Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 116
    [i_conteudo] => 116
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2013-07-23
    [dt_conteudo] => 2013-07-23
    [4] => Saída de Eike Batista põe instalação de usinas em Candiota em risco
    [titulo] => Saída de Eike Batista põe instalação de usinas em Candiota em risco
    [5] => Solos
    [autor] => Solos
    [6] => Grupo alemão E.ON assumiu a presidência da MPX, companhia com projetos para instalar duas termelétricas no sul do Estado
    [resumo] => Grupo alemão E.ON assumiu a presidência da MPX, companhia com projetos para instalar duas termelétricas no sul do Estado
    [7] => 

Com a saída de Eike Batista da presidência da MPX, anunciada nesta quinta-feira, surgem dúvidas quanto ao futuro dos negócios da empresa de energia no Rio Grande do Sul. A chegada da alemã E.ON ao comando poderá paralisar os planos confirmados em março de participar do próximo leilão de energia a carvão com dois projetos no Estado.

Os projetos da MPX no Estado somam R$ 6,8 bilhões e envolvem usinas no município de Candiota, na região da Campanha. Embora já fosse sócia de Eike na MPX, e portanto tivesse conhecimento do planejamento, ao assumir o controle a E.ON poderá rever orçamento e estrutura financeira dos planos, explica Eduardo Carlier, gestor da unidade brasileira da administradora de recursos Schroders PLC:

– Dado o momento de reestruturação do Grupo EBX (da qual a MPX faz parte), é uma tendência natural que o novo controlador arrume a configuração da empresa antes de rever orçamentos e planos.

Analista do BB Investimentos, Nataniel Cezimbra concorda que a mudança no comando da companhia abre margem para a reavaliação dos projetos, com os novos gestores voltados, inicialmente, à reorganização das contas da empresa para só depois fazer investimentos.

– Os novos controladores terão de priorizar a renegociação de dívidas e o equilíbrio do balanço financeiro. Não tenho certeza se o plano de negócios está em discussão neste momento – explica Cezimbra.

Cogita-se que a dívida da MPX com bancos chegue a R$ 3 bilhões.

A atração desses investimentos ao Rio Grande do Sul pode esbarrar no tempo: as inscrições para o próximo leilão de energia, no dia 29 de agosto, encerram-se na próxima segunda-feira. Será o limite para saber se a MPX irá participar, e quais condições estará disposta a aceitar para gerar energia por carvão.

– Se o governo federal primar pela isonomia de condições (no Nordeste há benefícios adicionais a projetos de energia), o leilão será rentável e não haverá motivos para a E.ON não participar – afirma o presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral, Fernando Luiz Zancan.

Governo gaúcho avalia que troca de gestores é positiva

O governo do Estado segue otimista com a chegada das usinas de carvão da antiga companhia de Eike. Conforme Marco Franceschi, diretor de infraestrutura e energia da Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), a troca no comando ajudará os projetos a saírem do papel, uma vez que a entrada de um grupo internacional poderá sustentar financeiramente o empreendimento – a chegada da E.ON envolveu aumento de capital de R$ 800 milhões.

– A saída de Eike ajuda a arejar a empresa. Conhecemos a reputação da E.ON, e ao injetar mais recursos a multinacional demonstra a intenção de viabilizar os projetos – avalia o diretor da AGDI.

No dia 12 de junho, o governo do Estado havia anunciado redução de imposto para empresas que fornecerão às indústrias, de forma a tornar o projeto mais barato e competitivo no leilão de agosto.

Os negócios da MPX estão concentrados em Candiota, na região da Campanha

Usina Seival

O projeto da térmica de Seival foi adquirido em novembro de 2010 e tem licença de instalação (LI) de 600 MW. Será abastecida por carvão da mina de Seival, empreendimento da MPX em parceria com a Copelmi.

Devem ser investidos R$ 3,1 bilhões no empreendimento, com a criação de 2,5 mil vagas de trabalho durante a implantação e 200 na operação.

Mina de Seival

Localizada em Candiota, a mina de Seival está instalada em terreno ao lado da usina termelétrica MPX Sul.

Suas reservas comprovadas do combustível chegam a 152 milhões de toneladas, quantidade superior à necessária para o funcionamento das duas usinas.

A mina terá a produção reativada em razão dos dois empreendimentos.

