUA e no Japão -  a Europa aumentou seu consumo de carvão. No Reino Unido, por exemplo, na geração de eletricidade a carvão atingiu 16% a mais em 2012. O carvão forneceu 42% da eletricidade do Reino Unido em 2012. Ainda assim, o homem comum não tem idéia sobre o papel do carvão na sua vida cotidiana. 

À medida que as pessoas pensam sobre carvão geralmente limitam tal pensamento para apenas duas questões: mineração de carvão provoca mortes e a indústria do carvão não se importa; e carvão só traz o aquecimento global e uma série de outros custos ambientais e a indústria de carvão não se importa. Os fatos inconvenientes são que o carvão é um grande facilitador no mundo moderno. É um ingrediente indispensável à maioria dos países, para a construção de infraestruturas modernas tais como transporte, sistemas e equipamentos e prédios altos para apoiar o desenvolvimento econômico e urbanização. Países como o Brasil - que tem acesso a fontes alternativas de energia como base - são na verdade bastante incomuns no mundo. Para a maioria do mundo, acesso às reservas indígenas de carvão, ou acesso livre a mercados com baixos preços do carvão é de vital importância para a redução da pobreza, desenvolvimento econômico e a prosperidade futura. 

A verdade inconveniente é que o carvão foi responsável por quase metade do aumento do uso de energia global durante a última década. Em termos de energia, o mundo do século XXI, até agora, tem sido construído sobre carvão. A contribuição do carvão no crescimento global da oferta de energia, neste século, é equivalente a contribuição da energia nuclear, das energias renováveis, do óleo e do gás natural juntos. Não deveria ser surpreendente, mas o velho carvão é hoje e tem sido para cada um dos últimos 20 anos, o combustível que mais cresce no mundo. Muitos governos – particularmente na Europa – e algumas instituições, como o Banco Mundial, não estão confortáveis com esses fatos de tal modo que suscita a questão de que a política energética nesses lugares é baseada na ciência ou na ideologia. Há um ceticismo persistente entre governos sobre o futuro do carvão. Desculpe-me dizer que este ceticismo tem sido incentivado por previsões imprecisas pela Agência Internacional de Energia (AIE) em relação ao carvão. Se compararmos as previsões de demanda de carvão,  apresentadas em cada uma das publicações AIE WEO anuais, entre 2000 e 2010, em relação ao consumo real, registrado na AIE em outra publicação anual, "Informações de carvão", descobriremos o fato interessante que previsões de carvão WEO preveem taxas de crescimento anual do consumo de entre 1,4% e 1,8%, mas que a média da taxa de crescimento real anual ao longo da década foi de 4,6%. O tamanho da subestimação da IEA WEO a cada ano foi entre 23% e 26%. Isto é importante. Não é apenas acadêmico. 

A percepção de crescimento mais lento no consumo de carvão afeta tudo desde os negócios, as decisões do governo em infraestrutura e investimento nas políticas governamentais sobre as opções de energia. A AIE alega que eles não levaram em conta o crescimento extraordinário da China. Eles certamente fizeram isso. Mas como eles poderiam deixar de levar em conta cada ano desde 2000? Ou há um elemento mesmo dentro da AIE em falar somente o politicamente correcto que permeia algumas elites políticas? É lamentável como os fatos dizem quão importante o carvão é em nivel global para tentativas de aliviar a pobreza. Críticos de carvão lamentam o fato de tantas usinas a carvão estarem planejadas, porque para eles "carvão = mudança climática". A realidade é que, de acordo com o World Resources Institute, quase metade das usinas de energia a carvão propostas em todo o mundo estão localizadas na Índia (455). Isto é ainda mais do que China que propõe 363. 

Dado o desenvolvimento sustentável necessário na Índia e em outros lugares, deve ser uma prioridade para a comunidade internacional apoiar a construção destas plantas e fazendo estas tão limpas quanto possível. Mas talvez devido ao politicamente correto, ou por ignorância, temos o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, salientando a oposição outright do Banco Mundial sobre o carvão: "nós fazemos tudo o que podemos para não investir em carvão – tudo que é possível". Agora, isso não seria estranho vindo do Greenpeace ou outro grupo de lobby verde, mas está vindo do presidente da instituição mais importante do mundo, que busca aliviar ou erradicar a pobreza. O presidente do Banco Mundial foi na mídia este ano pedindo o fim de "pobreza extrema". Ora o sucesso de combater a pobreza deve incluir a abordagem da pobreza energética. Mas a definição usada para "acesso à energia para todos" do Banco Mundial, é irremediavelmente desprovida de ambição. Nas zonas rurais, a definição "inclui eletricidade para duas lâmpadas fluorescentes compactas, um telemóvel e um ventilador de chão por cerca de cinco horas por dia".Em áreas urbanas, a definição "também inclui uma geladeira, um segundo celular por agregado familiar e outro pequeno aparelho". A definição exclui especificamente a eletricidade para negócio ou indústria. A WCA tem argumentado que essa definição é claramente inadequada e sem qualquer ambição real. 

