Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 171
    [i_conteudo] => 171
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2013-09-04
    [dt_conteudo] => 2013-09-04
    [4] => Termômetro do Setor
    [titulo] => Termômetro do Setor
    [5] => Solos
    [autor] => Solos
    [6] => Nenhum empreendimento térmico gaúcho a carvão foi comercializado no leilão de energia A-5, do governo federal. Apesar de habilitado, após cinco anos de impedimento, houve dúvidas quanto à possibilidade de vender a energia diante do preço máximo estabelecido, considerado baixo pelos empreendedores. As expectativas do Rio Grande do Sul nos leilões energéticos se iniciaram com cinco projetos termelétricos maturados visando à inclusão nos certames. Desses, dois estavam aptos a participar.
    [resumo] => Nenhum empreendimento térmico gaúcho a carvão foi comercializado no leilão de energia A-5, do governo federal. Apesar de habilitado, após cinco anos de impedimento, houve dúvidas quanto à possibilidade de vender a energia diante do preço máximo estabelecido, considerado baixo pelos empreendedores. As expectativas do Rio Grande do Sul nos leilões energéticos se iniciaram com cinco projetos termelétricos maturados visando à inclusão nos certames. Desses, dois estavam aptos a participar.
    [7] => 

Embora pareça frustrante num primeiro momento, esse primeiro leilão A-5 funcionou como termômetro do setor e oportunizou uma melhor avaliação do mercado sobre a geração a carvão. Trouxe à tona a discussão sobre as reais necessidades do país em alavancar as potencialidades do mineral como fonte energética e os cuidados existentes com o ambiente.

É fundamental ao Brasil esse repensar da matriz energética incluindo o carvão mineral como fonte alternativa e confiável na geração de energia firme em relação ao aumento de demanda. Um dos principais méritos do leilão foi contrapor ideias ultrapassadas e possibilitar uma análise aprofundada das barreiras que finalmente vêm sendo derrubadas. À medida que os estigmas são revistos e contrapostos em relação a novas tecnologias de queima e de sustentabilidade ambiental, o Estado amadurece a ideia de que não pode abrir mão dessa energia que está aos seus pés.

Longe de ser o monstro energético pintado por ambientalistas que têm por base uma época em que sequer existiam cuidados ambientais, o carvão mineral gaúcho provém de um complexo sistema de equilíbrio e aprimoramento tecnológico para redução no impacto da extração e queima.

É essencial a participação de empreendimentos termelétricos na próxima disputa a ser realizada em dezembro. O enorme potencial gaúcho já contabiliza os ganhos com a possibilidade aberta nos leilões A-5, atraindo investimentos capazes de alavancar a economia, gerando emprego, renda e uma produção constante.

O momento é de engajamento de toda a sociedade gaúcha. O Estado, com os projetos térmicos e eólicos existentes, pode passar de importador de energia para exportador, não só para o Brasil mas também para o Mercosul. O carvão mineral representa a segurança energética no presente e uma solução ao futuro do país.

Fonte: http://solos.com.br/node/787#.Uicl8DakrRF

[conteudo] =>

Embora pareça frustrante num primeiro momento, esse primeiro leilão A-5 funcionou como termômetro do setor e oportunizou uma melhor avaliação do mercado sobre a geração a carvão. Trouxe à tona a discussão sobre as reais necessidades do país em alavancar as potencialidades do mineral como fonte energética e os cuidados existentes com o ambiente.

É fundamental ao Brasil esse repensar da matriz energética incluindo o carvão mineral como fonte alternativa e confiável na geração de energia firme em relação ao aumento de demanda. Um dos principais méritos do leilão foi contrapor ideias ultrapassadas e possibilitar uma análise aprofundada das barreiras que finalmente vêm sendo derrubadas. À medida que os estigmas são revistos e contrapostos em relação a novas tecnologias de queima e de sustentabilidade ambiental, o Estado amadurece a ideia de que não pode abrir mão dessa energia que está aos seus pés.

Longe de ser o monstro energético pintado por ambientalistas que têm por base uma época em que sequer existiam cuidados ambientais, o carvão mineral gaúcho provém de um complexo sistema de equilíbrio e aprimoramento tecnológico para redução no impacto da extração e queima.

É essencial a participação de empreendimentos termelétricos na próxima disputa a ser realizada em dezembro. O enorme potencial gaúcho já contabiliza os ganhos com a possibilidade aberta nos leilões A-5, atraindo investimentos capazes de alavancar a economia, gerando emprego, renda e uma produção constante.

O momento é de engajamento de toda a sociedade gaúcha. O Estado, com os projetos térmicos e eólicos existentes, pode passar de importador de energia para exportador, não só para o Brasil mas também para o Mercosul. O carvão mineral representa a segurança energética no presente e uma solução ao futuro do país.

Fonte: http://solos.com.br/node/787#.Uicl8DakrRF

[8] => Termômetro, ABCM [palavra_chave] => Termômetro, ABCM [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2013-09-04 09:22:32 [dt_sistema] => 2013-09-04 09:22:32 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Termômetro do Setor

04/09/2013

Solos

Embora pareça frustrante num primeiro momento, esse primeiro leilão A-5 funcionou como termômetro do setor e oportunizou uma melhor avaliação do mercado sobre a geração a carvão. Trouxe à tona a discussão sobre as reais necessidades do país em alavancar as potencialidades do mineral como fonte energética e os cuidados existentes com o ambiente.

É fundamental ao Brasil esse repensar da matriz energética incluindo o carvão mineral como fonte alternativa e confiável na geração de energia firme em relação ao aumento de demanda. Um dos principais méritos do leilão foi contrapor ideias ultrapassadas e possibilitar uma análise aprofundada das barreiras que finalmente vêm sendo derrubadas. À medida que os estigmas são revistos e contrapostos em relação a novas tecnologias de queima e de sustentabilidade ambiental, o Estado amadurece a ideia de que não pode abrir mão dessa energia que está aos seus pés.

Longe de ser o monstro energético pintado por ambientalistas que têm por base uma época em que sequer existiam cuidados ambientais, o carvão mineral gaúcho provém de um complexo sistema de equilíbrio e aprimoramento tecnológico para redução no impacto da extração e queima.

É essencial a participação de empreendimentos termelétricos na próxima disputa a ser realizada em dezembro. O enorme potencial gaúcho já contabiliza os ganhos com a possibilidade aberta nos leilões A-5, atraindo investimentos capazes de alavancar a economia, gerando emprego, renda e uma produção constante.

O momento é de engajamento de toda a sociedade gaúcha. O Estado, com os projetos térmicos e eólicos existentes, pode passar de importador de energia para exportador, não só para o Brasil mas também para o Mercosul. O carvão mineral representa a segurança energética no presente e uma solução ao futuro do país.

Fonte: http://solos.com.br/node/787#.Uicl8DakrRF

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351