Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 156
    [i_conteudo] => 156
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2013-08-21
    [dt_conteudo] => 2013-08-21
    [4] => Usitesc na expectativa do leilão de energia
    [titulo] => Usitesc na expectativa do leilão de energia
    [5] => Solos
    [autor] => Solos
    [6] => Com a proximidade do leilão de energia A-5, marcado para o próximo 29 de agosto, a expectativa em torno da Usina Termelétrica Sul – Catarinense (Usitesc), em Treviso, só aumenta. A possibilidade de vitória deve viabilizar o projeto, que tem capacidade para geração de 330 MW. Caso vença a injeção de investimentos na construção da usina chegam a R$ 2 bilhões.
    [resumo] => Com a proximidade do leilão de energia A-5, marcado para o próximo 29 de agosto, a expectativa em torno da Usina Termelétrica Sul – Catarinense (Usitesc), em Treviso, só aumenta. A possibilidade de vitória deve viabilizar o projeto, que tem capacidade para geração de 330 MW. Caso vença a injeção de investimentos na construção da usina chegam a R$ 2 bilhões.
    [7] => 

O presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, também secretário executivo do Sindicato da Indústria de Extração de Carvão Mineral (Siecesc), explica que o governo federal ainda não revelou os indicadores de preço, o que deverá acontecer até o final desta semana.

“Se for de uma forma que nos prejudique, poderemos não ter sucesso no leilão”, comenta Zancan. A possibilidade ficaria então para o final do ano, em 13 de dezembro, segunda data em que serão realizados os certames nos quais o combustível fóssil poderá participar novamente.

Ações bem encaminhadas

Algumas ações realizadas para tornar o mineral mais competitivo, antes da realização do leilão, estão bem encaminhadas. Questões como preço de energia e financiamento deverão definir os resultados do leilão.
Uma delas é o que se refere as novas regras de financiamentos através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Conforme Zancan, há uma confirmação da assessoria do Banco que novas regras de isonomia foram aprovadas. Parlamentares que integram a Frente Parlamentar do Carvão Mineral também estiveram reunidas com o ministro de Minas e Energia, Édison Lobão.

A reivindicação ao ministro é para que leve até a presidente da República, Dilma Rousseff, a importância da publicação do decreto presidencial de isenção do Pis e Cofins, barateando o custo da matéria-prima para o carvão mineral.

Existem também tratativas com o governo estadual sobre incentivos a matriz energética. Para que os empreendimentos a carvão possam concorrer e serem vitorioso devem apresentar valores mais competitivos de geração do que concorrentes como hidrelétricas, biomassa (matéria orgânica) e gás natural.

Fonte: http://solos.com.br/node/756#.UhSr0ZLqkdx

[conteudo] =>

O presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, também secretário executivo do Sindicato da Indústria de Extração de Carvão Mineral (Siecesc), explica que o governo federal ainda não revelou os indicadores de preço, o que deverá acontecer até o final desta semana.

“Se for de uma forma que nos prejudique, poderemos não ter sucesso no leilão”, comenta Zancan. A possibilidade ficaria então para o final do ano, em 13 de dezembro, segunda data em que serão realizados os certames nos quais o combustível fóssil poderá participar novamente.

Ações bem encaminhadas

Algumas ações realizadas para tornar o mineral mais competitivo, antes da realização do leilão, estão bem encaminhadas. Questões como preço de energia e financiamento deverão definir os resultados do leilão.
Uma delas é o que se refere as novas regras de financiamentos através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Conforme Zancan, há uma confirmação da assessoria do Banco que novas regras de isonomia foram aprovadas. Parlamentares que integram a Frente Parlamentar do Carvão Mineral também estiveram reunidas com o ministro de Minas e Energia, Édison Lobão.

A reivindicação ao ministro é para que leve até a presidente da República, Dilma Rousseff, a importância da publicação do decreto presidencial de isenção do Pis e Cofins, barateando o custo da matéria-prima para o carvão mineral.

Existem também tratativas com o governo estadual sobre incentivos a matriz energética. Para que os empreendimentos a carvão possam concorrer e serem vitorioso devem apresentar valores mais competitivos de geração do que concorrentes como hidrelétricas, biomassa (matéria orgânica) e gás natural.

Fonte: http://solos.com.br/node/756#.UhSr0ZLqkdx

[8] => Usitesc, ABCM [palavra_chave] => Usitesc, ABCM [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2013-08-21 09:00:41 [dt_sistema] => 2013-08-21 09:00:41 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Usitesc na expectativa do leilão de energia

21/08/2013

Solos

O presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, também secretário executivo do Sindicato da Indústria de Extração de Carvão Mineral (Siecesc), explica que o governo federal ainda não revelou os indicadores de preço, o que deverá acontecer até o final desta semana.

“Se for de uma forma que nos prejudique, poderemos não ter sucesso no leilão”, comenta Zancan. A possibilidade ficaria então para o final do ano, em 13 de dezembro, segunda data em que serão realizados os certames nos quais o combustível fóssil poderá participar novamente.

Ações bem encaminhadas

Algumas ações realizadas para tornar o mineral mais competitivo, antes da realização do leilão, estão bem encaminhadas. Questões como preço de energia e financiamento deverão definir os resultados do leilão.
Uma delas é o que se refere as novas regras de financiamentos através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Conforme Zancan, há uma confirmação da assessoria do Banco que novas regras de isonomia foram aprovadas. Parlamentares que integram a Frente Parlamentar do Carvão Mineral também estiveram reunidas com o ministro de Minas e Energia, Édison Lobão.

A reivindicação ao ministro é para que leve até a presidente da República, Dilma Rousseff, a importância da publicação do decreto presidencial de isenção do Pis e Cofins, barateando o custo da matéria-prima para o carvão mineral.

Existem também tratativas com o governo estadual sobre incentivos a matriz energética. Para que os empreendimentos a carvão possam concorrer e serem vitorioso devem apresentar valores mais competitivos de geração do que concorrentes como hidrelétricas, biomassa (matéria orgânica) e gás natural.

Fonte: http://solos.com.br/node/756#.UhSr0ZLqkdx

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351