No entanto, é interessante notar que mesmo com essas definições exigiria – de acordo com a AIE – 63% de eletricidade no grid oriunda de combustíveis fósseis e, de fato, 50% vem de carvão até 2030. É difícil não chegar à conclusão que ambições globais na luta contra a pobreza estão sendo sacrificadas à retórica global contra carvão. A realidade é que o carvão tem sido a pedra angular do sistema de energia do mundo com o crescimento econômico e os esforços de combate à pobreza, e permanecerá assim no futuro previsível. Com as tecnologias de converter carvão em líquidos, gases e outros produtos alavancará  o crescimento social e econômico do mundo. Mesmo sob novo cenário do AIE – que assume que todas as promessas os governos em financiamento de energias renováveis e construção de usinas nucleares, etc se concretizarão – haverá pouca mudança no mix energético global de 2035. E carvão permanece cerca de 25% ou mais da procura de energia primária – como era em 1980; e como tem sido durante a maior parte dos últimos 30 anos. E claro, este será 25% de uma pizza de energia que vai crescer - de acordo com a AIE - em 40% durante o próximo quarto de século. Carvão está aqui para ficar e é precisamente por isso que as tecnologias de carvão limpo são cruciais. Infelizmente, as tecnologias de carvão limpo são muitas vezes vistas por céticos como um meio pelo qual a indústria quer viabilizar seu produto para o futuro de baixo carbono. 

A realidade é que as tecnologias de carvão limpo são necessárias porque a demanda de carvão vai continuar. Isso ocorre porque o carvão é uma fonte de desenvolvimento economico. O carvão é um ingrediente indispensável para a construção de infraestruturas modernas, tais como sistemas de transporte, equipamentos e prédios altos para apoiar o desenvolvimento econômico e urbanização. Os materiais utilizados nestes projetos – aço, cimento, vidro e alumínio – são altamente intensivos de energia e indústrias de energia intensiva exigem uma oferta de energia de base confiavel que pode somente vir de grandes centrais hidrelétricas, energia nuclear ou, na maioria dos países, do carvão. O mesmo ocorre com os data centers com uma demanda de 45 GW em nível mundial que precisam de energia barata e firme. Como foi na Europa durante séculos, o carvão é o combustível por trás do crescimento industrial nos gigantes da China e da Índia. A produção de ferro e aço, a produção de minerais não-metálicos, tais como cimento e vidro - todos dependem de carvão na China e na Índia – as duas maiores economias emergentes do planeta. 

Demanda por bens manufaturados desses países e do Brasil só vai aumentar, com o Ocidente emergindo da crise financeira global e urbanização contínua internamente na China e na Índia. Até hoje, a taxa de urbanização na China é apenas de 50% na Índia de 32%, em comparação com mais de 80% nos Canadá, EUA, Austrália ou no Brasil. Os fundamentos para o crescimento do carvão são sólidos. Mas carvão não só tem abastecido os negócios e crescimento da indústria. Na China dramaticamente tem alimentado a redução da pobreza. O Banco Mundial estima que entre 1981 e 2008 pobreza global foi reduzida. Mas o Banco Mundial que não divulgou que praticamente toda a redução da pobreza teve lugar na China. Nenhuma outra estratégia de combate à pobreza na história tem sido mais eficaz do que a implementada pela China e impulsionada por uma economia alimentada 80% pelo carvão. De acordo com o Banco Mundial, o nível de pobreza no Brasil hoje é de 21%. Na China é de 2%. Nas últimas três décadas, a China, multiplicou sua produção de aço por 18; aumentou sua produção de cimento em 14 vezes, deu o acesso à rede elétrica para 99% de sua população. Isso elevou a 662 milhões de seu povo acima da linha da pobreza, redução das taxas de mortalidade infantil, aumento da expectativa de vida, melhorou a higiene, melhorou a nutrição, aumentou as taxas de alfabetização, etc. Muitos fatores contribuíram para isso. Mas o carvão foi o combustível energético chave por trás dessa revolução. 

