Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 104
    [i_conteudo] => 104
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2013-06-26
    [dt_conteudo] => 2013-06-26
    [4] => Presidenta Dilma encaminha ao Congresso proposta de novo Marco Regulatório da Mineração
    [titulo] => Presidenta Dilma encaminha ao Congresso proposta de novo Marco Regulatório da Mineração
    [5] => DNPM - Assessoria de Comunicação Social
    [autor] => DNPM - Assessoria de Comunicação Social
    [6] => A presidenta da República, Dilma Rousseff, encaminhou, nesta terça-feira (18), em cerimônia no Palácio do Planalto, o novo marco regulatório da mineração ao Congresso Nacional.
    [resumo] => A presidenta da República, Dilma Rousseff, encaminhou, nesta terça-feira (18), em cerimônia no Palácio do Planalto, o novo marco regulatório da mineração ao Congresso Nacional.
    [7] => 

A presidenta da República, Dilma Rousseff, encaminhou, nesta terça-feira (18), em cerimônia no Palácio do Planalto, o novo marco regulatório da mineração ao Congresso Nacional. Entre as novidades anunciadas está a configuração da distribuição de royalties para metais nobres. Os municípios produtores ficarão com a maior fatia (65%). Os estados produtores ficarão com 23% e a União com 12%.

A alíquota da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) terá teto máximo de 4%. Além disso, será criado o Conselho Nacional de Política Mineral, órgão encarregado de assessorar a Presidência da República para as políticas do setor, com o objetivo de fortalecer sua participação no Produto Interno Bruto (PIB). O DNPM passará a exercer papel de agência reguladora do setor, sob o nome de Agência Nacional de Mineração.

“Este é um momento histórico para o Brasil, ao encaminhar para exame do Congresso Nacional o marco para o setor mineral. Isso atende a uma exigência incontornável do nosso tempo e um novo e largo horizonte para um dos setores fundamentais da vida brasileira. Apesar do vasto território e imensas riquezas minerais, o Brasil aproveita muito pouco [essas riquezas] e os 4% do [setor no] PIB demonstra essa assertiva”, disse o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, durante o lançamento da proposta do novo marco.

De acordo com a proposta apresentada pelo governo, a concessão será precedida de licitação para promover concorrência entre os agentes. “Essas concessões terão duração de 40 anos prorrogáveis por mais 20, sucessivamente”, disse o ministro. “Esse prazo terá renovação sucessiva, mas com obrigações  legais claras e ênfase na proteção do meio ambiente”, complementou a presidenta Dilma Rousseff.

Lobão disse que os operadores terão a obrigatoriedade de realizar “investimentos mínimos” nas áreas concedidas, e que o acesso às áreas será simplificado, “proporcionando o dinamismo que a cadeia requer”. O ministro reafirmou que o governo terá “respeito intransigente” a contratos e “regras claras para agentes envolvidos na atividade minerária”.

Também participaram da solenidade no Palácio do Planalto a Direção-Geral do DNPM, os diretores, superintendentes e servidores da autarquia.

Fonte: http://www.dnpm.gov.br/conteudo.asp?IDSecao=99&IDPagina=72&IDNoticiaNoticia=697

[conteudo] =>

A presidenta da República, Dilma Rousseff, encaminhou, nesta terça-feira (18), em cerimônia no Palácio do Planalto, o novo marco regulatório da mineração ao Congresso Nacional. Entre as novidades anunciadas está a configuração da distribuição de royalties para metais nobres. Os municípios produtores ficarão com a maior fatia (65%). Os estados produtores ficarão com 23% e a União com 12%.

A alíquota da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) terá teto máximo de 4%. Além disso, será criado o Conselho Nacional de Política Mineral, órgão encarregado de assessorar a Presidência da República para as políticas do setor, com o objetivo de fortalecer sua participação no Produto Interno Bruto (PIB). O DNPM passará a exercer papel de agência reguladora do setor, sob o nome de Agência Nacional de Mineração.

