Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 169
    [i_conteudo] => 169
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2013-09-04
    [dt_conteudo] => 2013-09-04
    [4] => Preço inviabilizou térmica a carvão
    [titulo] => Preço inviabilizou térmica a carvão
    [5] => Solos
    [autor] => Solos
    [6] => O preço máximo de R$ 140 pelo megawatt/hora que o governo estabeleceu para o leilão de usinas térmicas realizado ontem, somado à forte valorização do dólar, comprometeram o sucesso das usinas a carvão. "Não havia como ofertar uma usina a carvão por menos de R$ 170 o megawatt/hora", disse o presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), Luiz Fernando Zancan.
    [resumo] => O preço máximo de R$ 140 pelo megawatt/hora que o governo estabeleceu para o leilão de usinas térmicas realizado ontem, somado à forte valorização do dólar, comprometeram o sucesso das usinas a carvão. "Não havia como ofertar uma usina a carvão por menos de R$ 170 o megawatt/hora", disse o presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), Luiz Fernando Zancan.
    [7] => 

Na avaliação da associação, o governo foi avisado de que o preço estava baixo demais, mas, mesmo assim, decidiu levar três projetos a leilão. "Não coube no preço, mas o governo resolveu testar o mercado. Já havíamos sinalizado que não era possível", disse Zancan.

Segundo o presidente da ABCM, o câmbio ajudou a comprometer competitividade das usinas a carvão, já que praticamente toda a infraestrutura desses usinas tem de ser importada. Em sua avaliação, as térmicas a carvão devem competir apenas com usinas a gás, e não com biomassa, que obtiveram preços abaixo dos R$ 140. Apesar do resultado, ele diz que os investidores não saem frustrados.

"O governo tem de rever a matriz energética e está entendendo isso. Dá para concorrer com gás. Houve reconhecimento que é necessário que o carvão volte a entrar no setor, mas faltou se ajustar ao tom do mercado", disse. O executivo afirmou que tem a expectativa de que os projetos retornem em dezembro, no próximo leilão A-5.

A previsão do setor é de que podem ser gerados negócios de cerca de R$ 10 bilhões com a construção das três usinas térmicas. Apesar de serem crucificadas pela alta geração de gás carbônico que lançam no ar, essas térmicas cumpriram todo o ritual do licenciamento ambiental e têm autorização para entrarem em operação. Elas não foram construídas, porém, porque o governo não realiza um leilão para térmicas de carvão desde 2008.

Hoje, a capacidade instalada das térmicas a carvão do país é de 3.205 MW, geração que tem sido utilizada a plena carga. Na matriz energética, isso equivale a 2,5% da geração nacional. Se forem mantidas as projeções do governo feitas até 2012, esse índice cairia para 1,8%, com o crescimento projetado de outras fontes.

Fonte: http://solos.com.br/node/785#.UickSzakrRF

[conteudo] =>

Na avaliação da associação, o governo foi avisado de que o preço estava baixo demais, mas, mesmo assim, decidiu levar três projetos a leilão. "Não coube no preço, mas o governo resolveu testar o mercado. Já havíamos sinalizado que não era possível", disse Zancan.

Segundo o presidente da ABCM, o câmbio ajudou a comprometer competitividade das usinas a carvão, já que praticamente toda a infraestrutura desses usinas tem de ser importada. Em sua avaliação, as térmicas a carvão devem competir apenas com usinas a gás, e não com biomassa, que obtiveram preços abaixo dos R$ 140. Apesar do resultado, ele diz que os investidores não saem frustrados.

"O governo tem de rever a matriz energética e está entendendo isso. Dá para concorrer com gás. Houve reconhecimento que é necessário que o carvão volte a entrar no setor, mas faltou se ajustar ao tom do mercado", disse. O executivo afirmou que tem a expectativa de que os projetos retornem em dezembro, no próximo leilão A-5.

A previsão do setor é de que podem ser gerados negócios de cerca de R$ 10 bilhões com a construção das três usinas térmicas. Apesar de serem crucificadas pela alta geração de gás carbônico que lançam no ar, essas térmicas cumpriram todo o ritual do licenciamento ambiental e têm autorização para entrarem em operação. Elas não foram construídas, porém, porque o governo não realiza um leilão para térmicas de carvão desde 2008.

Hoje, a capacidade instalada das térmicas a carvão do país é de 3.205 MW, geração que tem sido utilizada a plena carga. Na matriz energética, isso equivale a 2,5% da geração nacional. Se forem mantidas as projeções do governo feitas até 2012, esse índice cairia para 1,8%, com o crescimento projetado de outras fontes.

Fonte: http://solos.com.br/node/785#.UickSzakrRF

[8] => Térmica, Carvão, ABCM [palavra_chave] => Térmica, Carvão, ABCM [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2013-09-04 09:15:42 [dt_sistema] => 2013-09-04 09:15:42 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Preço inviabilizou térmica a carvão

04/09/2013

Solos

Na avaliação da associação, o governo foi avisado de que o preço estava baixo demais, mas, mesmo assim, decidiu levar três projetos a leilão. "Não coube no preço, mas o governo resolveu testar o mercado. Já havíamos sinalizado que não era possível", disse Zancan.

Segundo o presidente da ABCM, o câmbio ajudou a comprometer competitividade das usinas a carvão, já que praticamente toda a infraestrutura desses usinas tem de ser importada. Em sua avaliação, as térmicas a carvão devem competir apenas com usinas a gás, e não com biomassa, que obtiveram preços abaixo dos R$ 140. Apesar do resultado, ele diz que os investidores não saem frustrados.

"O governo tem de rever a matriz energética e está entendendo isso. Dá para concorrer com gás. Houve reconhecimento que é necessário que o carvão volte a entrar no setor, mas faltou se ajustar ao tom do mercado", disse. O executivo afirmou que tem a expectativa de que os projetos retornem em dezembro, no próximo leilão A-5.

A previsão do setor é de que podem ser gerados negócios de cerca de R$ 10 bilhões com a construção das três usinas térmicas. Apesar de serem crucificadas pela alta geração de gás carbônico que lançam no ar, essas térmicas cumpriram todo o ritual do licenciamento ambiental e têm autorização para entrarem em operação. Elas não foram construídas, porém, porque o governo não realiza um leilão para térmicas de carvão desde 2008.

Hoje, a capacidade instalada das térmicas a carvão do país é de 3.205 MW, geração que tem sido utilizada a plena carga. Na matriz energética, isso equivale a 2,5% da geração nacional. Se forem mantidas as projeções do governo feitas até 2012, esse índice cairia para 1,8%, com o crescimento projetado de outras fontes.

Fonte: http://solos.com.br/node/785#.UickSzakrRF

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351