Acesso Restrito
Array
(
    [0] => 1
    [i_empresa] => 1
    [1] => 100
    [i_conteudo] => 100
    [2] => 0
    [i_subarea] => 0
    [3] => 2013-06-26
    [dt_conteudo] => 2013-06-26
    [4] => Ganho tecnológico pode viabilizar substituição da térmica de São Jerônimo 
    [titulo] => Ganho tecnológico pode viabilizar substituição da térmica de São Jerônimo 
    [5] => Jefferson Klein
    [autor] => Jefferson Klein
    [6] => Município de Minas do Leão é visto como uma das possibilidades para a construção de uma nova usina a carvão no Rio Grande do Sul
    [resumo] => Município de Minas do Leão é visto como uma das possibilidades para a construção de uma nova usina a carvão no Rio Grande do Sul
    [7] => 

Uma movimentação política busca opções para que o espaço que será aberto pelo provável fim da operação da termelétrica a carvão de São Jerônimo seja ocupado. A ideia proposta é a instalação de uma nova térmica, de menor impacto ambiental, e que, além do carvão, possa utilizar como combustíveis a biomassa (material orgânico), lixo e resíduos do próprio mineral. Quem acompanha a iniciativa sustenta que, mesmo que a produção de energia não compense o investimento, o desenvolvimento da tecnologia justificaria a ação.

Na semana passada, o vice-governador, Beto Grill, e o secretário de Infraestrutura e Logística, Caleb de Oliveira, apresentaram o estudo de viabilidade técnica e econômico-financeira do projeto ao diretor de geração da Eletrobras, Valter Cardeal. Hoje, as empresas que estão envolvidas com o novo empreendimento são as estatais Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e Grupo CEEE, assim como a Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec), enquanto a atual usina de São Jerônimo é operada pela CGTEE, uma empresa pertencente ao Grupo Eletrobras.

O presidente da Frente Parlamentar do Carvão Mineral, deputado federal Afonso Hamm (PP-RS), revela que foi salientada a Cardeal a urgência da medida, já que está prevista para 31 de dezembro a interrupção das atividades da térmica de São Jerônimo. Isso, segundo o parlamentar, implicaria enormes prejuízos econômicos e sociais para a região. Ele calcula que cerca de duas mil famílias conectadas à cadeia carbonífera seriam afetadas. 

Hamm defende que a produção da usina seja prorrogada até a construção da outra termelétrica. De acordo com o deputado, o novo complexo levará cerca de três anos para ser instalado e absorverá de R$ 100 milhões a R$ 120 milhões em investimentos. A capacidade instalada será de 20 MW (igual a da usina atual), o que representa em torno de 0,5% da demanda média de energia do Estado.

O gerente-executivo da Secretaria de Infraestrutura, Rui Dick, é um dos entusiastas com as vantagens tecnológicas do projeto. Ele explica que será adotada a tecnologia do leito fluidizado borbulhante, que permite uma queima “mais limpa” do carvão. Dick aposta na viabilidade técnico-financeira do empreendimento e informa que o projeto será apresentado, formalmente, à CGTEE nesta semana. 

A intenção é de que a CGTEE “aproprie-se” do projeto e mantenha a operação térmica na região. Ainda há a chance de que uma companhia privada ingresse na iniciativa. Uma questão que será discutida com os técnicos da CGTEE é a possibilidade da nova estrutura ser implementada na região, mas não em São Jerônimo. Dick esclarece que, no momento, o carvão é transportado por cerca de 70 quilômetros para chegar à usina. Para diminuir esse custo logístico, a alternativa seria construir a termelétrica no município de Minas do Leão, onde se encontra a jazida.

O presidente da CGTEE, Sereno Chaise, reitera que Cardeal, que também é o presidente do Conselho de Administração da CGTEE, está em busca de uma solução para a usina de São Jerônimo. “As sugestões para viabilizar uma nova unidade que opere no lugar da velha usina (inaugurada em 1953) estão em estudos com a participação do governo do Estado e isso é muito bom para todos” avalia Chaise. O presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, comenta que a térmica de São Jerônimo é um mau exemplo para o setor carbonífero por ser antiga e causar um maior impacto ambiental.