“Este é um momento histórico para o Brasil, ao encaminhar para exame do Congresso Nacional o marco para o setor mineral. Isso atende a uma exigência incontornável do nosso tempo e um novo e largo horizonte para um dos setores fundamentais da vida brasileira. Apesar do vasto território e imensas riquezas minerais, o Brasil aproveita muito pouco [essas riquezas] e os 4% do [setor no] PIB demonstra essa assertiva”, disse o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, durante o lançamento da proposta do novo marco.

De acordo com a proposta apresentada pelo governo, a concessão será precedida de licitação para promover concorrência entre os agentes. “Essas concessões terão duração de 40 anos prorrogáveis por mais 20, sucessivamente”, disse o ministro. “Esse prazo terá renovação sucessiva, mas com obrigações  legais claras e ênfase na proteção do meio ambiente”, complementou a presidenta Dilma Rousseff.

Lobão disse que os operadores terão a obrigatoriedade de realizar “investimentos mínimos” nas áreas concedidas, e que o acesso às áreas será simplificado, “proporcionando o dinamismo que a cadeia requer”. O ministro reafirmou que o governo terá “respeito intransigente” a contratos e “regras claras para agentes envolvidos na atividade minerária”.

Também participaram da solenidade no Palácio do Planalto a Direção-Geral do DNPM, os diretores, superintendentes e servidores da autarquia.

Fonte: http://www.dnpm.gov.br/conteudo.asp?IDSecao=99&IDPagina=72&IDNoticiaNoticia=697

[8] => presidenta, mineração, congresso [palavra_chave] => presidenta, mineração, congresso [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2013-06-26 14:38:18 [dt_sistema] => 2013-06-26 14:38:18 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Presidenta Dilma encaminha ao Congresso proposta de novo Marco Regulatório da Mineração

26/06/2013

DNPM - Assessoria de Comunicação Social

A presidenta da República, Dilma Rousseff, encaminhou, nesta terça-feira (18), em cerimônia no Palácio do Planalto, o novo marco regulatório da mineração ao Congresso Nacional. Entre as novidades anunciadas está a configuração da distribuição de royalties para metais nobres. Os municípios produtores ficarão com a maior fatia (65%). Os estados produtores ficarão com 23% e a União com 12%.

A alíquota da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) terá teto máximo de 4%. Além disso, será criado o Conselho Nacional de Política Mineral, órgão encarregado de assessorar a Presidência da República para as políticas do setor, com o objetivo de fortalecer sua participação no Produto Interno Bruto (PIB). O DNPM passará a exercer papel de agência reguladora do setor, sob o nome de Agência Nacional de Mineração.

“Este é um momento histórico para o Brasil, ao encaminhar para exame do Congresso Nacional o marco para o setor mineral. Isso atende a uma exigência incontornável do nosso tempo e um novo e largo horizonte para um dos setores fundamentais da vida brasileira. Apesar do vasto território e imensas riquezas minerais, o Brasil aproveita muito pouco [essas riquezas] e os 4% do [setor no] PIB demonstra essa assertiva”, disse o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, durante o lançamento da proposta do novo marco.

De acordo com a proposta apresentada pelo governo, a concessão será precedida de licitação para promover concorrência entre os agentes. “Essas concessões terão duração de 40 anos prorrogáveis por mais 20, sucessivamente”, disse o ministro. “Esse prazo terá renovação sucessiva, mas com obrigações  legais claras e ênfase na proteção do meio ambiente”, complementou a presidenta Dilma Rousseff.

Lobão disse que os operadores terão a obrigatoriedade de realizar “investimentos mínimos” nas áreas concedidas, e que o acesso às áreas será simplificado, “proporcionando o dinamismo que a cadeia requer”. O ministro reafirmou que o governo terá “respeito intransigente” a contratos e “regras claras para agentes envolvidos na atividade minerária”.

Também participaram da solenidade no Palácio do Planalto a Direção-Geral do DNPM, os diretores, superintendentes e servidores da autarquia.

Fonte: http://www.dnpm.gov.br/conteudo.asp?IDSecao=99&IDPagina=72&IDNoticiaNoticia=697

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351