Excluindo a China, nos últimos 30 anos, o número de pessoas na pobreza aumentou no mundo. Ignorando isso, ao dizer que farão tudo que puderem para não investir em carvão, o Banco Mundial revoga a sua responsabilidade primária para os pobres do mundo. Não discuto que o Banco Mundial não deve levar as prioridades das mudanças do clima em consideração. No entanto, estou argumentando que o Banco Mundial está confundindo retórica sobre o clima para a ação sobre o desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento sustentável é sobre a melhoria do ambiente e do desenvolvimento social e do desenvolvimento econômico. Não é só sobre o aquecimento global. É também sobre segurança energética. Obviamente, o Brasil é abençoado com uma variedade de fontes de energia. Mas isso não ocorre na maioria dos países. Para eles - e mesmo para o Brasil que precisa de mais energia para o futuro - é importante saber que o comércio internacional de carvão é aberto, maduro e confiável. 

O carvão é encontrado em 70 países. Ativamente está minerado em 50 países. Para colocar isso em contexto, significa que em um nível global: 2% das pessoas controlam 52% do petróleo do mundo; 3% controlam 54% de gás do mundo, mas 42% controlam 50% do carvão do mundo. Dado seus benefícios em termos de desenvolvimento econômico e social e em termos de segurança energética, a pergunta chave para o mundo não deve ser como se livrar de carvão, mas como acessar os benefícios do carvão, minimizando seus possiveis impactos negativos. Eficiência energética, captura e armazenamento de carbono (CCS) são parte do que devemos considerar. A mais importante ação de curto prazo para reduzir as emissões de CO2 é aumentar a eficiência de usinas a carvão, pois o aumento de um ponto percentual na eficiência da planta resulta na diminuição de 2-3% das emissões de CO2. No entanto, a maioria das políticas nacionais e os bancos multilaterais de desenvolvimento, ignoram o potencial de aumentar a eficiência de carvão mineral.  Isto apesar do fato de que a AIE calculou (ETP 2012) que aumentando a eficiência média global de plantas a carvão de 34% para 40% reduziria 2 GT CO2. Vamos olhar essa medida em contexto. Remover 2 Gt de CO2 emissões, você poderia fazer o seguinte: executar o regime de comércio de emissões da UE para 53 anos, executar o protocolo de Quioto três vezes, multiplicar a capacidade de energia solar do mundo atual por 195, ou aumentar a eficiência de usina de carvão global média dos actuais 34% para 40%. 

Tendo em conta os benefícios ao clima é óbvio que melhorar as eficiências de planta de carvão seria o melhor investimento em tecnologias de carvão limpo. Mas você já viu comentários do Senhor Kim em nome do Banco Mundial, "fazemos tudo o que não podemos investir em carvão – tudo que é possível". Na realidade temos principalmente China e em menor grau dos Estados Unidos, fazendo investimentos substanciais nesta área. O investimento da China representa 36% do investimento global em tecnologias avançadas do carvão. Assim, como o mundo em desenvolvimento pode admirar a ação da China sobre a pobreza e o desenvolvimento econômico, o mundo inteiro precisa estar seguindo a pista da China em ação prática em matéria de investimentos verdes. Tecnologias avançadas de carvão fornecem uma resposta eficaz e precoce à mudança climática. E, importante, elas são um pré-requisito para a captura e armazenamento de carbono. Soluções reais para a mudança climática só virão através da mudança tecnológica e ação em todas as opções de baixo carbono. 

Todas as ações e tecnologias são necessários para atingir essa meta. De acordo com a AIE (energia tecnologia perspectivas 2010), tecnologias de carvão deverão fornecer um quarto dos cortes  de CO2 necessários no sector da energia até 2050. Isto é tanto através da implantação de tecnologias de combustão de carvão avançadas  (como IGCC ou centrais super críticas) e CCS. Nesta análise cerca de 7% de redução de emissões de GEE vem de IGCC, plantas supercríticas e ultra supercríticas e mais 16% a 20% de usinas de carvão equipadas com CCS. Um total de 23 – 27% da CCT/CCS. Isto é mais do que solar ou tecnologias de vento que deverão entregar 16% e 11% dos cortes necessários respectivamente. Com base na sua análise, a AIE afirmou: não é possível reduzir para metade as emissões de CO2 até 2050 sem CCS. Os custos de mitigação em 2050 seriam mais do que 70% a.a. superiores sem carvão + CCS no mix.  Nobuo Tanaka ex-diretor do AIE afirmou, "a implantação da CCS  deve ser uma prova decisiva para a seriedade dos negociadores a lidar com a mudança climática”. 