Usina MPX Sul

A usina termelétrica MPX Sul terá potência instalada de 727 MW, com duas unidades geradoras de 363,5 MW. Será abastecida pela mina de Seival.

O empreendimento conta com licença prévia (LP) do Ibama.

O investimento previsto é de R$ 3,7 bilhões, e implantação deve gerar 2,5 mil empregos durante as obras e 200 na fase operacional.

Preste atenção

Para que o investimento saia do papel, é preciso que os projetos vençam leilão promovido pelo governo federal.

A próxima disputa, que envolve todo o país, está agendada para o dia 29 de agosto.

Ganha quem oferecer o menor custo de geração.

Há previsão de que seja realizado um segundo leilão até o final do ano.

Ascensão e queda das empresas X

Na bolsa

Em 2006, Eike Batista abre o capital da MMX. Nos seis anos seguintes, lançou mais cinco companhias na bolsa.

Recorde no pregão

Em junho de 2008, Eike fez, até então, a maior oferta de lançamento de papéis da Bovespa, alcançando R$ 6,7 bilhões. Segundo analistas, a demanda foi 10 vezes maior que a oferta.

Inferno astral

Os atrasos na fase de entrega dos projetos – que criou e vendeu por bilhões – aumentou o ceticismo em relação ao potencial dos negócios de Eike. O ano de 2012 é marcado pela queda no valor das ações das empresas do grupo EBX.

Perto de virar pó

No final de junho de 2013, as ações das empresas do Grupo EBX voltam a desabar, em razão de novas revisões no plano de negócios e ao rebaixamento das notas por agências da classificação de risco.

Troca de comando

Nesta quinta, o braço de energia MPX comunica a saída de Eike Batista da presidência, que passa a ser ocupada pela multinacional alemã E.ON.

Fonte: http://solos.com.br/node/685#.Ue5_Ufnqkdx

[conteudo] =>

Com a saída de Eike Batista da presidência da MPX, anunciada nesta quinta-feira, surgem dúvidas quanto ao futuro dos negócios da empresa de energia no Rio Grande do Sul. A chegada da alemã E.ON ao comando poderá paralisar os planos confirmados em março de participar do próximo leilão de energia a carvão com dois projetos no Estado.

Os projetos da MPX no Estado somam R$ 6,8 bilhões e envolvem usinas no município de Candiota, na região da Campanha. Embora já fosse sócia de Eike na MPX, e portanto tivesse conhecimento do planejamento, ao assumir o controle a E.ON poderá rever orçamento e estrutura financeira dos planos, explica Eduardo Carlier, gestor da unidade brasileira da administradora de recursos Schroders PLC:

– Dado o momento de reestruturação do Grupo EBX (da qual a MPX faz parte), é uma tendência natural que o novo controlador arrume a configuração da empresa antes de rever orçamentos e planos.

Analista do BB Investimentos, Nataniel Cezimbra concorda que a mudança no comando da companhia abre margem para a reavaliação dos projetos, com os novos gestores voltados, inicialmente, à reorganização das contas da empresa para só depois fazer investimentos.

– Os novos controladores terão de priorizar a renegociação de dívidas e o equilíbrio do balanço financeiro. Não tenho certeza se o plano de negócios está em discussão neste momento – explica Cezimbra.

Cogita-se que a dívida da MPX com bancos chegue a R$ 3 bilhões.

A atração desses investimentos ao Rio Grande do Sul pode esbarrar no tempo: as inscrições para o próximo leilão de energia, no dia 29 de agosto, encerram-se na próxima segunda-feira. Será o limite para saber se a MPX irá participar, e quais condições estará disposta a aceitar para gerar energia por carvão.

– Se o governo federal primar pela isonomia de condições (no Nordeste há benefícios adicionais a projetos de energia), o leilão será rentável e não haverá motivos para a E.ON não participar – afirma o presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral, Fernando Luiz Zancan.

Governo gaúcho avalia que troca de gestores é positiva

O governo do Estado segue otimista com a chegada das usinas de carvão da antiga companhia de Eike. Conforme Marco Franceschi, diretor de infraestrutura e energia da Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), a troca no comando ajudará os projetos a saírem do papel, uma vez que a entrada de um grupo internacional poderá sustentar financeiramente o empreendimento – a chegada da E.ON envolveu aumento de capital de R$ 800 milhões.

– A saída de Eike ajuda a arejar a empresa. Conhecemos a reputação da E.ON, e ao injetar mais recursos a multinacional demonstra a intenção de viabilizar os projetos – avalia o diretor da AGDI.