O dirigente apoia a modernização do complexo e argumenta que, praticamente, trata-se de um projeto de pesquisa e desenvolvimento. A forma da comercialização de energia da nova usina ainda não foi definida. Foram levantadas hipóteses como leilões, mercado livre para grandes consumidores ou, se for legalmente possível, para a área de distribuição do Grupo CEEE.

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=127517

[conteudo] =>

Uma movimentação política busca opções para que o espaço que será aberto pelo provável fim da operação da termelétrica a carvão de São Jerônimo seja ocupado. A ideia proposta é a instalação de uma nova térmica, de menor impacto ambiental, e que, além do carvão, possa utilizar como combustíveis a biomassa (material orgânico), lixo e resíduos do próprio mineral. Quem acompanha a iniciativa sustenta que, mesmo que a produção de energia não compense o investimento, o desenvolvimento da tecnologia justificaria a ação.

Na semana passada, o vice-governador, Beto Grill, e o secretário de Infraestrutura e Logística, Caleb de Oliveira, apresentaram o estudo de viabilidade técnica e econômico-financeira do projeto ao diretor de geração da Eletrobras, Valter Cardeal. Hoje, as empresas que estão envolvidas com o novo empreendimento são as estatais Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e Grupo CEEE, assim como a Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec), enquanto a atual usina de São Jerônimo é operada pela CGTEE, uma empresa pertencente ao Grupo Eletrobras.

O presidente da Frente Parlamentar do Carvão Mineral, deputado federal Afonso Hamm (PP-RS), revela que foi salientada a Cardeal a urgência da medida, já que está prevista para 31 de dezembro a interrupção das atividades da térmica de São Jerônimo. Isso, segundo o parlamentar, implicaria enormes prejuízos econômicos e sociais para a região. Ele calcula que cerca de duas mil famílias conectadas à cadeia carbonífera seriam afetadas. 

Hamm defende que a produção da usina seja prorrogada até a construção da outra termelétrica. De acordo com o deputado, o novo complexo levará cerca de três anos para ser instalado e absorverá de R$ 100 milhões a R$ 120 milhões em investimentos. A capacidade instalada será de 20 MW (igual a da usina atual), o que representa em torno de 0,5% da demanda média de energia do Estado.

O gerente-executivo da Secretaria de Infraestrutura, Rui Dick, é um dos entusiastas com as vantagens tecnológicas do projeto. Ele explica que será adotada a tecnologia do leito fluidizado borbulhante, que permite uma queima “mais limpa” do carvão. Dick aposta na viabilidade técnico-financeira do empreendimento e informa que o projeto será apresentado, formalmente, à CGTEE nesta semana. 

A intenção é de que a CGTEE “aproprie-se” do projeto e mantenha a operação térmica na região. Ainda há a chance de que uma companhia privada ingresse na iniciativa. Uma questão que será discutida com os técnicos da CGTEE é a possibilidade da nova estrutura ser implementada na região, mas não em São Jerônimo. Dick esclarece que, no momento, o carvão é transportado por cerca de 70 quilômetros para chegar à usina. Para diminuir esse custo logístico, a alternativa seria construir a termelétrica no município de Minas do Leão, onde se encontra a jazida.

O presidente da CGTEE, Sereno Chaise, reitera que Cardeal, que também é o presidente do Conselho de Administração da CGTEE, está em busca de uma solução para a usina de São Jerônimo. “As sugestões para viabilizar uma nova unidade que opere no lugar da velha usina (inaugurada em 1953) estão em estudos com a participação do governo do Estado e isso é muito bom para todos” avalia Chaise. O presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, comenta que a térmica de São Jerônimo é um mau exemplo para o setor carbonífero por ser antiga e causar um maior impacto ambiental.

O dirigente apoia a modernização do complexo e argumenta que, praticamente, trata-se de um projeto de pesquisa e desenvolvimento. A forma da comercialização de energia da nova usina ainda não foi definida. Foram levantadas hipóteses como leilões, mercado livre para grandes consumidores ou, se for legalmente possível, para a área de distribuição do Grupo CEEE.