Os críticos de CCS dizem muitas vezes que está demorando muito. Mas tenho que dizer que os fatos demonstram que todas as soluções do clima estão bem atrasadas. A AIE tem calculado (2008) que você precisaria estar construindo 35 usinas de carvão CCS por ano para manter abaixo de 2 graus neste século o aquecimento global. Mas ela também calculou que precisaríamos estar construindo, ao mesmo tempo, 20 plantas de gás com CCS por ano; + 32 usinas nucleares, + instalação 1/5 da capacidade de hidraulicas do Canadá por ano; + 17.000 turbinas eólicas por ano, e assim por diante. Se o mundo é sério sobre a luta contra a mudança climática deveria estar implantando todas essas tecnologias em escala e reduzindo custos. No entanto, em comparação com outras tecnologias de baixo carbono o CCS está subfinanciado. Se CCT + CCS estão respondendo por cerca de 25% da resposta, porque os governos não investem nesse nível?  Os  projetos de energia renovável e nuclear (excluindo a hidreletricidade) recebem US$ 45 bilhões e US$ 27 bilhões respectivamente cada ano. Em comparação com isto, desde 2005 só US$ 12,2 bilhões foi disponibilizado para financiar a demonstração da CCS. 

A lacuna de financiamento é estarrecedora. Na verdade, nem iria tão longe como a dizer que a lacuna globalmente entre retórica política sobre mudança do clima e a direção dos investimentos governamentais nas soluções é irresponsável. E ainda reflete a opinião pública – massageada pelas elites políticas – que acreditam que as energias renováveis são o futuro. Muitos acreditam que a quota de energias renováveis no futuro próximo será de 30% ou mais. Na verdade é mais provável que será 14-15%. Olhando para a história. A AIE diz-nos que, em 1971, a contribuição das energias renováveis de energia global foi de 13,2%.  Depois de 40 anos é realmente menor – 12,99%. O ambientalista cético, Bjorn Lomborg, argumenta que a humanidade passou séculos ficando longe de fontes de energia renováveis. Ele ressalta que, em 1800, o mundo obteve 94% de sua energia proveniente de fontes renováveis e que esse número tem vindo a diminuir desde então. O Reino Unido estabeleceu seu recorde para energia eólica em 1804, quando sua participação atingiu 2,5% – quase três vezes o seu nível hoje. Com certeza a energia eólica e solar têm aumentado dramaticamente nos últimos anos. Mas o crescimento tem sido de quase nada para um pouco mais de quase nada. Em 1990, o vento produziu 0.0038% de energia do mundo, agora está produzindo 0,29%. Solar-elétrico foi essencialmente zero para 0,04%.  

O amigo do Al Gore, Jim Hansen admite, "Sugerindo que as energias renováveis irão nos deixar rapidamente sem o uso dos combustíveis fósseis em os EUA, China, Índia ou no mundo como um todo é quase o equivalente a acreditar no coelho da Páscoa e na fada madrinha". Em outro flash momentâneo de franqueza, o Sr. Hansen também oferece uma visão sobre seu próprio equilíbrio pessoal entre a redução da pobreza e mudanças climáticas. Ele disse (maio de 2013) "se você deixar outros países com o consumo do nível do mundo desenvolvido, então o planeta acaba". A Associação Mundial do Carvão acredita que efetivamente combater o aquecimento global não deve vir em detrimento da erradicação da pobreza e desenvolvimento. Acreditamos que o mundo enfrenta muitos desafios globais. Acreditamos que a solução para um não deve exacerbar a outra. Sabemos que os críticos da nossa indústria são muitos, mas em nossos corações sabemos também que carvão serve ao progresso, constrói futuros e fornece a luz para um mundo que de outra forma seria mais escuro e mais frio. 

Não é sem seus desafios, mas a realidade é que nosso futuro passa pelos combustíveis e pelo carvão. A administração americana não é amiga de indústria do carvão, mas o atual secretário de energia, Ernest Moniz, pelo menos sabe a importância do carvão e compreende a equação da energia e das alterações climáticas. Moniz entende a realidade da energia. Ele diz: "nenhuma discussão da segurança energética dos EUA e a redução das emissões de CO2 é completa sem falar sobre carvão – e as tecnologias que permitirão usar este recurso de forma mais eficiente e com menos emissões de gases de efeito estufa". Qualquer esforço sério para proteger nossas crianças contra os piores efeitos da mudança climática também deve incluir, desenvolver, demonstrar e implantar as tecnologias para usar nossos recursos abundantes combustíveis fósseis tão limpa quanto possível. Para Moniz as opiniões refletem o necessidade de equilíbrio entre as prioridades ambientais com segurança e crescimento econômico. Só podemos esperar que elas prevaleçam. Para que as políticas de Governo nas áreas de energia e do ambiente sejam eficazes e sustentáveis, precisam se basear em fatos. Elas precisam equilibrar as prioridades ambientais a com segurança e crescimento econômico. E eles precisam distinguir entre realidade e ideologia.

Milton Catelin, Presidente da Associação Mundial do Carvão - Gramado/RS. 23.08.2013

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351