No dia 12 de junho, o governo do Estado havia anunciado redução de imposto para empresas que fornecerão às indústrias, de forma a tornar o projeto mais barato e competitivo no leilão de agosto.

Os negócios da MPX estão concentrados em Candiota, na região da Campanha

Usina Seival

O projeto da térmica de Seival foi adquirido em novembro de 2010 e tem licença de instalação (LI) de 600 MW. Será abastecida por carvão da mina de Seival, empreendimento da MPX em parceria com a Copelmi.

Devem ser investidos R$ 3,1 bilhões no empreendimento, com a criação de 2,5 mil vagas de trabalho durante a implantação e 200 na operação.

Mina de Seival

Localizada em Candiota, a mina de Seival está instalada em terreno ao lado da usina termelétrica MPX Sul.

Suas reservas comprovadas do combustível chegam a 152 milhões de toneladas, quantidade superior à necessária para o funcionamento das duas usinas.

A mina terá a produção reativada em razão dos dois empreendimentos.

Usina MPX Sul

A usina termelétrica MPX Sul terá potência instalada de 727 MW, com duas unidades geradoras de 363,5 MW. Será abastecida pela mina de Seival.

O empreendimento conta com licença prévia (LP) do Ibama.

O investimento previsto é de R$ 3,7 bilhões, e implantação deve gerar 2,5 mil empregos durante as obras e 200 na fase operacional.

Preste atenção

Para que o investimento saia do papel, é preciso que os projetos vençam leilão promovido pelo governo federal.

A próxima disputa, que envolve todo o país, está agendada para o dia 29 de agosto.

Ganha quem oferecer o menor custo de geração.

Há previsão de que seja realizado um segundo leilão até o final do ano.

Ascensão e queda das empresas X

Na bolsa

Em 2006, Eike Batista abre o capital da MMX. Nos seis anos seguintes, lançou mais cinco companhias na bolsa.

Recorde no pregão

Em junho de 2008, Eike fez, até então, a maior oferta de lançamento de papéis da Bovespa, alcançando R$ 6,7 bilhões. Segundo analistas, a demanda foi 10 vezes maior que a oferta.

Inferno astral

Os atrasos na fase de entrega dos projetos – que criou e vendeu por bilhões – aumentou o ceticismo em relação ao potencial dos negócios de Eike. O ano de 2012 é marcado pela queda no valor das ações das empresas do grupo EBX.

Perto de virar pó

No final de junho de 2013, as ações das empresas do Grupo EBX voltam a desabar, em razão de novas revisões no plano de negócios e ao rebaixamento das notas por agências da classificação de risco.

Troca de comando

Nesta quinta, o braço de energia MPX comunica a saída de Eike Batista da presidência, que passa a ser ocupada pela multinacional alemã E.ON.

Fonte: http://solos.com.br/node/685#.Ue5_Ufnqkdx

[8] => Eike Batista, ABCM [palavra_chave] => Eike Batista, ABCM [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2013-07-23 10:04:23 [dt_sistema] => 2013-07-23 10:04:23 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Saída de Eike Batista põe instalação de usinas em Candiota em risco

23/07/2013

Solos

Com a saída de Eike Batista da presidência da MPX, anunciada nesta quinta-feira, surgem dúvidas quanto ao futuro dos negócios da empresa de energia no Rio Grande do Sul. A chegada da alemã E.ON ao comando poderá paralisar os planos confirmados em março de participar do próximo leilão de energia a carvão com dois projetos no Estado.

Os projetos da MPX no Estado somam R$ 6,8 bilhões e envolvem usinas no município de Candiota, na região da Campanha. Embora já fosse sócia de Eike na MPX, e portanto tivesse conhecimento do planejamento, ao assumir o controle a E.ON poderá rever orçamento e estrutura financeira dos planos, explica Eduardo Carlier, gestor da unidade brasileira da administradora de recursos Schroders PLC:

– Dado o momento de reestruturação do Grupo EBX (da qual a MPX faz parte), é uma tendência natural que o novo controlador arrume a configuração da empresa antes de rever orçamentos e planos.

Analista do BB Investimentos, Nataniel Cezimbra concorda que a mudança no comando da companhia abre margem para a reavaliação dos projetos, com os novos gestores voltados, inicialmente, à reorganização das contas da empresa para só depois fazer investimentos.