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=127517

[8] => tecnologia, térmica, são jerônimo [palavra_chave] => tecnologia, térmica, são jerônimo [9] => S [publica] => S [10] => 0 [i_usuario] => 0 [11] => 2013-06-26 13:57:37 [dt_sistema] => 2013-06-26 13:57:37 [12] => [foto] => [13] => [capa] => )

Ganho tecnológico pode viabilizar substituição da térmica de São Jerônimo

26/06/2013

Jefferson Klein

Uma movimentação política busca opções para que o espaço que será aberto pelo provável fim da operação da termelétrica a carvão de São Jerônimo seja ocupado. A ideia proposta é a instalação de uma nova térmica, de menor impacto ambiental, e que, além do carvão, possa utilizar como combustíveis a biomassa (material orgânico), lixo e resíduos do próprio mineral. Quem acompanha a iniciativa sustenta que, mesmo que a produção de energia não compense o investimento, o desenvolvimento da tecnologia justificaria a ação.

Na semana passada, o vice-governador, Beto Grill, e o secretário de Infraestrutura e Logística, Caleb de Oliveira, apresentaram o estudo de viabilidade técnica e econômico-financeira do projeto ao diretor de geração da Eletrobras, Valter Cardeal. Hoje, as empresas que estão envolvidas com o novo empreendimento são as estatais Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e Grupo CEEE, assim como a Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec), enquanto a atual usina de São Jerônimo é operada pela CGTEE, uma empresa pertencente ao Grupo Eletrobras.

O presidente da Frente Parlamentar do Carvão Mineral, deputado federal Afonso Hamm (PP-RS), revela que foi salientada a Cardeal a urgência da medida, já que está prevista para 31 de dezembro a interrupção das atividades da térmica de São Jerônimo. Isso, segundo o parlamentar, implicaria enormes prejuízos econômicos e sociais para a região. Ele calcula que cerca de duas mil famílias conectadas à cadeia carbonífera seriam afetadas. 

Hamm defende que a produção da usina seja prorrogada até a construção da outra termelétrica. De acordo com o deputado, o novo complexo levará cerca de três anos para ser instalado e absorverá de R$ 100 milhões a R$ 120 milhões em investimentos. A capacidade instalada será de 20 MW (igual a da usina atual), o que representa em torno de 0,5% da demanda média de energia do Estado.

O gerente-executivo da Secretaria de Infraestrutura, Rui Dick, é um dos entusiastas com as vantagens tecnológicas do projeto. Ele explica que será adotada a tecnologia do leito fluidizado borbulhante, que permite uma queima “mais limpa” do carvão. Dick aposta na viabilidade técnico-financeira do empreendimento e informa que o projeto será apresentado, formalmente, à CGTEE nesta semana. 

A intenção é de que a CGTEE “aproprie-se” do projeto e mantenha a operação térmica na região. Ainda há a chance de que uma companhia privada ingresse na iniciativa. Uma questão que será discutida com os técnicos da CGTEE é a possibilidade da nova estrutura ser implementada na região, mas não em São Jerônimo. Dick esclarece que, no momento, o carvão é transportado por cerca de 70 quilômetros para chegar à usina. Para diminuir esse custo logístico, a alternativa seria construir a termelétrica no município de Minas do Leão, onde se encontra a jazida.

O presidente da CGTEE, Sereno Chaise, reitera que Cardeal, que também é o presidente do Conselho de Administração da CGTEE, está em busca de uma solução para a usina de São Jerônimo. “As sugestões para viabilizar uma nova unidade que opere no lugar da velha usina (inaugurada em 1953) estão em estudos com a participação do governo do Estado e isso é muito bom para todos” avalia Chaise. O presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), Fernando Zancan, comenta que a térmica de São Jerônimo é um mau exemplo para o setor carbonífero por ser antiga e causar um maior impacto ambiental.

O dirigente apoia a modernização do complexo e argumenta que, praticamente, trata-se de um projeto de pesquisa e desenvolvimento. A forma da comercialização de energia da nova usina ainda não foi definida. Foram levantadas hipóteses como leilões, mercado livre para grandes consumidores ou, se for legalmente possível, para a área de distribuição do Grupo CEEE.

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=127517

Rua Pascoal Meller, 73 - Bairro Universitário - CEP 88.805-380 - CP 362 - Criciúma - Santa Catarina
Tel. (48) 3431.8350/Fax: (48) 3431.8351