– Os novos controladores terão de priorizar a renegociação de dívidas e o equilíbrio do balanço financeiro. Não tenho certeza se o plano de negócios está em discussão neste momento – explica Cezimbra.

Cogita-se que a dívida da MPX com bancos chegue a R$ 3 bilhões.

A atração desses investimentos ao Rio Grande do Sul pode esbarrar no tempo: as inscrições para o próximo leilão de energia, no dia 29 de agosto, encerram-se na próxima segunda-feira. Será o limite para saber se a MPX irá participar, e quais condições estará disposta a aceitar para gerar energia por carvão.

– Se o governo federal primar pela isonomia de condições (no Nordeste há benefícios adicionais a projetos de energia), o leilão será rentável e não haverá motivos para a E.ON não participar – afirma o presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral, Fernando Luiz Zancan.

Governo gaúcho avalia que troca de gestores é positiva

O governo do Estado segue otimista com a chegada das usinas de carvão da antiga companhia de Eike. Conforme Marco Franceschi, diretor de infraestrutura e energia da Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), a troca no comando ajudará os projetos a saírem do papel, uma vez que a entrada de um grupo internacional poderá sustentar financeiramente o empreendimento – a chegada da E.ON envolveu aumento de capital de R$ 800 milhões.

– A saída de Eike ajuda a arejar a empresa. Conhecemos a reputação da E.ON, e ao injetar mais recursos a multinacional demonstra a intenção de viabilizar os projetos – avalia o diretor da AGDI.

No dia 12 de junho, o governo do Estado havia anunciado redução de imposto para empresas que fornecerão às indústrias, de forma a tornar o projeto mais barato e competitivo no leilão de agosto.

Os negócios da MPX estão concentrados em Candiota, na região da Campanha

Usina Seival

O projeto da térmica de Seival foi adquirido em novembro de 2010 e tem licença de instalação (LI) de 600 MW. Será abastecida por carvão da mina de Seival, empreendimento da MPX em parceria com a Copelmi.

Devem ser investidos R$ 3,1 bilhões no empreendimento, com a criação de 2,5 mil vagas de trabalho durante a implantação e 200 na operação.

Mina de Seival

Localizada em Candiota, a mina de Seival está instalada em terreno ao lado da usina termelétrica MPX Sul.

Suas reservas comprovadas do combustível chegam a 152 milhões de toneladas, quantidade superior à necessária para o funcionamento das duas usinas.

A mina terá a produção reativada em razão dos dois empreendimentos.

Usina MPX Sul

A usina termelétrica MPX Sul terá potência instalada de 727 MW, com duas unidades geradoras de 363,5 MW. Será abastecida pela mina de Seival.

O empreendimento conta com licença prévia (LP) do Ibama.

O investimento previsto é de R$ 3,7 bilhões, e implantação deve gerar 2,5 mil empregos durante as obras e 200 na fase operacional.

Preste atenção

Para que o investimento saia do papel, é preciso que os projetos vençam leilão promovido pelo governo federal.

A próxima disputa, que envolve todo o país, está agendada para o dia 29 de agosto.

Ganha quem oferecer o menor custo de geração.

Há previsão de que seja realizado um segundo leilão até o final do ano.

Ascensão e queda das empresas X

Na bolsa

Em 2006, Eike Batista abre o capital da MMX. Nos seis anos seguintes, lançou mais cinco companhias na bolsa.

Recorde no pregão

Em junho de 2008, Eike fez, até então, a maior oferta de lançamento de papéis da Bovespa, alcançando R$ 6,7 bilhões. Segundo analistas, a demanda foi 10 vezes maior que a oferta.

Inferno astral

Os atrasos na fase de entrega dos projetos – que criou e vendeu por bilhões – aumentou o ceticismo em relação ao potencial dos negócios de Eike. O ano de 2012 é marcado pela queda no valor das ações das empresas do grupo EBX.

Perto de virar pó

No final de junho de 2013, as ações das empresas do Grupo EBX voltam a desabar, em razão de novas revisões no plano de negócios e ao rebaixamento das notas por agências da classificação de risco.

Troca de comando

Nesta quinta, o braço de energia MPX comunica a saída de Eike Batista da presidência, que passa a ser ocupada pela multinacional alemã E.ON.

Fonte: http://solos.com.br/node/685#.Ue5_Ufnqkdx

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351